Wes Wilson, criador de cartazes de rock psicodélico, morre aos 82 anos

WES WILSON, CRIADOR DE CARTAZES DE ROCK PSICODÉLICO, MORRE AOS 82 ANOS

Fonte: https://datebook.sfchronicle.com/art-exhibits/wes-wilson-creator-of-psychedelic-rock-posters-dies-at-82

wes

O artista de pôsteres de rock psicodélico Wes Wilson definiu o estilo visual do movimento de pôsteres
Foto: Cortesia de Wes Wilson

27 jan. / 2020 – Wes Wilson, o artista que ajudou a definir o estilo visual radical da era do rock psicodélico no final da década de 1960, com seus cartazes de bandas como Grateful Dead, Jefferson Airplane e Quicksilver Messenger Service, morreu na sexta-feira, 24 de janeiro, em sua casa em Aurora, Mo. Ele tinha 82 anos.

A notícia foi confirmada ao The Chronicle por Dan Bessie, seu cunhado, embora a causa de sua morte ainda não tenha sido divulgada.

Wilson estava entre a onda inicial de artistas encomendados pelo promotor de rock Bill Graham para criar folhetos para seus primeiros shows de dança no Fillmore Auditorium, em San Francisco. Ele também criou pôsteres publicitários de shows promovidos por Chet Helms e o Family Dog no Avalon Ballroom, além de obras de arte dos Beatles no Candlestick Park em 1966, que marcariam o show final da banda.

po 1

A Associação no Auditório Fillmore, de Wes Wilson, 1966. Cortesia de Wes Wilson. Este é considerado o pôster original do show de rock psicodélico.
Foto: Wes Wilson 1966

Inspirado em grande parte pelos mestres da Art Nouveau e pelo estilo de letras secessionista vienense desenvolvido por Alfred Roller, Wilson desenvolveu sua própria linguagem visual, combinando cores brilhantes e formas ondulantes com letras que pareciam capturadas no meio do turbilhão.

Ele estava entre os "grandes cinco" artistas de pôsteres de Haight-Ashbury que definiram a iconografia da cena da contracultura hippie que ocorreu no verão do amor .

"Wes Wilson fez uma série de 10 ou 12 pôsteres que incendiou todos esses outros artistas para começar", disse o artista e colecionador Chuck Sperry ao The Chronicle em 2016 . “Stanley Mouse, Alton Kelley, Victor Moscoso e Rick Griffin estavam quebrando todas as regras de impressão, colocando cores como vermelho e azul um ao lado do outro, o que vibrava os olhos. Você tinha que estar na moda para ler os pôsteres. Foi realmente uma declaração artística revolucionária. ”

po 2

Cinco grandes artistas de pôsteres de São Francisco: Alton Kelley (à esquerda), Victor Moscoso, Rick Griffin, Wes Wilson e Stanley Mouse.
Foto: Bob Seideman / Cortesia dos Museus de Belas Artes de São Francisco

Os pôsteres, originalmente criados para anunciar shows na era pré-internet, logo se tornaram itens de colecionador. O trabalho de Wilson foi apresentado no Time (que descreveu seu estilo como "Nouveau Frisco"), nas revistas Life and Variety e, desde então, tem sido apresentado em shows retrospectivos em vários museus de belas artes, incluindo o de Young Museum e o SFO Museum em San Francisco , o Smithsonian e o Museu de Arte Moderna de Nova York.

Seus cartazes também são destacados no livro best-seller The Art of Rock, representando a eletricidade da era dos be-ins, drogas que expandem a mente e rock'n'roll.

"Houve a fusão de ideologias (em São Francisco), uma espécie de idealismo que estava na arte", disse Wilson ao The Chronicle em 2001 . "Levei o trabalho muito a sério."

po 3

'A Tribal Stomp', de Wes Wilson, apresentou Jefferson Airplane, Big Brother & the Holding Company em um concerto de rock de 19 de fevereiro de 1966 no Fillmore Auditorium. Cartaz de litografia offset. Foto: Rhino Entertainment Co. / Cortesia de Museus de Belas Artes de São Francisco


Robert Wesley Wilson nasceu em 15 de julho de 1937, em Sacramento. Ele estudou horticultura em uma pequena faculdade júnior em Auburn (Condado de Placer) antes de se transferir para a San Francisco State University para se formar em filosofia. Ele desistiu em 1963 e se mudou para um hotel no Tenderloin.

Deixando um emprego na companhia de seguros, ele começou uma pequena prensa com Bob Carr, chamada Contact Printing, onde criou folhetos para os testes San Francisco Mime Troupe e Merry Prankster Acid. Em 1965, Wilson, que era um veterano do Exército, imprimiu um pôster antiguerra representando a bandeira americana sobreposta com uma suástica com o texto: “Estamos próximos?, "Ganhando uma visita da Liga Anti-Difamação.

“Fico feliz por ter feito algo para expressar significativamente meu choque e angústia como americano em relação a um 'erro' ético obviamente errôneo e caro como foi a Guerra do Vietnã”, escreveu Wilson em seu site em 2013 .

po 4

Van Morrison no Avalon Ballroom, de Wes Wilson, 1967.
Foto: Wes Wilson 1967

A arte gritante chamou a atenção de Helms, que o pediu para criar o logotipo do Family Dog , além de pôsteres promovendo shows do Jefferson Airplane, do Big Brother & the Holding Company e da banda de blues Paul Butterfield.

Depois de criar um cartaz publicitário do Trips Festival em 1966, considerado por muito tempo um dos primeiros eventos sinalizando o surgimento da cena do rock psicodélico, ele foi recrutado por Graham para fazer os pôsteres icônicos que definiam os pôsteres seminais de Fillmore que atualmente cobrem as paredes do sala de pôsteres no local.

po 5

Artista de pôsteres Wes Wilson, 2 de novembro de 1966
Foto: Chronicle archives

Sua primeira impressão para o Auditório Fillmore foi entregue em 16 de julho de 1966, após um concerto do Jefferson Airplane e do Grateful Dead. Apresentando letras em laranja brilhante que pareciam chamas ardentes, o pôster de 14 por 20 polegadas anunciava um próximo programa da Association e do Quicksilver Messenger Service.

Graham os colocou pessoalmente na cidade com sua lambreta, antes de descobrir que os cartazes desapareceriam quase assim que surgissem porque eram tão cobiçados. Wilson criou 40 pôsteres para o Fillmore antes do final do ano.

Wilson parou de trabalhar para Graham em 1967 por causa de uma disputa de direitos autorais, efetivamente colocando um fim no que é considerado a fase imperial da arte dos pôsteres de rock. Em 1968, o Avalon fechou e, alguns anos depois, locais maiores eclipsaram o Fillmore em significado - arenas e estádios que exigiam meios promocionais mais substanciais do que pôsteres.

po 6

A arte psicodélica dos pôsteres de Wes Wilson
Foto: Wes Wilson / Cortesia SFMOMA, Wes Wilson / Cortesia SFMOMA

No entanto, os pôsteres clássicos de Fillmore ainda são comercializados por colecionadores de todo o mundo. Um conjunto completo pode chegar a US $ 250.000, disse Grant McKinnon, do SF Rock Posters and Collectibles, ao The Chronicle. "Há um punhado pequeno que é simplesmente brutal de encontrar", diz McKinnon.

Wilson recebeu um prêmio de US $ 5.000 da National Endowment for the Arts por suas contribuições significativas à arte americana em 1968, mas logo depois saiu da vista do público.

Depois de experimentar novos meios, como vidro e aquarela, ele se mudou com sua família para uma fazenda de gado no Missouri Ozarks, onde continuou a desenhar ocasionalmente um pôster de rock, mais recentemente para a banda de revitalização do rock psicodélico de Bay Area, Moonalice.

Wilson deixa sua esposa Eva Christine Wilson; os filhos Colin Wilson, Theanna Teodorovic e Jason Wilson; e 10 netos.

wes 2

Chile: túmulo de Victor Jara foi atacado por grupo de extrema direita
Manifestantes cantarão suas músicas neste sábado, 25, em desagravo, no Cemitério Geral

 Gustavo Sixel, da redaçãohttps://esquerdaonline.com.br/2020/01/20/chile-tumulo-de-victor-jara-foi-atacado-por-grupo-de-extrema-direita/?fbclid=IwAR0Jzdts-CEaUsf7RPknzZSPOMTFWOAJXVzyzCnm9plxpwBS7Hfj3UrE0EA

wes 4

Túmulo de Victor Jara

20 jan. / 2020 – O túmulo do músico chileno Victor Jara, no Cemitério Geral, em Santiago, foi atacado na semana passada. Na noite do dia 16, o grupo de extrema direita Brigada Lobo 1109 postou em sua conta do twitter fotos do túmulo pichado com a frase “no hay manos”. O ataque foi imediatamente repudiado nas redes sociais, inclusive por setores da direita chilena, que condenaram o vandalismo. O mesmo grupo já realizou recentemente ataques a outros monumentos, como o do ex-presidente Salvador Allende.

A frase escrita é uma referência direta a violência da qual Victor Jara foi vítima no Estádio Nacional, que hoje leva o seu nome. Ele foi preso no dia seguinte ao golpe, na universidade onde dava aula. Ao chegar ao estádio, o músico teve os ossos das mão esmagados pelas botas dos soldados e por golpes de fuzil, na frente de todos. O objetivo era que não pudesse mais compor. Mesmo assim, ele conseguiu escrever um poema, que foi preservado por outros presos. “Somos cinco mil aquí/ en esta pequeña parte de la ciudad/ (…) Seis de los nuestros se perdieron/ en el espacio de las estrellas./ Uno muerto, un golpeado como jamás creí/ se podría golpear a un ser humano./ Los otros cuatro quisieron quitarse/ todos los temores, / uno saltando al vacío,/ otro golpeándose la cabeza contra un muro/ pero todos con la mirada fija en la muerte./ ¡Qué espanto produce el rostro del fascismo!”.

Os militares chilenos não se contentaram em esmagar as mãos de Jara e de torturá-lo. Cinco dias depois, fuzilaram o cantor e deixaram seu corpo em uma região pobre de cidade. Jara foi um dos principais nomes do movimento Canção Nova, cujas músicas tornaram-se símbolo da luta do povo chileno por transformações sociais. Depois de morto, suas canções foram gravadas em todo o mundo, e viraram sinônimo da resistência aos crimes da ditadura de Pinochet. Também foi militante do Partido Comunista chileno e secretário de Cultura do governo de Allende.

Os ataques da Brigada Lobo, que é acusada de possuir carabineros (policiais) entre seus integrantes, fazem parte da tentativa da extrema direita chilena de disputar a memória do período da ditadura militar. Setores da direita chegaram a lançar uma campanha para que o Museu de Direitos Humanos exibissem “os dois lados da história” sobre a ditadura, ou seja, que reproduzisse as mentiras dos generais e torturadores.

No entanto, ao contrário do Brasil, onde a direita e os militares convenceram parte da população de que a ditadura foi necessária, no Chile a memória política sobre os crimes do período está bastante viva. Os jovens manifestantes que perdem a visão com as balas dos “pacos”, associam, corretamente, o presidente Sebastian Piñera ao general Pinochet e se apresentam como “os netos daqueles que vocês não conseguiram matar [na ditadura]”. A exigência de uma Constituinte, um dos principais eixos dos protestos, significa também a conclusão de uma transição que não foi feita, pois o país ainda vive com uma Constituição escrita pelo general Augusto Pinochet. Em dezembro, ao vivo, uma apresentadora de TV expulsou um dos convidados de um programa de debates, depois que ele relativizou os crimes dos militares. Definitivamente, não será fácil para a direita chilena revisar a história.

Concerto de desagravo
ReproduçãoAs músicas de Jara e de outros artistas da Cancão Nova têm embalado os protestos que sacodem o país há três meses, ao lado de novas músicas de protesto, como o rap. Durante o toque de recolher, em outubro, ficou famoso o vídeo de uma mulher cantando uma das músicas da época da ditadura, de Violeta Parra, da janela de um dos prédios. A Biblioteca Nacional e outros espaços receberam um concerto com músicas de Jara, ao ar livre, que foram verdadeiros atos contra o governo.

No sábado, dia 25, um novo concerto será feito. Desta vez no Cemitério Geral, no túmulo de Jara, em repúdio ao ataque. O evento de desagravo está sendo convocado pela internet, por organizações sociais e coletivos de cultura. Na internet, o convite anuncia as 12 músicas que serão cantadas, começando por Te recuerdo Amanda, a mais famosa de Jara, e incluindo El Derecho de vivir en paz, que embala esta nova onda de protestos e nunca pareceu tão atual.

A provocação da extrema direita chilena – assim como o vídeo do ex-secretário de Cultura do governo Bolsonaro – apenas demonstram como o neofascismo não abre mão de atacar os artistas, pois sabem como a cultura resiste a toda forma de autoritarismo e tentativa de impôr mordaças e normatizar a arte.

* Com informações de El Universal, Prensa Latina, Chile Okulto e do site memórias da ditadura

Chile condena nove militares por morte de músico Víctor Jara

Cantor foi torturado e teve mãos quebradas no início da ditadura Pinochet
O Globo e Agências Internacionais / https://oglobo.globo.com/mundo/chile-condena-nove-militares-por-morte-de-musico-victor-jara-22848651

wes

Mural homenageia Vítor Jara no Chile; músico foi assassinado dias após golpe militar que levou Pinochet ao poder em 1973 Foto: Marcelo Urra/ Wikimedia Commons

3 jul. / 2018 – SANTIAGO — A Justiça do Chile sentenciou nesta terça-feira nove militares reformados a até 15 anos e um dia de prisão pelo assassinto do músico Víctor Jara em 16 de setembro de 1973, nos primeiros dias da ditadura de Augusto Pinochet, e do ex-diretor de prisões Littre Quiroga Carvajal. O juiz Miguel Vázquez proferiu a primeira condenação para o histórico caso de Jara, após vários anos de uma investigação com o objetivo de determinar qual foi a participação de integrantes do Exército na morte do artista. Morto por 44 tiros, Jara era simpatizante do socialista Salvador Allende, presidente que havia sido deposto poucos dias antes, e membro do Partido Comunista.

O popular músico — cantor e também autor de canções como "Te recuerdo Amanda" e "El derecho a vivir en paz" — foi preso em 12 de setembro de 1973, um dia após o golpe militar, com outras 5 mil pessoas, incluindo professores e alunos da Universidade Técnica do Estado. Ele foi levado ao Estádio Nacional, em Santiago, arena esportiva convertida em centro de detenção e tortura.

Os militares sentenciados pelos assassinatos de Jara e Carvajal a 15 anos de prisão são Hugo Sánchez Marmonti, Raúl Jofré González, Edwin Dimter Bianchi, Nelson Haase Mazzei, Ernesto Bethke Wulf, Juan Jara Quintana, Hernán Chacón Soto e Patricio Vásquez Donoso. Todos foram também condenados a mais três anos de prisão por sequestro simples. Havia mais um militar sendo julgado, Rolando Melo Silva, que foi condenado a cinco anos e um dia de prisão por encobrir os homicídios e a mais 61 dias de cárcere por ser cúmplice dos sequestros.

Segundo os relatos de outros detentos, Jara foi torturado e suas mãos foram quebradas com a coronha de uma arma antes de ser morto. Seu corpo foi encontrado três dias depois perto de um cemitério. O Estádio Nacional foi renomeado em sua homenagem no ano de 2003.

Com as mãos destruídas pelas surras que levou, Jara ainda conseguiu escrever seus últimos versos a lápis em uma caderneta que conseguiu entregar a um companheiro e que hoje é conservada na Fundação Jara: “Canto, que mal me sai / quando tenho que cantar espanto! / Espanto como o que vivo / como o que morro, espanto.”

Por este mesmo caso, o ex-tenente do Exército Pedro Barrientos foi considerado culpado em um tribunal dos EUA. O soldado foi processado pelo Centro de Justiça e Responsabilidade (CJA) em nome da viúva e das filhas de Jara.

Durante a ditadura de Pinochet (1973-1990), cerca de 3 mil pessoas morreram ou desapareceram, enquanto outras 28 mil foram torturadas. Uma delas foi a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet, que cumpriu mandatos entre 2006 e 2010 e depois entre 2014 e 2018.

Articles View Hits
8219938

We have 392 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro