DRAMATURGO, ESCRITOR, ETC ANTÔNIO BIVAR FOI VISTO POR POR LUÍS FRANCISCO WASILEWSKI E MÁRIO BORTOLOTTO

DÂNDI TRANSGRESSIVO

 

DEBOCHADO, DIVERTIDO E UM REBELDE ATÉ O FIM, ANTÔNIO BIVAR DEIXOU UMA OBRA MARCANTE NA DRAMATURGIA DO PAÍS

Escritor e dramaturgo teve uma produção multifacetada, analisa pesquisador e amigo do artista, que morreu no domingo, vítima da covid-19

POR LUÍS FRANCISCO WASILEWSKI

Doutor em Literatura Brasileira pela USP, pós-doutorando na UFRJ

07 DE JULHO / 2020 - Eles formaram um grupo que ficou conhecido como “A geração de dramaturgos 1969”. De forma debochada, comentava-se que não havia número mais apropriado para definir a escrita de Isabel Câmara, Consuelo de Castro, Leilah Assumpção, José Vicente e Antônio Bivar, falecido no domingo, dia 5 DE JULHO. Pela primeira vez no teatro brasileiro, a sexualidade, em suas variadas formas de expressão, era tema de peças como FALA BAIXO SENÃO EU GRITO, de Leilah, AS MOÇAS, de Isabel, e CORDÉLIA BRASIL, de Bivar (1939-2020). Esta última chegou aos palcos, em 1968, com Norma Bengell interpretando o papel-título.

 A peça mostrava uma mulher que se prostitui para sustentar seu marido, Leônidas. Eis que Cordélia surge com o jovem chamado Rico, e isto criava em cena aquilo que, nos dias de hoje, chamamos de trisal. Em uma das sessões do espetáculo em São Paulo, Norma foi presa pelo Exército e levada para um interrogatório de cinco horas.

Se aquele teatro estava incomodando o regime militar, que governava o Brasil, também era desprezado por parte da esquerda, que considerava a sexualidade um tema secundário e não merecedor de ser temática da cena teatral em guerra contra a ditadura. Bivar sempre lembrava a máxima de Plínio Marcos dizendo: “Enquanto estamos lutando pelo arroz e feijão, lá vem o Bivar trazendo a sobremesa”.

Também abordando a sexualidade e o consumo de drogas como o ácido, escreveu outra de suas importantes peças. Faço referência à ALZIRA POWER, encenada em 1969. Nesta, ele mostra uma mulher louca e desbundada que aprisiona em seu apartamento um vendedor, fazendo dele um escravo sexual e lisérgico. A montagem do espetáculo foi consagradora para as carreiras teatrais de Yolanda Cardoso e Antônio Fagundes. Tanto CORDÉLIA BRASIL quanto ALZIRA POWEr foram montadas pelo Teatro de Arena, em Porto Alegre – e sofreram com a censura dos militares.

 CORDÉLIA BRASIL encenada pelo Teatro de Arena, em Porto Alegre: montagem foi censurada pela ditadura militar em 1969

A DÉCADA DE 1970 é marcada por períodos nos quais Bivar viveu exilado em Londres. O resultado dessa experiência apareceu transformada em belas obras literárias como os livros de memórias VERDES VALES DO FIM DO MUNDO e PERSEVERANÇA, lançado no ano passado. Bivar foi um dos melhores memorialistas da nossa literatura. Sua narrativa tem o mérito de reconstituir com precisão fatos e pessoas importantes da cultura brasileira.

Outra faceta de sua múltipla personalidade era a atuação como diretor de shows musicais. Maria Bethânia, Rita Lee, Simone e Leandro e Leonardo tiveram espetáculos assinados por ele. NA DÉCADA DE 1980, lançou pela editora brasiliense O QUE É PUNK? e concomitantemente organizou, em 1992, o icônico FESTIVAL PUNK COMEÇO DO FIM DO MUNDO, realizado em São Paulo e que lhe transformou em guru daquela geração que experimentava um novo tipo de transgressão nos costumes.

Versão recente de ALZIRA POWER, com Cristina Pereira e Sidney Sampaio (foto de 2008)

Minha amizade com ele começou em 28 DE OUTUBRO DE 2010, no lançamento coletivo da Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Estávamos os dois assinando livros pela coleção, ele a sua biografia ANTÔNIO BIVAR: O EXPLORADOR DAS EMOÇÕES PEREGRINAS, escrito por sua amiga e colega de desbunde Maria Lúcia Dahl, e eu, ISTO É BESTEIROL: O TEATRO DE VICENTE PEREIRA, biografia do dramaturgo criador do Teatro Besteirol. Nossas conversas no Facebook eram hilárias. Falávamos de Dulcina de Moraes, da vedete gaúcha Eloína Ferraz (uma paixão que tínhamos em comum), da travesti Brigitte de Búzios (que chegou a interpretar Alzira Power em uma encenação carioca, batizada de QUAL É GATINHO?, sob direção de Amir Haddad), bem como de Negra Miranda Jordão, figura marcante da alta sociedade carioca.

Uma de suas confissões, por mim registradas, foi a de que Clodovil teria criado o termo “saia justa” para designar uma situação incômoda. Bivar me relatou que estava assistindo ao programa TV Mulher e viu o estilista usar a expressão que, posteriormente, ele e Caio Fernando Abreu passaram a registrar em suas crônicas para revistas como Gallery Around e o jornal O ESTADO DE S. PAULO, no qual os dois, por um longo tempo, foram colunistas alternantes na edição dominical.

Também era fascinante vê-lo registrar nas redes sociais o exercício da figura do flâneur pelas ruas de São Paulo. Lembro do prazer compartilhado por Bivar quando descobriu a existência da Praça John Herbert, que homenageia o ator na capital paulista. Mesmo durante a pandemia do coronavírus Bivar não perdeu o hábito de singrar pela cidade, apesar do apelo de vários amigos. Afinal, onde havia uma norma estabelecida, sua vontade era a de sempre transgredir. Infelizmente, por causa de sua eterna rebeldia, acabamos perdendo esse dândi tão importante para a cultura brasileira.

 DO QUE SE VIVE?

POR MÁRIO BORTOLOTTO

"Bivar, como você vive? Quer dizer, como você paga suas contas?"
"Ah, Mário, eu ligo pra Rita Lee."

"Como é que é?"
"É isso. Quando tá muito ruim, eu ligo pra ela, pergunto como é que ela tá, falo algumas trivialidades...e aí ela pergunta quanto eu preciso. Eu digo que é só pra pagar dois aluguéis atrasados, a conta do telefone, essas coisas, e aí ela me manda o dinheiro."

Esse era o Antonio Bivar. Não havia nele nenhuma necessidade de prosperidade ou de bem estar material. Bivar apenas estudava a vida e talvez fosse a pessoa que ao ser questionado por Abujamra, ficaria mudo diante da questão. Tive várias conversas como essas aí de cima com ele. Estávamos montando a peça OPERA PUN" em Santo André. Bivar era o autor e eu era o responsável pela iluminação do espetáculo. Então aos domingos quando tinha ensaio, a gente acabava sempre voltando juntos de trem e eu aproveitava para entrevistá-lo como costumo fazer com todas as pessoas que admiro. Afinal ele não era apenas um dos maiores dramaturgos brasileiros. Ele era o cara que ajudou a traduzir ON THE ROAD, que escreveu pequenas biografias de James Dean e Jack Kerouac, que produziu o espetáculo O COMEÇO DO FIM DO MUNDO sobre o movimento punk no Brasil e escreveu o pequeno e revelador livro O QUE É PUNK? pela Brasiliense nos inteirando do assunto quando sabíamos muito pouco. Bivar era o tipo de cara cujas preocupações do homem comum de classe média não o afligiam. O que importava para ele era o novo disco de uma banda desconhecida em algum país longínquo do qual você não tinha nunca ouvido falar. Do país, eu digo, imaginem a banda. Lembro quando ele casou e eu perguntei como era para ele estar casado e ele respondeu: "Ah, eu expliquei para ela que eu não queria, Mas ela insistiu. Disse que não importava, que gostava de mim e gostava de ficar comigo. Ela é ótima, Mário. Ela me leva pra viajar. Você sabe que eu adoro viajar. Mês passado nós andamos no Trem da Morte". O cara que escreveu VERDES VALES DO FIM DO MUNDO tinha um semblante tranquilo e uma fala pausada, totalmente antagônica à música que ouvia. Lembro de uma vez que fomos fazer um debate sobre Geração Beat em Bauru. Estávamos voltando de Van e ele me falou: "Mário, olha pela janela, daqui há dois minutos vai ter uma árvore que fica aqui do lado direito da estrada. Presta atenção nessa árvore, em como os galhos dela são retorcidos. Veja só que interessante". Fiquei olhando pela janela e exatamente dois minutos depois a arvore se apresentou pra nós e era exatamente como ele tinha dito". Fiquei pensando: "Que espécie de pessoa é essa? Como se atinge tal estado de leveza? Como é que ele sabe o lugar exato onde tem uma árvore em uma estrada?" Eu mal sei onde está a minha escova de dentes.

Há uma carta que Odete Lara escreve para Bivar e ela diz: "Nada vale o sacrifício de lutar a vida toda para conseguir a garantia da monotonia."

Monotonia sempre passou longe dele.

Esse cara único nos deixou hoje. Justamente nesse momento onde a morte está tão banalizada que falamos sobre ela como comentamos a respeito de uma marca de vinho ou uma receita de comida. A morte é apenas mais um assunto. "Ah, o meu amigo morreu hoje". "É mesmo? Sinto muito." "É muito triste." "Você viu o que aconteceu com o Ministro da Educação? "

E nós ficamos por aqui, escrevendo essas frias notas de falecimento.

(MÁRIO BORTOLOTTO, 5 DE JULHO / 2020)

Articles View Hits
8570108

We have 429 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro