Na Era do Miserê (Sandro Alves Silveira)

 

Na Era do Miserê

por: Sandro Alves Silveira


Um hábito comum é mendigar um gole de cerveja, sobejo de lata, muita coisa na lata. Saudades dos tempos dos filmes enlatados. Tempos em que ainda havia a crença no exercício do Rock como revolução, como atitude para mudança do mundo.


"Êh, anos oitenta, Charrete que perdeu o condutor. Êh, anos oitenta, Melancolia e promessas de amor" cantava Raul Seixas em 1980; era o início do fim, o núcleo da transição. Não era mais Modernidade, estávamos nas portas da Modernidade Tardia. Diante das portas desse novo tempo, como o Senhor K diante da porta da justiça em "O processo", de Kafka. Modernidade Tardia, Happy Hour de todos os tempos:


"Se você vendeu sua alma ao acaso, que por descaso tava ali de bobeira. E em troca recebeu os pedaços, cacos de vida de uma vida inteira". Era a voz de Raul dando a explicação final sobre o nosso tempo: "Se você correu, correu tanto, e não chegou a lugar nenhum, baby, ôh baby, bem vindo ao século XXI." Era o final dos anos 1980 e Raul faleceu logo depois de compor e cantar esse poema, essa bomba concisa de reflexão sobre a fragmentação, a desorientação, a falta de essência e outras mazelas da Modernidade Tardia. Ele viveu para ver o lixo nascer forte; Glauber e Lennon foram polpados, morreram às portas da década de 1980.


Ao longo dos anos 90 foi possível ver que os tempos tinham mudado. Nada soava mais como nos anos 1960/70. Os anos 1980 foram o fosso que separou o castelo encantado da dura realidade do lixo do Miserê. Cada vez ouvia-se menos palavras como rebeldia, revolução, ideologia, utopia, transgressão e outras tantas que entraram em franco processo de desuso.


Anos 1990,  novas e mais fortes e complexas formas de violência na mídia e nas ruas. Os microcomputadores e a Rede Mundial de Computadores. Tudo chegou aos nossos lares e corações em plenos anos 1990. O fim dessa década era o ponto de vista perfeito para quem quisesse ver como os anos 1980 foram o espaço entre o fim da Modernidade e o início da Modernidade Tardia, na qual acontece o Capitalismo Tardio.


Nessa segunda década do século XXI, na qual abismamos boquiabertos sem saber como atuar -- como pensar e agir -- as insurreições populares pululam mundo afora. Tanto no velho continente, quanto na África o povo vai pro pau.

Primaveras sem canções. O Rock não embala mais revoluções. A força da Indústria Cultural dos tempos do Pós-Mídia arrancaram do coração dos artistas as chances de fazer a revolução pela arte. Mas foi só uma batalha, a guerra continua.


Hoje, quando ouvimos a maioria das bandinhas de Rock não sentimos mais vontade de lutar, transgredir, tirar a roupa, fumar maconha e tomar todas, não. O lixo cultural não é mais reciclado pelos lixões da Indústria Cultural, os meninos cantam umas letras que não sacodem nada na pasmaceira das nossas vidas. Mas o ritmo ainda é o Rock and Roll. Vamos de My Space em My Sapce que uma hora encontramos alguma coisa boa.


Vivemos em um circo que tem a lona feita de discursos sobre camada de ozônio e aquecimento global, vivemos nesse circo onde, ainda, como nos anos 1960/70, não existe autoestima descente nos brasileiros. Existem, isso sim, ainda aquelas frases lugar comum, condicionadas, de piloto automático, do tipo "Só no Brasil mesmo". Não, o problema não é o Brasil, o problema é o mundo, o ser humano.


A serragem do chão do circo são regras novas sobre a fala: politicamente, etnicamente e etcteramente correto. Os palhaços? "Saí do palco e fui prá plateia" (S. Sampaio). Os equilibristas? Algumas poucas bandas que ainda tentam sacudir (Shake) as migalhas decompostas do que foi a irreverência e a contestação por meio desse ritmo que fala ao corpo ao mesmo tempo em que as letras das canções falam à mente.


O velho pipoqueiro levou tantos pipocos que, aos poucos, foi passando de esqueleto para peneira. O apresentador fala calmamente: Acabou a cerveja de graça, agora é só pão e circo na Era do Miserê. Como porcos aleijados e desorientados, os vermes azaradores da boca livre da cerveja deixam o circo. Chegam algumas crianças e préadolescentes. O Rock toca, toca os corações ingênuos dos meninos. Pão, Circo e salsicha para o hot dog. Tempos de dogmans. Ou como diria Valdir Soares, tempos de hot dogmans (Valdir, 1982). O tempo não para, exclamou um poeta dos 80. Antes, tempos antes, o poeta dos 60/70 exclamava: "Há muito espaço por ai, ocupe, se vire!" (Torquato Neto). Shake, rapaziada, shake!


Sandro Alves Silveira 

Articles View Hits
7622137

We have 694 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro