Cinebiografia de Bob Kaufman: 'And When I Die, I Won't Stay Dead'

'And When I Die, I Won't Stay Dead'
por João Miranda
 

25 out. / 2015 - A Contracultura, nascida da abundância do pós-guerra norte-americano, sempre se definiu contra os valores burgueses e a rigidez que reconhecia à cultura da geração dos seus pais. Para isso, procurou criar alternativas, baseada essencialmente na arte e na procura espiritual. Bob Kaufman, um dos mentores do movimento beat (entre outros nomes como Allen Ginsberg, Jack Kerouac, William S. Burroughs, etc.), foi um dos poetas que fez parte dessa contracultura e cuja vida se encontra envolta em mistério e mitos. And when I die, I won't stay dead tenta esclarecer sobre a sua vida e o seu legado recorrendo a entrevistas de quem o conheceu ou estuda a sua obra.

Revelando-se insuficiente na sua crítica social, a contracultura acabou por ficar-se pela apropriação das culturas afro-americanas e marginais para sustentar uma procura hedonista do momento, confundindo alienação com política e imediatismo com profundidade. Nesse sentido, Kaufman e a sua vida são exemplares como crítica: negro, o seu trabalho foi muitas vezes relegado para segundo plano em preterição ao dos brancos e, vindo da classe média, muitos dos seus problemas são resultantes da romantização da intoxicação e do crime (obrigado Rimbaud e Baudelaire!) e há nele uma incapacidade real de por em questão o movimento e as suas falhas.

Mas Kaufman, apesar de se ver encalhado neste pântano cultural, teve uma vida política ativa, reduzida neste filme a apenas alguns minutos, e é aqui que começam os problemas. Um documentário banal, baseia-se essencialmente na pesquisa feita, usando muito material de arquivo (áudio e visual) e preenchendo o resto com entrevistas. Demasiado apaixonado pelo seu tema, não só falha ao não conseguir ser imparcial, como acaba por fazer parte do problema: as posições políticas de Kaufman são ignoradas, servindo só como algo que fornece uma "aura" à sua poesia, mas que não transparece. Pior, a apropriação óbvia pela classe média branca da cultura afro-americana é aqui reproduzida pela quantidade de pessoas brancas entrevistadas: aparte de alguns elementos da família, há dois académicos negros e uma procissão infindável de caras brancas (várias delas "peritas" em cultura afro-americana). Há um momento no filme em que quase se ganha consciência disso, mas os cinco minutos passam e volta-se à mitificação de uma pessoa cujo trabalho serve outros ideais que não políticos ou raciais. Mais do que um documentário, um documento do racismo norte-americano e da apropriação da cultura afro-americana como "cool".

 

ator

O Melhor: O trabalho de pesquisa; os cinco minutos de quase consciência.
O Pior: A hegemonia e apropriação branca.

Articles View Hits
7844048

We have 554 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro