ANTHONY STERN, CINEASTA, ARTISTA PLÁSTICO (OBITUÁRIO, 2022)

anthony_stern_pic2

Anthony Stern (26 de outubro de 1944 - 10 de fevereiro de 2022) foi um cineasta experimental britânico e fabricante de vidro. Ele começou a fazer filmes na Universidade de Cambridge, depois trabalhou como assistente do documentarista de vanguarda Peter Whitehead. (Texto do Wikipédia)

Obituário de Anthony Stern: um artista psicodélico em filme e vidro

O cineasta experimental e cinegrafista nascido em Cambridge capturou o espírito psicodélico da contracultura dos anos 60, mas deixou tudo para trás para moldar uma carreira no vidro.

4 de março de 2022

Por Sophia Satchell-Baezahttps://www-bfi-org-uk

Anthony Stern pode ter sido mais conhecido por seus artigos de vidro altamente colecionáveis, mas seu trabalho no cinema o levou ao coração da contracultura hippie transatlântica. Nascido em Cambridge, filho de pais acadêmicos, ele mais tarde mergulharia na próspera boemia de jazz, poesia e sit-ins da cidade em meados dos anos 60, ao lado de muitos que definiram a aparência e o som do underground de Londres - ele exibiu suas pinturas ao lado de Syd Barrett, logo à frente do Pink Floyd.

Mas foi um encontro casual com Peter Whitehead nas ruas de Cambridge que abriu um portal para a cultura pop. Whitehead pediu ajuda em seu primeiro filme, The Perception of Life (1964), um documentário da Fundação Nuffield sobre a história do microscópio. A partir de um começo tão auspicioso, os dois embarcariam em uma busca dinâmica para documentar o zeitgeist dos anos 60. Stern foi assistente de direção em Charlie Is My Darling (1966) de Whitehead - o primeiro documentário sobre os Rolling Stones - e Tonite Let's All Make Love in London (1967), seu olhar lírico sobre o fenômeno londrino.

São Francisco (1968)

Juntos, eles filmaram o documentário de Théodora Olembert, Is Venice Sinking? (1968) e Les Teenagers de Pierre Roustang (1969). Bem antes do nascimento da MTV , eles trabalharam de perto em algumas das primeiras promoções pop britânicas para a Immediate Records, Andrew Loog Oldham e o selo musical de curta duração de Tony Calder. Esses videoclipes pioneiros – feitos para os Rolling Stones, The Beach Boys e PP Arnold – exigiram uma reviravolta rápida: Peter filmou e editou, Anthony gravou o som e tirou fotos. Foi, como refletiu Anthony, “um sistema ideal, realmente, enquanto durou…”

Os dois se separaram em Nova York em 1967, onde Stern estava ajudando Whitehead em seu documentário de protesto altamente combustível e autorreferencial, The Fall (1969). Stern esteve envolvido em 10 horas de corridas - principalmente gravando performances de arte radical e protestos de rua, como o brutal Henny Penny Piano Destruction Concert de Rafael Montañez Ortiz (1967) e a Marcha no Pentágono - quando ele se levantou e partiu para a costa oeste para perseguir sua própria visão. O que resultou disso foi San Francisco (1968), um filme diário curto e altamente cinético que mergulha profundamente na América hippie, mas olha para Londres com sua rara gravação de 'Interstellar Overdrive' do Pink Floyd. Concluído com a ajuda do BFI Production Board, ganhou prêmios nos festivais de cinema de Oberhausen, Melbourne e Sydney.

Anthony Stern Movie talk. In 2008, in Paris, Anthony Stern discussed his experimental movies. In this cut the French translations have been omitted, the original video was shot by Lionel Soukaz.

Pega tudo isso, formiga? (2015)

Embora nenhum de seus filmes posteriores tenha alcançado o sucesso de São Francisco, vários continuaram seus experimentos em cinematografia de quadro único e retrato de estilos de vida alternativos. O fragmentário filme diário Wheel (1969 a 1971) segue o ator Billie Dixon (sua então namorada) em uma viagem surreal e associativa. Ele fez retratos de filmes inspirados em Warhol de amigos que ele admirava: Whitehead em Nothing to Do with Me (1969) e o poeta da escola de Nova York Ted Berrigan. Ele até injetou dinamismo na solidez da arquitetura em Serendipity (1971), uma comissão lúdica com música de Barbara Moore. Ele continuou trabalhando como cinegrafista em filmes de concerto como Glastonbury Fayre (Nicolas Roeg e Peter Neal, 1971) e Yessongs (Neal, 1973), além de colaborar com Neal no filme de colagem erótica Ain't Misbehavin' (1974).

Mas a sensação de que sua carreira cinematográfica havia chegado ao fim o perseguia, e ele se voltou para o vidro soprado em 1976. Quase 40 anos depois, ele voltou ao cinema depois que um diagnóstico de Parkinson o fez reexaminar o que chamou de “bolas de gude de memória”, culminando no magnífico ensaio autobiográfico Get All That, Ant? (2015). Mas já foi um salto tão grande? “Vidro e filme são idênticos”, ele dizia. “Ambos são materiais translúcidos através dos quais a luz passa.”

barrett stern

 Aqui Syd Barrett em foto feita pelo amigo Anthony Stern

HULK EM GUERRA PELO CLIMA DA TERRA!

JANE FONDA FALA SOBRE NOITE NA PRISÃO: "ERA APENAS EU E AS BARATAS"

 
Fonte: Folha Press / https://cidadeverde.com/noticias/311802/jane-fonda-fala-sobre-noite-na-prisao-era-apenas-eu-e-as-baratas

08 nov. / 2019 – A atriz Jane Fonda, 81, falou sobre a noite que passou na prisão, no último dia 1º, quando foi pela quarta sexta-feira vez consecutiva detida por protestar contra as mudanças climáticas em Washington D.C., capital dos Estados Unidos. "Na minha cela, era apenas eu e as baratas."

A declaração foi dada em entrevista ao site The Hollywood Reporter, publicada na quarta-feira (6). Segundo a atriz da série Grace e Frankie, da Netflix, ela ficou presa por 20 horas. Nas primeiras sete horas, ficou em uma cela sozinha com "as baratas". Depois foi transferida para outra cela com quatro mulheres, e depois para outro bloco com mais seis mulheres.

Para a atriz, que se considera uma privilegiada por ser "uma estrela de cinema branca" que faz uma série de sucesso, o mais perturbador foi ver a situação das outras pessoas presas. "Porque muitas pessoas estão lá por causa da pobreza, do racismo e de problemas de saúde mental. E isso me deixou muito triste."

Fonda também comparou o seu momento atual com situação semelhante que viveu nos anos 1970, quando iniciou o seu ativismo e foi presa pela primeira vez em Cleveland (EUA) por protestar contra a Guerra do Vietnã (1955-1975).

"Em 1970 todos os outros prisioneiros eram brancos. Sexta-feira passada, todos eram negros. É o novo Jim Crow", disse ela em referência as leis de Jim Crow, que impunham segregação racial no sul dos Estados Unidos.

A atriz disse que a manifestação nos anos 1970 teve um papel importante para o fim da guerra, mas afirma que o alvo do seu protesto atual é uma "bomba-relógio" que envolve tudo.

"A vida de todos, a economia, a saúde, as forças armas, a segurança nacional, tudo. Estamos diante de uma verdadeira catástrofe. A ciência nos diz que temos 11 anos para fazer mudanças sistêmicas a fim de impedir que se torne incontrolável", afirmou ao site.

Depois de protestar com outras celebridades, como Sam Waterston, Ted Danson, Catherine Keener e Rosanna Arquette, nesta sexta (8), ela deve ter a companhia de Ben Cohen e Jerry Greenfield, os fundadores dos Sorvetes Ben & Jerry's.

Fonda disse que se mudou recentemente para a capital americana com o objetivo de ser mais ativa na questão das mudanças climáticas. Ela contou também que pretende participar de outros protestos, pelas próximas sextas-feiras.

Em seu site, a atriz escreveu que se inspirou nos discursos da jovem ativista Greta Thunberg, 16.

"Eu me mudei para Washington, D.C. para estar mais perto do epicentro da luta pelo nosso clima. Toda sexta-feira até janeiro, liderarei manifestações semanais no Capitólio para exigir que as ações de nossos líderes políticos sejam tomadas para solucionar a emergência climática em que estamos inseridos. Não podemos esperar", escreveu.

dali 5 

HULK DECLARA GUERRA CONTRA OS HUMANOS NA MARVEL E O MOTIVO É…

QUADRINHOS – POR ALEMÃO / https://observatoriodocinema.bol.uol.com.br/quadrinhos/2019/11/hulk-declara-guerra-contra-os-humanos-na-marvel-e-o-motivo-e-nobre

ALERTA DE SPOILERS

07 nov. / 2019 – Por mais que Thor discorde, Hulk é o membro mais forte dos Vingadores da Marvel. Mas para torná-lo ainda mais aterrorizante, sua série atual acabou de mostrar que Bruce Banner é mais perigoso do que parece.
Em um manifesto feito em The Immortal Hulk, Bruce Banner declara guerra ao mundo humano. O motivo? O desrespeito da humanidade pelo fracasso do planeta em agir sobre as mudanças climáticas.
Ele perdeu a fé no mundo dos heróis e não acredita que exista esperança para a sociedade do homem. Em um mundo de tecnólogos geniais, como Tony Stark e Reed Richards, que desenvolvem tecnologia verde, nada disso é apoiado pelos governos ou sociedades de todo o planeta.

Segundo Banner, tudo se deve ao “Capitalismo de desastres”, porque quando as catástrofes criam oportunidades para as pessoas lucrarem, os humanos se mostram mais do que dispostos a destruir o planeta para ganhar dinheiro para os responsáveis.

Esse sistema corrupto e autodestrutivo é o mundo que a Banner se propôs a destruir. Banner acredita que o mundo não pode ser salvo – não o mundo humano, como atualmente o entendemos.
O mundo construído pelos seres humanos não é sustentável, o clima da Terra está mudando rapidamente. Porém, devido ao lucro de curto prazo, os mesmos sistemas que destroem o planeta podem continuar.
O maior problema, como Banner vê, é que não há consequências reais para os grandes poluidores – as grandes entidades que são “grandes demais para falir”. Penalidades e multas não fazem nada para as grandes fortunas daqueles que lucram com o capitalismo de desastres.

Mas qual é o plano dele? Banner entende que o Hulk é um instrumento contundente e simplesmente quebrar tudo não o tornará melhor. Para ter sucesso, ele precisa ser cuidadosamente direcionado. No final do manifesto de Banner, ele afirma:

“Se não houver consequências significativas para aqueles que usariam seu poder para projetar e lucrar com desastres… então criaremos algumas. Em uma semana, você ouvirá sobre um tumulto do Hulk. Um tumulto direcionado, contra uma entidade em particular. Uma declaração de guerra contra aqueles que guerreariam contra nós.”

 

STAN LEE, CRIADOR DE HERÓIS DA MARVEL, MORRE AOS 95 ANOS

STAN LEE, CRIADOR DE HERÓIS DA MARVEL, MORRE AOS 95 ANOS

safe image
Quadrinista participou da criação de super-heróis icônicos como Homem-Aranha, Thor, Hulk, X-Men, Pantera Negra, Demolidor e Quarteto Fantástico. 

 12 nov. / 2017 - Stan Lee, roteirista e editor da Marvel Comics, morreu aos 95 anos. A filha de Lee confirmou a morte nesta segunda-feira (12).

Ele passou mal em sua casa em Hollwood, nos EUA, e foi levado ao hospital, onde morreu. Ele sofria de pneumonia e de problemas nos olhos.

Stanley Martin Lieber era o criador de alguns dos mais importantes personagens da Marvel. O quadrinista participou da criação de super-heróis icônicos, como Homem-Aranha, Thor, Hulk, X-Men, Pantera Negra e Demolidor.

Lee foi editor-chefe da Marvel e constantemente fazia aparições nos filmes do estúdio. Ele foi um dos responsáveis pela começo da popularidade da Marvel, em 1961, a partir do lançamento da revista "Quarteto Fantástico".

 stan-lee-army
Stan Lee na época em que serviu o Exército dos EUA, nos anos 40, enquanto o país estava na Segunda Guerra Mundial — Foto: Reprodução/Twitter

Em 1981, Lee transformou seus heróis em desenhos animados exibidos por emissoras de TV.

Quando a Marvel Comics e a Marvel Productions foram adquiridas pela New World Entertainment em 1986, os horizontes do quadrinista foram se expandido ainda mais.

Ele teve a oportunidade de se envolver mais profundamente na criação e desenvolvimento de filmes e seriados.

"Meu pai amou todos seus fãs. Ele era o melhor homem e o mais decente", comentou a filha do editor, Joan Celia Lee.

JUSTIÇA 'RACHA' DIREITOS SOBRE SUPER-HOMEM (1999)

 JUSTIÇA 'RACHA' DIREITOS SOBRE SUPER-HOMEM

1924979 682134825187603 9127953691426855061 n

Folha de S. Paulo, 13 set. / 1999

2018: O CIRCO CHEGA NA CIDADE!

1 jan. / 2018 - "2018 vai ser péssimo, óbvio, porque, em 2018, todo mundo, em toda parte, vai estar pensando em dinheiro, tentando arrumar uns jeitos, sejam lá eles quais forem, de fazer um dinheiro, de retomar o crescimento econômico, de estimular o consumo, para que o mercado aumente a lucratividade das empresas nacionais e multinacionais, para que as grandes empresas nacionais e multinacionais possam gerar mais empregos para os trabalhadores, para o povo, para essa gente que só serve para trabalhar e comprar coisas, para que o povo ganhe dinheiro para comprar cada vez mais croc-chips-bits-burguers, aquecendo assim cada vez mais o mercado, garantindo ainda mais lucratividade às grandes empresas nacionais e multinacionais, que vão gerar mais empregos para o povo brasileiro consumir gordura de croc-chips-bits-burguers e aquecer o mercado financeiro, que investe na lucratividade das empresas nacionais e multinacionais que geram empregos para o povo e vendem croc-chips-bits-burguers garantindo o crescimento econômico, que é a coisa que todo mundo acha que é a coisa mais importante que existe.

2018, óbvio, vai ser péssimo para os brasileiros, que vão piorar em tudo, vão ser pessoas ainda piores, mais doentes do que já estão, mais ignorantes do que já são, se preocupando com dinheiro, a retomada do crescimento, a retomada do consumo de croc-chips-bits-burguers, os brasileiros por aí, nas praias do Dorival Caymmi, do Simonal, da Gal, no carnaval, gastando dinheiro, na retomada do crescimento, emporcalhando tudo, bebendo cerveja que legal, tropical, as praias do Dorival Caymmi todas cobertas por guarda-sóis amarelos, esgoto no rio, no mar, naquela falta básica de saneamento básico, de educação, de higiene, de conhecimento básico sobre o básico, emporcalhando tudo.

Em 2018, o brasileiro vai morrer todo ensanguentado numa estrada brasileira, a indústria automobilística retomando seu crescimento e gerando empregos, com alto desempenho, e umas crianças vão ser baleadas no meio da aula de História, matéria que ainda vai sair do currículo escolar, fazendo com que os filhos dos trabalhadores brasileiros sejam ainda mais ignorantes do que já são, na guerra contra as drogas, enquanto os velhos, cada vez mais velhos, vão quebrar a economia brasileira, todo o nosso sistema previdenciário, insistindo em permanecer vivos, e cada vez mais brasileiros vão morrer fedendo na fila de um desses hospitais, dos quais uns desses governadores nacionais roubou dinheiro, das criancinhas morrendo lá, para ficar lá em Paris, fazendo festinha.

Em 2018, essa porcaria de ano aí, óbvio, essa porcaria toda aqui vai ficar ainda mais poluída, superaquecida, ensanguentada, fedida, ignorante, as pessoas se explodindo por aí, porque o dinheiro não está dando para todo mundo, os croc-chips-bits-burguers não estão dando pra todo mundo, os brasileiros não compreendem os fatos e as eleições não vão mudar em nada essa porcaria toda, óbvio."

("Tristíssimo Ano-Novo", de André Sant'Anna)

barbieri

Articles View Hits
11567031

We have 312 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro