ROBBY KRIEGER AINDA ESTÁ EM BUSCA DE SUA GIBSON SG VERMELHA ORIGINAL (2024)

The Doors: ‘Jim Morrison podia ser irritante, mas valia a pena pela música’, lembra Robby Krieger


Em entrevista ao ‘Estadão’, o veterano guitarrista, cofundador do The Doors, refletiu sobre período no grupo, criticou o filme estrelado por Val Kilmer e falou sobre nova banda, cujo álbum de estreia acaba de ser lançado

Por Gabriel Zorzetto
22/01/2024

Em meados de 1966, o jovem guitarrista Robby Krieger estava empenhado em apresentar novas composições ao recém-formado The Doors. Inspirado pelo título de uma música dos Rolling Stones chamada Play With Fire, compôs a igualmente incendiária Light My Fire.

Quando mostrou a canção para os colegas de banda – o vocalista Jim Morrison, o tecladista Ray Manzarek e o baterista John Densmore – ele jamais poderia imaginar que acabara de conceber um dos maiores hinos da história do rock n’ roll.
“Quando a escrevi, achei boa, mas foi só quando começamos a tocar no Whisky a Go Go [célebre clube noturno na Califórnia], noite após noite, que descobrimos que a música despertava a melhor reação do público”, conta Krieger, direto de Los Angeles, em entrevista ao Estadão.

O grupo californiano, de clássicos como Riders on the Storm, Touch Me e Roadhouse Blues, lançou seu último disco de estúdio em 1978, sete anos após a morte de Morrison, astro insolente cuja vida era regada a excessos e escândalos.
Ele foi encontrado sem vida em um apartamento em Paris, aos 27 anos, mas seu status de lenda permanece até hoje, sendo considerado um símbolo da contracultura, além de um dos mais geniais poetas da música popular.

É claro que as atitudes dele podiam ser bem irritantes, mas com o tempo aprendi que ele era daquele jeito e não se podia fazer nada a respeito, mas valia a pena por causa da música. Robby Krieger

Parte do mito em torno de Morrison vem do filme The Doors (1991), dirigido por Oliver Stone e com Val Kilmer no papel do vocalista. Apesar do sucesso da cinebiografia, Krieger considera que a obra não reflete a personalidade do cantor com precisão, mas sim um estereótipo do que ele poderia se tornar nos momentos em que estava sob efeitos de drogas e álcool.

“Não posso culpar Oliver Stone, porque ele nunca conheceu o Jim, mas acho que ele poderia ter feito algo muito melhor nesse aspecto”, opina.

Aos 78 anos, Krieger se mantém em plena atividade. Durante a pandemia de covid-19, gravou uma série de tutoriais para o YouTube onde ensina a tocar algumas músicas dos Doors. Recentemente, publicou seu livro de memórias Set the Night on Fire: Living, Dying, and Playing Guitar With the Doors, ainda não traduzido no Brasil.

Agora, ele acaba de formar um novo grupo: Robby Krieger & The Soul Savages, quarteto que inclui o baterista Franklin Vanderbilt (membro da banda de Lenny Kravitz), o baixista Kevin Brandon (trabalhou com Michael Jackson e James Brown) e o tecladista Ed Roth (toca com Annie Lennox).

O autointitulado álbum de estreia, que foi lançado na sexta, 19 de janeiro, é composto por dez faixas instrumentais e incorpora elementos de jazz fusion, soul, blues e funk. Os fãs podem escutar o disco em CD, vinil e também nas plataformas de streaming.

“Com esse tipo de música, onde não há letras, a melodia tem que ser memorável. Muitas das canções nós terminamos no mesmo dia, pois havia muita química com esses caras. Alguns dos solos que fiz foram gravados em apenas um take”, explica Ed Roth, americano filho de mãe brasileira.

“Foi um prazer estar ao lado desses homens. A maneira que contribuí foi ficando ‘fora do caminho’, porque muitas vezes as coisas fluem por si só. Eu toco a serviço da música, respondendo ao que eu escuto”, complementa Franklin.
Krieger está lançando seu oitavo álbum em carreira solo, sem negar que busca atingir um novo público, não necessariamente associado ao rock clássico convencional. “Sempre tive o sonho de ter um hit instrumental. Já fiz quatro ou cinco discos desse tipo, até achei eles bons, mas ninguém pareceu comprá-los [Singularity, de 2010, foi indicado ao Grammy de Melhor Álbum Pop Instrumental]”.

As pessoas querem ouvir The Doors, é claro. Mas este novo trabalho é bem mais comercial, então tenho grandes expectativas. Robby Krieger

O veterano guitarrista já esteve duas vezes no Brasil em turnê com os membros remanescentes dos Doors. Em 2004, com Ian Astbury (The Cult) nos vocais e em 2008 com Bret Scallions (Fuel) fazendo as vozes de Jim Morrison.

No entanto, após a morte de Ray Manzarek, em 2013, e alguns desentendimentos entre Krieger e Densmore, o projeto perdeu força. “Me lembro de ficar na praia em Ipanema, de ver o Cristo Redentor, e do trânsito intenso em São Paulo (risos)”, rememora. Os Soul Savages revelaram que têm interesse em vir ao Brasil, quem sabe, para um show único.

 


2023

04 SEPTEMBER

O DOORS LIVE AT THE MATRIX: A HISTÓRIA POR TRÁS DA RESIDÊNCIA LENDÁRIA NO CLUBE

Em Detalhes O Doors Live At The Matrix: A História Por Trás Da Residência Lendária no Clube A breve residência do Doors no clube Matrix de San Francisco, em MARÇO DE 1967, ajudou a construir a lenda do grupo. Os shows continuam sendo uma audição crucial.

JASON DRAPER – https://www.thisisdig.com/feature/the-doors-the-matrix-san-fransisco-club-residency-march-1967-story/

Provando consistentemente ser uma das bandas ao vivo mais eletrizantes dos anos 60 - com um dos melhores vocalistas de rock de todos os tempos - o Doors tinha a habilidade de fazer com que os maiores espaços de arena parecessem íntimos e os menores clubes se tornassem locais de viagens épicas para as fronteiras do som. Quando eles fizeram uma residência de cinco noites no pequeno clube Matrix de São Francisco, de 7 A 11 DE MARÇO DE 1967, o grupo teve a oportunidade de aprimorar um show ao vivo que seguia para onde a inspiração os levava. Realizando três sets todas as noites, seu repertório incluía destaques de seu álbum de estreia autointitulado, lançado recentemente, e de seu futuro álbum ainda não gravado, além de padrões aprendidos nos discos de jazz e blues que os inspiraram desde o início. Marcando um momento que em breve seria impossível para a banda repetir, os shows da Matrix estão entre os últimos que o Doors já fez em um clube, à medida que o tamanho das salas que eles podiam lotar começou a crescer em consonância com a lenda da banda.

Gravações piratas de má qualidade e uma coleção de 2 CDs deram aos fãs um vislumbre dessas históricas performances do Doors, mas foi somente com o lançamento da caixa LIVE AT THE MATRIX 1967: THE ORIGINAL MASTERS, com 5 LPs/3 CDs, que fitas de primeira geração foram usadas para oferecer a imagem mais limpa e completa até hoje da breve passagem do Doors pela antiga pizzaria, agora transformada em clube de rock. "Eles tinham um bom sistema de gravação de áudio ao vivo", lembrou o guitarrista Robby Krieger em suas memórias, SET THE NIGHT ON FIRE: VIVENDO, MORRENDO E TOCANDO GUITARRA COM O DOORS, "e eles acabaram gravando enquanto estávamos na cidade". Gravado em um gravador de rolo por Peter Abram, que era coproprietário da Matrix ao lado de Marty Balin, do Jefferson Airplane, os shows do Doors na Matrix apresentam uma banda que ousadamente redefine os limites de sua arte, enquanto ficava, sem saber, à beira de uma fama além de sua imaginação.

Aqui está a história de como isso aconteceu e o que os shows na Matrix significaram para o legado do Doors.

A HISTÓRIA: "AS PRIMEIRAS FILAS NOS OLHAVAM COMO SE FÔSSEMOS DE OUTRO PLANETA"

Tocar em clubes ao longo de 1966 havia sido crucial para o desenvolvimento do som do Doors. Contratados como banda residente no London Fog em Los Angeles antes de passarem para o lendário Whisky A Go Go na Sunset Strip - do qual foram demitidos após o empresário Phil Tanzini ouvir os monólogos edipianos do vocalista Jim Morrison no emblemático momento do set da banda em "The End" - o Doors usou esses pequenos espaços, onde podiam se apresentar na frente de qualquer número de pessoas, de uma a cem fãs, como campos de testes para novas ideias, extrapolando suas músicas mais longas em jornadas cada vez mais exploratórias rumo ao desconhecido e apertando os arranjos de seus clássicos mais explosivos do início de carreira, como "Break On Through (To The Other Side)".

Quando eles começaram sua residência na Matrix, em MARÇO DE 1967, a banda já havia feito sua primeira visita ao refúgio hippie de São Francisco, tocando como banda de abertura no sagrado Fillmore West de Bill Graham no mês de JANEIRO. Apesar de terem acabado de lançar seu álbum de estreia, os forasteiros foram obrigados a provar a si mesmos em uma cidade cujo público contracultural estava fascinado pelos pioneiros locais Jefferson Airplane e Grateful Dead. “Sentimos como se estivéssemos sendo analisados porque éramos de LA”, escreveu o baterista John Densmore em suas memórias, RIDERS ON THE STORM: MINHA VIDA COM JIM MORRISON E O DOORS. “Os rostos das primeiras fileiras nos olhavam como se viessemos de outro planeta.”

Ao passar no teste informal, quando os músicos de Los Angeles retornaram dois meses depois, eles já estavam no topo do cartaz na Avalon Ballroom. Como Krieger escreveu, "Quando um grupo de fora da cidade veio para SF ... eles poderiam tocar na Matrix durante a semana e depois tocar no Fillmore ou Avalon Ballroom no fim de semana seguinte." Ao receberem uma oferta para tocar no pequeno clube durante toda a semana após sua apresentação na Avalon, o Doors viu a chance perfeita de continuar a aprimorar seu material em um ambiente informal.

OS SHOWS NA MATRIX: "UM LUGAR LEGAL E INTIMO PARA FAZER EXPERIMENTOS"

Como descrito pelo tecladista Ray Manzarek em seu livro LIGHT MY FIRE: MINHA VIDA COM O DOORS, a Matrix era "um lugar legal e íntimo para fazer alguns experimentos com arranjos e colocação de poemas". Nas notas do álbum THE DOORS: BOX SET, uma coleção de 4 CDs de faixas descartadas e gravações ao vivo que apresentava duas performances na Matrix lançadas oficialmente pela primeira vez, Densmore acrescentou que o local para 150 pessoas poderia ter sido "uma câmara de eco sem pessoas, mas conseguimos ensaiar nossas músicas".

Tocando um total de 15 sets durante a residência de cinco noites, o Doors presenteou os membros da audiência que estavam presentes na Matrix com uma mistura de destaques de seu álbum de estreia e material novo em progresso, ao mesmo tempo em que mergulhava em suas raízes no blues e exibia cada vez mais sua habilidade no jazz à medida que apresentavam músicas como "Crawling King Snake" de John Lee Hooker, que eles revisitariam em seu álbum L.A. WOMAN, junto com a composição de bebop "Bags' Groove", de Milt Jackson, e uma versão instrumental do clássico do Great American Songbook de George Gershwin, "Summertime", que nunca mais seria executado pelo grupo em qualquer outra situação.

Ganhando confiança como banda, eles também recriaram sua própria música, com Morrison aproveitando versões longas da música de encerramento em constante mudança de seu álbum de estreia, "The End", como uma oportunidade para experimentar novas interpolações de palavras faladas, incluindo incantações parecidas com sessões espíritas ("Você pode ficar observando as imagens queimarem? / E não se lançar para saquear sua chama doente / Agarrar brasas derretendo pelo pelo / Pegar essas cinzas para o seu rosto / Manter o incenso queimar puro / As chamas sobem mais nas paredes") e instruções para um apocalipse não nomeado ("Vamos dar sorvete para os ratos, baby / Vamos colocar um sorriso no estômago do gatinho").

Os quatro integrantes dos Doors também continuaram a mexer no arranjo de sua música emblemática, "Light My Fire". Poucas semanas antes de lançarem uma versão editada da faixa como seu eventual sucesso número um, no Matrix, o grupo usou o icônico trecho de abertura de Ray Manzarek como uma ponte entre o refrão e o segundo verso, como originalmente imaginado. "Foi nosso produtor, Paul Rothchild, quem teve a visão de sugerir que usássemos essa parte de transição como introdução e final", escreveu Krieger em SET THE NIGHT ON FIRE. "Se você ouvir nossas gravações ao vivo do Matrix em San Francisco, pode ouvir o arranjo original e se perguntar, como eu faço às vezes, como a vida dos Doors teria sido diferente se Paul não tivesse feito essa sugestão formativa."

Durante sua residência no Matrix, outras adições futuras às melhores canções dos Doors começaram a surgir. A melancólica "Summer's Almost Gone", uma música que os Doors gravaram para sua primeira demo, mas que só seria lançada em seu terceiro álbum, WAITING FOR THE SUN, encontra Morrison descobrindo um tom suave em consonância com uma presença de palco que, com seus cumprimentos educados ("Obrigado, já voltamos"), ainda não havia assumido a persona xamânica que Morrison assumiria nos meses seguintes.

Enquanto isso, em seu segundo álbum, STRANGE DAYS, o sombrio "When The Music's Over" fez pelo álbum o que "The End" tinha feito pelos Doors, dando a Morrison a chance de experimentar com a entonação vocal e explorar uma variedade de ideias poéticas de sua psique, incluindo advertências paranoicas ("Tudo que você fizer será relatado / À noite, seus sonhos serão gravados") e uma passagem formativa das letras que mais tarde apareceriam como um lado B do futuro álbum "The Soft Parade", "Who Scared You".

Musicalmente, os instrumentistas dos Doors se basearam em uma paleta de influências mais ampla do que a que informou seu álbum de estreia. Em "Moonlight Drive", que se tornaria um destaque de STRANGE DAYS, as linhas psicodélicas de guitarra de Krieger quase fazem parecer que o grupo tinha dois guitarristas no palco em San Francisco. Marcada para o mesmo álbum, "I Can't See Your Face In My Mind" segue um groove latino que o grupo abandonaria em favor do arranjo noturno assombrado que gravaria em estúdio alguns meses depois. "Na versão de estúdio, fazemos isso como um bolero languido e oriental. Lanternas de papel, lua cheia, um jardim de Kyoto", observou Manzarek. "Mas aqui... estamos no México, em um resort de salsa à beira-mar, e a noite está quente!"

"Acho que o Carlos Santana pode ter ido ao Matrix naquela noite. Deve ter lhe dado algumas ideias!" brincou Krieger.

O LEGADO: "TÃO DISTANTE DOS CONCERTOS ESTRONDOSOS EM ESTÁDIOS QUE ESTAVAM POR VIR"

Após sua passagem pelo Matrix, os Doors voltaram a Los Angeles, onde as sessões de gravação para STRANGE DAYS começariam em MAIO, pouco mais de uma semana depois que "Light My Fire" lançou o primeiro assalto sério do grupo às paradas.

Os shows em clubes logo se tornariam coisa do passado para a banda, e as apresentações no Matrix rapidamente se tornaram lendárias para os fãs que só veriam os Doors em palcos maiores - seja pessoalmente, seja através de lançamentos lendários como ABSOLUTELY LIVE e LIVE AT THE HOLLYWOOD BOWL. No entanto, embora o grupo já estivesse em ascensão quando fez sua segunda viagem a San Francisco, essa estadia de uma semana proporcionou um impulso bem-vindo a um processo criativo que sempre prosperava com as liberdades encontradas na improvisação ao vivo.

"As gravações do Matrix refletem o tipo de cena íntima de boate onde as pessoas vinham para relaxar, ficar um pouco chapadas, ouvir a banda dizer como as coisas são, aplaudir e depois voltar para casa", escreveu Doug Sundling em seu livro THE DOORS: ARTISTIC VISION. Observando que "o som que ainda estava moldado para se adaptar à intimidade da boate floresceria nas interpretações amplificadas" das futuras performances ao vivo dos Doors, Sundling contextualizou os shows do Matrix dentro do amplo legado do grupo, escrevendo: "Os aplausos calorosos e o Morrison cordial no microfone parecem tão distantes dos concertos barulhentos lotados de arenas que estavam por vir".

"É claro, não atraímos muita audiência como uma banda de fora da cidade tocando em uma terça-feira", diria Krieger sobre os shows que agora são reunidos como LIVE AT THE MATRIX 1967: THE ORIGINAL MASTERS, mas o guitarrista reconheceria que eles proporcionaram aos Doors tempo para se desenvolver no palco de uma maneira que nunca mais seriam capazes: "Quase senti que estávamos de volta no London Fog".

2024

JANUARY 13

https://www.strangedaysbook.org/

As Portas através de Dias Estranhos - Um blog detalhado sobre DIAS ESTRANHOS, o segundo álbum do The Doors. O livro AS PORTAS ATRAVÉS DE DIAS ESTRANHOS estará disponível em breve. Todo o conteúdo do blog não está no livro.

A PERFORMANCE DE "WHEN THE MUSIC'S OVER" DO THE DOORS NO "THE MATRIX"

Existem muitas versões de "When The Music's Over" que o The Doors tocou ao vivo.

No entanto, existem apenas duas gravações dessa grande música que antecederam seu lançamento no segundo álbum da banda, DIAS ESTRANHOS, em SETEMBRO DE 1967.

Uma delas é a que foi incluída na série de concertos realizados pela banda em São Francisco em março de 67 no famoso local The Matrix.

Estamos a seis meses do lançamento do LP que conterá a versão oficial desta maravilhosa suíte musical, mas sua construção já está em estágios finais.

O comprimento total da música e suas diferentes partes já estão definidos, assim como o arranjo, que parece estar completo com quase todos os elementos que o caracterizam na gravação.

A diferença mais notável é encontrada na ausência dos solos fortemente distorcidos que Robby Krieger toca para interromper a faixa do LP. Por razões técnicas, essas incríveis partes de guitarra solo eram muito difíceis de tocar ao vivo naquela época.

Os solos, portanto, são menos poderosos e, inevitavelmente, não têm o mesmo efeito dramático da guitarra na faixa do álbum.

No entanto, eles são inovadores para MARÇO DE 67 e demonstram a incrível criatividade experimental do guitarrista Robby Krieger.

Outra diferença entre essa versão ao vivo de "When The Music's Over" e a do álbum é representada pelas letras da seção do meio.

Aqui, Jim Morrison, talvez improvisando, talvez porque ainda não tivesse totalmente desenvolvido os versos dessa composição, pronuncia frases diferentes das que podemos ouvir no vinil.

No álbum, essa parte é mais longa e inclui algumas das letras mais famosas do The Doors, como "O grito da borboleta" e "Queremos o mundo e queremos agora!".

No THE MATRIX, ele as substitui por uma série de palavras poéticas muito diferentes em concepção e significado.

Aqui está o texto completo desta parte da música conforme Morrison a canta no The Matrix em março de 67:

"Algo está errado, algo não está bem... (x3)

Toque-me, amor, a noite toda... Sim...

Confusão... Confusão... Toda a minha vida é uma ilusão brilhante...

Todo o meu mundo é um personagem rasgado... Toda minha mente desmorona...

Desmorona... Desmorona... Desmorona...

E eu chamo... Chamo... Eu te quero... Eu preciso de você... Estou sentindo falta do meu amor...

Volte para minha casa... Agora... Agora... Agora!!"

Essas são palavras sombrias que transmitem sentimentos intensos como desorientação mental, decepção e desconforto sentidos pelo cantor e pela geração à qual ele pertencia.

A variação das letras originais de "When The Music's Over" que citamos é uma das primeiras feitas pelo cantor (se não a primeira) para as quais temos uma gravação.

Esse padrão continuou mesmo depois do lançamento da música em DIAS ESTRANHOS.

Na verdade, a seção do meio dessa música foi frequentemente usada como base para as improvisações poéticas de Morrison durante os concertos a partir de meados de 1967.

Finalmente, deve-se notar que "When The Music's Over" foi desenvolvida pelo The Doors a partir da PRIMAVERA-VERÃO do ano anterior: 1966.

Isso a torna um marco de inovação no gênero Rock e na música moderna, um experimento musical inédito e, é claro, uma obra-prima imortal por si só.

P.S: Outra versão de "When The Music's Over" no THE MATRIX foi gravada. As letras da seção do meio diferem das que mencionamos acima.

Na minha opinião, é muito interessante lê-las também, então cito as letras alternativas de The Matrix dessa parte da música aqui abaixo:

"Algo está errado, algo não está bem... (x3)

Toque-me, amor, a noite toda... Sim... A noite toda...

Tudo o que você fizer será relatado... (x3)

Durante a noite, seus sonhos serão gravados...

Vamos... Vamos, amor... De volta para minha casa...

Eu te quero... Eu preciso de você... Estou sentindo falta do meu amor... Venha para casa...

Dê-me um sinal... (x2) Dê-me um olhar... Me mande um livro... Me escreva uma linha...

Está quase na hora, me dê um sinal... Agora... Agora...

Agora... Agora... Agora!!".

 

2024

16 DE JANEIRO

ROBBY KRIEGER AINDA ESTÁ EM BUSCA DE SUA GIBSON SG VERMELHA ORIGINAL

Aqui estão alguns detalhes: "Se alguém por aí souber alguma coisa sobre isso, por favor, me ligue. Sério!"

kalu15051 (UG Writer) - https://www.ultimate-guitar.com/

O guitarrista Robby Krieger, famoso por ser membro da banda The Doors, pediu aos fãs que o ajudem a encontrar sua guitarra original Gibson SG Special vermelha.

Em entrevista à Guitar World, o guitarrista mencionou que, embora tenha encontrado uma substituta após o desaparecimento da guitarra original, nunca deixou de procurar pela original: "Tive a sorte de encontrar outra semelhante", disse Krieger. "[Mas] ainda estou procurando pela minha SG original... Se alguém souber alguma coisa sobre isso, por favor, me ligue. Sério!"

A guitarra foi destaque nos dois primeiros álbuns do The Doors, e Krieger escreveu a famosa faixa cult "Light My Fire" com ela. Infelizmente, a guitarra desapareceu por volta de 1967, quando alguém a roubou do espaço de ensaio da banda.

Em 2021, Krieger fez o mesmo pedido através de um vídeo no canal do The Doors no YouTube. No vídeo, o guitarrista descreveu detalhadamente a história da guitarra: "Era uma Gibson SG Special vermelha, e tinha captadores P90, pretos. Comprei na loja de penhores Ace Loans em Santa Monica. Esta foi a guitarra com a qual fiz o teste para entrar no The Doors. Além disso, escrevi 'Light My Fire' com ela. Toquei no Whiskey, no London Fog, e no Ed Sullivan Show, e a usei nos dois primeiros álbuns do The Doors. E então, um dia, ela sumiu. Alguém a roubou do nosso local de ensaio."

Com a ajuda de um fã do The Doors, Krieger encontrou o número de série da guitarra e o divulgou no vídeo. O número rapidamente se mostrou incorreto, mas felizmente, Krieger encontrou o número original e verdadeiro, que é 88779.

Além do valor sentimental da Gibson SG como ferramenta para criar o material inicial do The Doors, Krieger construiu uma relação com ela em sua infância, quando viu Chuck Berry se apresentar com uma Gibson ES-335 vermelha no Santa Monica Civic Center: "Ele tocava esta bela Gibson ES-335 vermelha. No dia seguinte, decidi trocar uma das minhas guitarras de flamenco por uma ES-335. Mas acabou que a ES-335 era muito cara, e a única guitarra que eu podia pagar era uma Gibson SG."

Embora a aparência tenha sido a primeira coisa que chamou a atenção de Krieger, ele se apaixonou pelo som suave da guitarra, que se tornou um pilar do sucesso do The Doors: "Sempre se trata de como você toca em vez do que você toca. Mas acho que a SG tinha um som mais suave em comparação com as guitarras Fender da época. O material da Fender era mais agudo, e eu nunca fui fã disso. Sempre preferi sons mais suaves, o que eu conseguia com a Gibson."

Robby Krieger pediu aos proprietários de Gibson SG Specials '63/'64 que verifiquem os headstocks e o número de série neles. Se o número de série da sua SG for 88779, ou se você se lembrar de ter visto um número semelhante em algum lugar, entre em contato com Krieger através do e-mail This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it..

Articles View Hits
11363903

We have 909 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro