Barbieri: traduz rara entrevista da lendária MC5 (2021)

JOHN SINCLAR: ENTREVISTA HISTÓRICA

John Sinclair, empresário da banda MC5, ativista e militante político reflete sobre sua longa carreira falando sobre os Panteras Negras, John Lennon, suas prisões e sua luta pela liberação da maconha. Esta entrevista foi extraída de um programa transmitido na Rádio RBMA em 16 de junho de 2014 e publicado no site The Red Bull Music Academy.
Tradução e Adaptação de A. C. Barbieri.

Este é  um texto longo indicado para aqueles interessados na contracultura, história do rock, política e assuntos similares!

John Sinclair sempre foi um garoto propaganda do que ele chama de "ousadia e desafio a todo esse tipo de merda". Enquanto atuava como empresário do grupo de rock iconoclasta de Detroit chamado MC5, políticamente trabalhou para apoiar o movimento pelos direitos civis com concertos gratuitos e comícios políticos. Depois que ele foi preso em 1969 por dar dois baseados a um oficial disfarçado, artistas como John Lennon, Yoko Ono e Stevie Wonder se apresentaram e falaram no John Sinclair Freedom Rally em 1971, que o viu, três dias depois, libertado com sucesso. As mudanças resultantes nas leis estaduais sobre a maconha contribuíram para sua credibilidade como ativista pró-maconha ao longo da vida.
Em 1992, em New Orleans, Sinclair formou sua banda The Blues Scholars, o que lhe permitiu transformar sua poesia radical em música e em 2014, lançou o álbum Mohawk, acompanhado de várias apresentações pela Europa. Um desses shows no Barbican em Londres reuniu suas "recitações de outro mundo e de exortação rude" com Sun Ra Arkestra, que ele tinha originalmente agendado ao lado do MC5 em um show agora lendário no Auditório de Artes Comunitárias de Detroit em 1967. Sinclair é um notável e há muito tempo apoiador de Sun Ra. Neste trecho editado e condensado de sua recente entrevista com a Rádio RBMA, Sinclair fala extensivamente sobre seus primeiros anos em Detroit, Sun Ra e muito mais.

Como foi sua infância?
Eu cresci em uma pequena cidade em Michigan, chamada Davison. Tive uma infância americana de classe média branca, em uma pequena cidade. Tive uma infância idílica.
Você acha que cresceu em uma família particularmente política?
Bem, meus pais eram republicanos. Eu acho que isso é político. Quando eu era criança, eles eram entusiastas do General Eisenhower. Eles odiavam os democratas.
De onde você tirou seu senso de responsabilidade social? Foi de seus pais?
Não, não de meus pais. A ideia de meus pais sobre minha responsabilidade social seria me tornar um advogado. Em seguida, concorra a algum tipo de cargo político e acabe como senador ou presidente dos Estados Unidos. Essa seria sua ideia de uma consciência política. Quando eu tinha 11 ou 12 anos, comecei a ouvir músicas de negros no rádio. Esse, basicamente, se tornou o foco da minha vida desde aquela época até agora. O que aprendi sobre as coisas, aprendi com as pessoas que fizeram música. Rhythm and blues, rock and roll e então jazz. Essa foi a minha trajetória pessoal.
Eu era um adolescente fanático por rhythm and blues e aspirante a disc jockey. Então, quando me formei no ensino médio, fui para a faculdade e comecei a gostar do jazz. Então, logo, conforme eu progredia em meus estudos de jazz, fui apresentado à música dos segmentos mais distantes. John Coltrane, Cecil Taylor, Sun Ra, Archie Shepp, Pharoah Sanders. Eu era um entusiasta desse tipo de jazz no início dos anos 1960. Acabei escrevendo uma coluna em Detroit para a Down Beat Magazine, por oito dólares a cada duas semanas.
Quando o rock and roll entrou na sua vida?
Havia uma música chamada “Maybellene”, de Chuck Berry da Chess Records. Saiu no outono de 1955. Essa foi a coisa mais emocionante que eu já tinha ouvido na minha vida até aquele momento. Quando “Maybellene” foi lançado, costumávamos ir ao nosso pequeno ponto de encontro depois da escola e você podia tocar seis músicas por 25 centavos. Colocávamos uma moeda de 25 centavos e batíamos em “Maybellene” seis vezes. Em seguida, repetíamos duas ou três vezes; não queríamos ouvir mais nada. Eu entrei no piso térreo do rock and roll, como o chamamos.
Você poderia nos contar como era o Grande Ballroom de Detroit no final dos anos 1960?
Eu me envolvi com o rock and roll moderno dos anos 60 quando ouvi uma banda chamada MC5 em Detroit. Eu estava na prisão havia seis meses e fui solto em 5 de agosto de 1966. No dia seguinte, eles realizaram um festival em nossa casa em Detroit, o Detroit Artists Workshop. Tornei-me amigo do vocalista, Rob Tyner. Ele me interessou em suas ideias de ter uma banda que fosse mais do que apenas um tipo de máquina de chiclete. Seu conceito não era apenas comprar uma casa nova para sua mãe e seu pai, mas também tentar alterar a estrutura básica do sistema político e econômico americano. Achei uma ótima ideia, então trabalhamos juntos a partir daí. Eu me tornei o empresário da banda. Além disso, certificava-me de que eles tivessem cordas de guitarra e baquetas suficientes, uma carona para ir ao show, etc.
Você mencionou estar na prisão pouco antes desse ponto. Você ficou surpreso com o chamado às armas que sua prisão posterior desencadeou em 1969?
Nem um pouco. Projetamos essa resposta com muito cuidado ao longo de um período de dois anos e meio. Fazia parte de um grupo fundado pelo MC5, eu e alguns outros indivíduos. Nós nos organizamos dessa forma para apoiar o Partido dos Panteras Negras. E também para agitar por nossos próprios ideais políticos.
O Partido dos Panteras Negras nos disse: "Bem, nós apreciamos isso, mas realmente o que gostaríamos que você fizesse é tirar os pés dessas pessoas brancas do nosso pescoço. Nós realmente não precisamos que você venha para o gueto, precisamos que você altere essas pessoas. Seus pais e pessoas assim. Os jovens, faça-os entender o que estamos tentando fazer. ” Então, fomos treinados nisso.
No decorrer disso, fui enviado para a prisão. Essa foi a minha segunda vez. Eu sou um usuário de maconha ao longo da vida. Há cerca de 50 anos, fui um membro pioneiro do pequeno círculo de americanos que começou a desafiar as leis sobre a maconha. Na época, a maconha era considerada um narcótico e as leis eram organizadas em torno disso. Segui o telefonema de meus colegas poetas Allen Ginsberg e Ed Sanders, que formaram um grupo na cidade de Nova York chamado LEMAR, Legalize Marijuana.
Recebi um panfleto deles pelo correio para seu primeiro evento e pensei: “Uau, essa é uma ótima ideia, devemos fazer isso em Detroit”. Então nós fizemos. Tínhamos um mimeógrafo também. Então fizemos propaganda e convocamos uma reunião pública, e então a corrida começou. Infelizmente, esta corrida foi vencida pelas autoridades contra mim em três ocasiões. Mas eu não parei de lutar. Quando eu estava na prisão, usamos isso como uma forma de tentar derrubar as leis. Eu finalmente consegui, depois de dois anos e meio na prisão, convencer por meio de meu recurso na Suprema Corte de Michigan e também em nossos esforços de lobby junto ao Legislativo de Michigan.
Tive sucesso em derrubar a lei, fazendo com que fosse declarada inconstitucional. Tínhamos determinado que a maconha não era um narcótico, que uma sentença de dez anos por porte de maconha era uma punição cruel e incomum. Essa coisa começou em 1964, 1965. Então, no final de 1971, eu estava fora da prisão e em março de 1972 minha condenação foi derrubada pela Suprema Corte de Michigan.
É verdade que naquela época John Lennon escreveu uma música sobre você?
Oh sim. Ainda mais importante, ele veio para Ann Arbor. Tentamos construir mais e mais apoio e íamos culminar com uma grande manifestação em Ann Arbor em dezembro de 1971, que foi encenada para pressionar a legislatura a alterar as leis de narcóticos e remover a maconha ... basicamente fazendo o que meu apelo dizia que eles devessem fazer ...
Na organização deste evento, tínhamos amigos no campus da Universidade de Michigan, e eles conseguiram proteger a arena de basquete e juntar 15.000 pessoas! Entenda que em 1971 era um monte de gente. Nosso amigo Jerry Rubin da cidade de Nova York conseguiu convencer John Lennon e Yoko Ono e também seu amigo Phil Ochs de que eles deveriam vir a Ann Arbor e fazer esse grande show. Isso é o que realmente colocou a pressão final sobre o legislativo estadual quando eles estavam considerando esta lei. Eles tiveram que lidar com o fato de que John Lennon estava vindo para se opor aos seus pontos de vista. Isso foi como uma bomba. Tivemos esse evento e 15.000 pessoas compareceram e três dias depois me libertaram da prisão. Então, vários meses depois, o álbum foi lançado com a música que ele escreveu para mim. Mas não era tanto a música, era o que ele fazia. Era sua aparência. Isso foi uma coisa linda.
Como você conheceu Sun Ra?
Acho que, provavelmente, encontrei pela primeira vez o nome de Sun Ra na Down Beat. Acredito que até 1961 ele ainda estava baseado em Chicago. Você ouvia falar sobre esse cara, mas não havia como ouvir seus discos. Foi só quando ele gravou para "ESP Disk" que ele conseguiu um reconhecimento mais amplo.
Mas eu ouvi e vi os discos do Sun Ra pela primeira vez quando um baterista de Nova York chamado Roger Blank ficou em nossa casa. Lembro-me de levar Blank para seu quarto e ele desfazer a mala. Ele tinha dois álbuns. Um deles foi Super-Sonic Jazz. Então ele deu um sermão impressionante sobre Sun Ra e sua música e o que tudo isso significava para ele.
Como você pensou em colocar Sun Ra e MC5 juntos?
Eu queria descobrir uma maneira de apresentar Sun Ra ao público de Detroit. MC5 amou a música de Sun Ra. Ouvimos muito juntos. Então, sugeri que talvez pudéssemos trazer a Sun Ra Orchestra para Detroit e colocá-los no show com o MC5, que tinha público. Naquela época, para uma banda local, não tínhamos uma audiência tão grande... Estou falando de 1966 e 1967. Trouxemos Sun Ra para um show na Wayne State University com MC5 e um show de luzes. Mas, atraímos apenas cerca de 100 pessoas. Não tínhamos dinheiro para mandar a Orquestra de volta para Nova York. Um de nossos caras tinha um ônibus VW, então ele teve que levar essas 10-12 pessoas de volta para Nova York. Só tínhamos o suficiente para o dinheiro do gás.
Mas você sabe, havia muito pouco interesse na indústria do jazz comercial por Sun Ra. Eles simplesmente não estavam interessados. Esses caras vieram cuidando de seus próprios assuntos em Chicago e lançando seus próprios discos. Então eles se mudaram para Nova York, onde se tornaram, você sabe, figuras centrais na revolução do jazz de Nova York que estava acontecendo naquela época.
Todos os músicos progressistas e vanguardistas vinham e ensaiavam com Rá. Ra ensaiava sua orquestra todos os dias, todos os dias. Pharoah Sanders, Marion Brown, Archie Shepp. Eles viriam e ensaiariam com eles, para ver do que se tratava a música de Rá. Eles tiveram um tremendo impacto na cidade de Nova York. Eles também tinham uma consciência coletiva brilhante. Como Rá era como Duke Ellington ou Count Basie, ele precisava de 15 ou 16 caras para mostrar como sua música soava.
Mas, ao contrário de Duke Ellington ou Count Basie, não havia demanda comercial para Sun Ra. Eles tiveram que partir e atuar dentro de uma perspectiva comunalista voluntária. Dez ou 12 desses caras moravam juntos em um apartamento de três cômodos no Lower East Side de Nova York. Essa era a única maneira que ele poderia fazer. Sun Ra era imparável. Ele tinha a ideia do que queria fazer e iria descobrir como fazer. E ele fez.
Com sua poesia, Kerouac foi uma influência?
O trabalho de Kerouac me inspirou a abraçar um certo estilo de vida e a tentar encontrar o mundo de que ele estava falando. Era disso que eu queria fazer parte. No entanto, meus ídolos mentores eram Charles Olson, Robert Creeley, Amiri Baraka e Ginsberg. Eu aspirava dominar sua abordagem da poesia.
Como o jazz influencia sua poesia?
Bem, você sabe, o jazz está no centro da minha vida. Quando você escreve poesia, você escreve sobre coisas que lhe interessam e que estão em sua mente. Você sempre encontrará música em minha mente, e é aí que minha poesia começa.
Como você conheceu Cecil Taylor e Archie Shepp em Nova York em 1964?
Descobrimos o endereço deles, fomos até a casa deles e batemos na porta. [risos] Meu parceiro em Detroit era um trompetista chamado Charles Moore. Começamos o Detroit Artists Workshop juntos. Costumávamos ir a Nova York para ... Não sei, acho que hoje chamaríamos de pesquisa. Você tinha que ir a Nova York para ouvir essas coisas, porque eles não estavam trazendo para Detroit ...
Você podia ver Coltrane. Coltrane teve audiência porque surgiu através do Quinteto Miles Davis. Então Coltrane fazia shows, andava pelo país e tocava em clubes de jazz. Mas caras como Sun Ra, Cecil Taylor ou Archie Shepp? Não havia mercado para seu trabalho. A primeira vez que vi Shepp foi numa casa, em um loft. Alguém que estava lá me apresentou o Shepp. Essa era a única maneira de eles conseguirem lançar sua música.
Archie Shepp morava no número 35 da Cooper Square, no mesmo prédio onde LeRoi Jones morava e onde Diane di Prima tinha a Poets Press. Então foi como um centro nervoso para nós. Fomos e eu tinha me correspondido com LeRoi, como ele era conhecido na época. Ele era meu ídolo. Então eu acho que ele provavelmente nos levou ao próximo andar para encontrar Archie Shepp, que era seu vizinho, você sabe... Lembro-me de Charles Moore e eu sentados em volta da mesinha da cozinha em seu minúsculo apartamento bebendo vinho, ouvindo Shepp.
Cecil Taylor morava não muito longe dali. Eu idolatrava Cecil Taylor, então o localizei. Apresentei-me e ele provavelmente leu algo que eu havia escrito. Então, nos tornamos bons amigos. Com Cecil Taylor, ele era como Sun Ra. Ambos os caras podiam falar sem parar, sobre o que estava em suas mentes. Sun Ra, ele era o mesmo no palco, no camarim, no restaurante, no seu apartamento. Ele tinha pregação, é o que chamam. Você seria abençoado se pudesse sentar lá e ouvi-los falar e dizer todas essas coisas por horas. Já me sentei oito horas com Sun Ra antes.
Cecil Taylor era da mesma forma. Sun Ra estava interessado em todas essas coisas sobre os planetas e o espaço. As contradições na terra. Ele tinha uma análise realmente incisiva, diferente de tudo que você já tinha ouvido. Cecil Taylor era como um intelectual brilhante. Ele era um cara que estava por dentro de todos os desenvolvimentos na poesia, drama, arte, dança. Ele era um especialista em dança, por exemplo. Ele estava totalmente envolvido com tudo o que acontecia ao seu redor. Ouvi-lo falar era como tirar um semestre da faculdade em uma tarde, sabe? Ele simplesmente colocava tanta coisa na nossa mente...

JOHN SINCLAIR
BY JOHN LENNON

Não é justo, John Sinclair
Na agitação para respirar o ar
Você não se importará com John Sinclair?
Na agitação para respirar o ar
Deixe-o ser, deixe-o livre
Deixe ele ser como você e eu

Eles deram a ele dez (anos) por dois (baseados)
E o que mais os juízes podem fazer?
Eles tem que, tem que, tem que, tem, tem que, tem que, tem que, tem que,
Tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho que, tenho que libertá-lo

Se ele fosse um soldado no Vietnã
Atirando nos vietcongs
Se ele fosse um agente CIA
Vendendo drogas e fazendo merda
Ele estaria livre, eles o deixariam ser
respirando ar como você e eu
Continue lutando

Eles deram a ele dez (anos) por dois (baseados)
O que mais os juízes podem fazer?
Eles tem que, tem que, tem que, tem, tem que, tem que, tem que, tem que,
Tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho que, tenho que libertá-lo
Libertem já

Eles deram a ele dez (anos) por dois (baseados)
Eles pegaram o velho Lee Otis também
Eles tem que, tem que, tem que, tem, tem que, tem que, tem que, tem que,
Tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho que, tenho que libertá-lo
Libertem já

Ele foi preso pelo que fez
Ou representando todo mundo?
Liberte John agora, se pudermos
Das garras do homem
Deixe-o ser, levante a tampa
Traga-o para sua esposa e filhos
Deixem tudo certo

Eles deram a ele dez (anos) por dois (baseados)
O que mais os bastardos podem fazer?
Eles tem que, tem que, tem que, tem, tem que, tem que, tem que, tem que,
Tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho, tenho que, tenho que libertá-lo
Libertem já

(JOHN LENNON)

Articles View Hits
9614165

We have 1810 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro