COLECIONADOR E PESQUISADOR, MANTÉM ACERVO COM 12 MIL HQS

02

PEDRO OLIVEIRA (MG), COLECIONADOR E PESQUISADOR, MANTÉM ACERVO COM 12 MIL HQS

01

Originalmente publicado em Minha Estante #55 – Pedro Oliveira

Leitoras e leitores, chegou a hora de conhecer uma belíssima e vastíssima coleção com 12 mil revistas em quadrinhos!

O colelcionador, Pedro Oliveira abriu as portas dos armários e tirou do baú as mais inacreditáveis raridades, bastará uma rápida olhada nas fotos para comprovar que não exageramos. Não fiquem somente com as fotos, leiam também a deliciosa entrevista, pois temos certeza de que você aprenderá muito mais sobre esse hobby que tantos apreciam.

E não esquecendo, se você também tem uma super-coleção de HQs, escreva pra gente e vamos combinar de mostrá-la neste espaço.

03

Olá, Pedro! Muito obrigado por topar participar desta entrevista.
Para começar nos conte um pouco sobre você, onde nasceu, mora, o que faz na vida profissional?

Olá, Daniel e leitores do Pipoca e Nanquim! Muito obrigado pela oportunidade de poder participar desta coluna que é um sucesso. Meu nome é Pedro José Rosa de Oliveira. Nasci em Anápolis, moro em Belo Horizonte e trabalho atualmente no Rio de Janeiro. Sou engenheiro de telecomunicações e consultor de sistemas celulares. Sou separado e pai de um casal de filhos.

04

Quando você começou a se interessar por quadrinhos?

Tive dois momentos. A primeira fase foi quando criança, antes mesmo de começar a ler, por volta dos cinco anos, vendo um primo ler quadrinhos. Lembro de folhear os gibis repetidas vezes, fascinado pelos desenhos. Depois que comecei a ler, aumentou ainda mais interesse pelos quadrinhos. Na infância, não acumulei grandes quantidades de gibis, mas tive duas coleções que eram minhas favoritas: Heróis de TV (Marvel) e Disney Especial. Esta paixão foi até a adolescência, onde por volta dos 15 anos perdi o interesse nos quadrinhos (pode?). Em 1997, veio a minha segunda fase, quando li uma reportagem no jornal, Estado de Minas, sobre o lançamento da minissérie DC x Marvel. Isto, me despertou uma curiosidade, pois, quando criança lia os gibis da Marvel e DC e queria que os heróis destas duas editoras se encontrassem. O único crossover que já tinha visto era o encontro do Homem Aranha com Superman, publicado pela editora Abril. Comprei e li esta minissérie, daí o gigante adormecido se despertou. Então saí à procura das coleções preferidas de minha infância, em especial a da Marvel. Fui comprando e completando coleções como Grandes Heróis Marvel, Heróis da TV, Capitão América, Homem Aranha, etc.

05

Você se lembra da primeira vez que se viu fascinado por uma HQ? Qual foi a história ou revista?

Sim, lembro bem. Tinha uns cinco anos e o que vi pela primeira vez foi Thor 16, da Bloch. Fiquei muito admirado e fascinado com a grandeza de Asgard e com aquelas vestimentas diferentes e marcantes desenhadas pelo grande Jack Kirby. Lembro também de ficar impressionado de ver o Adam Warlock dentro de um casulo nas histórias Ele e Um deus em fúria desta revista. Já se passaram 36 anos e ainda me lembro dos detalhes dos desenhos.

06

Quando aconteceu a mudança de leitor ocasional para colecionador inveterado?

Quando criança não era tão apegado e aficionado por quadrinhos. Lembro que lia duas ou três vezes um mesmo gibi e depois trocava por outro com colegas, e assim por diante. Quando voltei a ler quadrinhos em 1997, fui adquirindo aos poucos, mas tornei-me um colecionador inveterado faz mais de 13 anos.

07

Quantas HQs você têm?

Tenho aproximadamente 12.000 HQs!

08

Já se desfez de algum exemplar e hoje se arrepende muito?

Sim, já me desfiz dos Tio Patinhas #1 e #2 e me arrependo muito. Os exemplares estavam em ótimo estado de conservação e vejo que, a cada dia, estes gibis se valorizam mais e mais, ficando difícil de adquiri-los novamente.

09

Quais são os principais itens de sua coleção, séries e minisséries completas, encadernados de luxo, edições raras e tal?

Como disse, voltei a colecionar quadrinhos com a intenção de ter o que li quando criança, em especial, Heróis da TV e Capitão América. Com isso acabei completando tudo da Marvel editado pela Abril. Em seguida, consegui obter gibis da Marvel publicados por outras editoras. Hoje, tenho todos os quadrinhos de super-heróis da Marvel produzidos no Brasil, iniciando pelos números zeros da Ebal, em 1967, passando por raridades de editoras menores como GEP, Roval, Gorrion, Paladino, M&C, GEA e Trieste. Além destes, tenho todos os gibis Marvel da Bloch, RGE, Abril, Globo e Panini. A exceção é a partir de 2007, quando parei de comprar quadrinhos da Panini, devido à falta de espaço e queda de qualidade das histórias. Hoje, compro edições especiais e alguns números avulsos que julgo interessantes.

Coleciono também revistas com material da Marvel que não são super-heróis como terror, histórias de amor e humor, infantis (Star Comics) e outras que foram publicadas por diversas editoras como Roval, Gorrion, Trieste, Abril, RGE, Bloch, Globo, entre outras.

10

Da DC tenho várias minisséries e números 1 da Abril e Ebal, incluindo muitos almanaques.

Minha coleção da Disney é composta por Disney Especial (1 a 100 e depois números salteados), números baixos de Tio Patinhas e de alguns Mickey, Almanaque Disney, a coleção de Edições Extra e edições especiais. De mais recente tenho a excelente coleção de Carl Barks, Mestres Disney e outros.

Também tenho todos os títulos e quase todos os números editados pela Bloch, GEP e M&C.

Da linha infantil, possuo material da Hanna Barbera (como a coleção Heróis da TV e Almanaques Heróis da TV, da Cruzeiro), Diversões Juvenis completa (incluindo todas as edições especiais), primeiros números de Mônica e Cebolinha, e personagens infantis publicados pela Vecchi.

Coleciono material nacional publicado pelas editoras La Selva, Taika, Continental, Outubro, Edrel, GEP e Livreiro.

Entre as raridades, possuo vários números de Gibi tri-semanal, Gibi Mensal, Gibi especiais de Natal, Guri, O Globo Juvenil, Álbuns do Globo Juvenil, Shazam!, Biriba, Correio Universal, Álbuns da Gazetinha, Lobinho, Suplementos Juvenis da década de 30, Júnior (com as primeiras histórias de Tex), Bidu e Capitão 7, da Continental.

De mais atual e que considero raridade, destaco a coleção completa do Ken Parker da Tapejara.

11

 Qual o item mais raro de todos?

É difícil escolher o mais raro de todos. Foi citar alguns que considero grandes raridades: Os dois álbuns do Fantasma Voador, do Correio Universal, Almanaque do Lobinho de 1942, Gibi Mensal #168 de 1940 (com primeira aparição do Tocha Humana no Brasil), Guri #63 (com primeira aparição do Capitão América no Brasil), Álbum da Gazetinha #1 (com primeira história completa do Superman), Suplemento Juvenil de 1938 com Aventuras do Elefante Bolinha e Proezas do Pato Donald, dois álbuns do Globo Juvenil com Superman, Flash Gordon, de 1936, Gibi tri-semanal #4 de 1939, seis números de Detective com histórias do Capitão América de 1944, Batman #1 de 1953, Festival Disney de 1954, Almanaque dos Heróis de 1948, Coleção Pernalonga #1, da Ebal, de 1951 com a capa em formato de envelope (onde nunca o vi catalogado em nenhum lugar). Para finalizar as raridades, tenho uma edição interessante que, segundo alguns colecionadores e o próprio editor, existem menos que 10 exemplares no mundo. Trata-se de Histórias do Faroeste #22 (com 1ª aventura de Tex), editada em setembro de 1981 pela Vecchi. Esta edição não foi à bancas devido receio da Vecchi em ter problemas com Sérgio Bonelli em publicar histórias de Tex que não fossem em revista própria.

12

E qual foi a maior raridade que já comprou pelo menor preço?

Em 2000, comprei um grande lote de edições da Ebal com super-heróis da Marvel (Super-X, Capitão Z, Homem Aranha, Álbum Gigante, Demolidor, Quarteto Fantástico, A Maior) e da Bloch (todos Marvel), aproximadamente uns 500 gibis, por R$ 0,25 cada. Era de um colecionador que estava se desfazendo de sua coleção.

13

Você compra HQs importadas?

Atualmente não, mas já comprei alguns da Marvel, principalmente daqueles que não saíram no Brasil. Sou fã do Capitão Marvel (Marvell) e saíram poucas histórias dele aqui no Brasil (primeiros números de Heróis da TV). Então, consegui comprar, aos poucos, toda a publicação deste herói lançada nos Estados Unidos. Tenho também alguns Essentials de terror. Outros quadrinhos importados que tenho são de países que já visitei, com destaque para os quadrinhos indianos com histórias de alguns deuses hindus. Tenho umas 300 HQs importadas.

14

Onde costuma comprá-las?

Comprei todas as americanas pelo eBay.

Como você guarda sua coleção de HQs? E qual técnica usa para conservá-los?

Guardo todas em um grande armário que foi feito especialmente para armazená-las, como podem ver pelas fotos. Todos meus gibis ficam em sacos plásticos, sem exceção. Costumo agrupar os formatinhos em 10 edições para cada saco plástico. Já as mais valiosas, além de ficar uma só em um saco plástico, ficam com papelão para proteção. Infelizmente por falta de espaço, coloco uma sobre as outras. De tempo em tempo mexo nas pilhas de gibis para verificar como estão e evitar surpresas desagradáveis.

15

Todo colecionador tem manias, seja na um ritual para leitura, uma bela cheirada na revista nova ou nunca se desfazer de nada, qual é a sua?

O cheiro do papel e tinta é marcante para qualquer apreciador de quadrinhos. Ainda gosto de sentir o cheiro de um quadrinho quando compro, mas lembro-me que o cheiro das revistas da editora Abril do início da década de 80 eram os melhores, principalmente dos quadrinhos Disney Especial, que tinham muitas páginas.

Hoje me desfaço somente do que tenho repetido, aliás, devo ter uns 300 quadrinhos repetidos. Isto devido ao que acho ser uma mania: sempre querer substituir os exemplares que tenho em médio ou mal estado de conservação por exemplares em excelente estado.

16

Além de quadrinhos você também coleciona outros itens?

Sim, coleciono outros itens, mas todos relacionados a quadrinhos. Coleciono brindes que vinham nos quadrinhos como pôsteres, moedas, adesivos, etc.

Tenho todas as moedas da Disney que foram lançadas pela editora Abril. Tenho também duas moedas dos Trapalhões e a do Fantasma. Falta-me conseguir o medalhão do Tor que veio em Heróis da TV 17 (HB).

Já os pôsteres que eram brindes de certos gibis, tenho quase todos. Tenho todos que vieram nos Almanaques da Ebal de 1969, todos dos super-heróis da Bloch, todos que vieram em Kripta, os dois pôsteres do Tex e alguns dos primeiros números de personagens infantis da Vecchi. Dos pôsteres mais procurados e difíceis, lançados pela editora Abril na década de 70, faltam-me um de Diversões Juvenis, um da Turma da Mônica e dois de Edições Extra da Disney.

Tenho também quase completa a coleção de miniaturas da Disney da promoção da Coca-cola do início da década de 80.

Outra pequena coleção que tenho é de álbum de figurinhas. Tenho os álbuns completos de personagens da Marvel lançados no Brasil (falta-me somente o do Hulk de 1980). Entre estes, se destacam o primeiro álbum de heróis da Marvel, que foi lançado pela editora Dimensão em 1978, o álbum de figurinhas de heróis da Marvel e DC de Ping Pong de 1979, os 3 álbuns de figurinhas da Marvel que saíram nas revistas da editora Abril na década de 80, que além de tê-los completos, tenho também os gibis com as figurinhas encartadas.

17

Tem algum item que quer muito ter, mas está praticamente impossível de encontrar?

Um grande defeito dos colecionadores é sempre querer mais. Como tenho tudo da Marvel que foi editado no Brasil, passei a procurar por raridades. Entre estas, o que procuro e considero difícil de encontrar (e também muito caro) são: Almanaque do Lobinho 1949, Gibi Mensal 1, Gibi Mensal de 1940 número 142 (com primeira aparição de Namor), Lobinho 7, os números de Bidu que me faltam e os primeiros números de Mickey e Pato Donald.

Com relação a minhas coleções que não são quadrinhos, o que penso que seja difícil de conseguir são todas as tampas Delícia (com heróis da DC) e Doriana (com heróis da Marvel). Outra coleção que não tenho e procuro é a de chaveiros que foram brindes de revistas da editora Abril em 1985.

Qual foi sua última leitura e qual está sendo a atual?

Infelizmente o que me falta é tempo para ler meus gibis. Minha última leitura foi a coleção Star Wars, da editora On Line. O que estou lendo atualmente não é HQ, mas um livro sobre quadrinhos: Shazam!, do Álvaro de Moya. Minha próxima leitura será Stan Lee: O Reinventor dos Super-Heróis, do amigo Roberto Guedes.

18

Se tivesse que escolher 10 itens de qualquer uma das suas coleções para levar para a Fortaleza da Solidão, quais seriam?

Que pergunta difícil! Vou tentar responder:

1) Heróis da TV 1 a 16 (não dá para escolher somente uma);
2) Coleção Heróis da TV (Hanna Barbera) (também não da para escolher somente uma);
3) Coleção Edições GEP (todos os 23 números);
4) Gibi Mensal 168, de 1940;
5) Guri 63;
6) O Fantasma Voador, do Correio Universal;
7) Almanaque do Lobinho, de 1942;
8) Batman 1, de 1953;
9) Suplemento Juvenil com: Aventuras do Elefante Bolinha e Proezas do Pato Donald;
10) Álbum da Gazetinha 1;

19

Ufa!!!

Obrigado pelo papo, Pedro! Para finalizar, deixe um recado para os leitores do Pipoca e Nanquim e colecionadores do Brasil.

A leitura, de qualquer forma que seja, é muito importante a qualquer pessoa, principalmente para crianças em fase de alfabetização. Minha filha tem sete anos e desde os cinco (quando começou a ler) já devora os quadrinhos, principalmente da Turma da Mônica.

E por fim, caros colecionadores, não é fácil ser um colecionador, pois como diz um amigo meu: “para ser um grande colecionador você precisa de 3 coisas: tempo (para procurar o que lhe falta), dinheiro e espaço físico”. Mas com paciência e perseverança, vocês encontrarão o que procura na hora certa.

Pipoca e Nanquim, mais uma vez obrigado pelo bate-papo e o espaço cedido para expor um pouco de minha coleção.

Um abraço a todos.

Minha Estante é um espaço pra você, colecionador de HQs, mostrar sua coleção, falar sobre prazeres e vicissitudes desse hobby, conhecer outros fãs e proporcionar aquela inveja boa.

Convidamos a todos que possuem belas coleções de quadrinhos a mostrarem elas aqui!

É só mandar um e-mail para [email protected] dizendo alguns detalhes (números de revistas, itens raros e particularidades) que em seguida combinamos a entrevista.

Até a próxima!

20

Outras impressões: "Estes gibis da Ebal se valorizaram cada vez mais"

por Mário Pazcheco

26 jun. / 2019 – Meu rápido contato com Pedro Oliveira, aconteceu num rápido leilão online para revistas em quadrinhos no Facebook (Mania Comics), por isso fizemos amizade. 

Arrematei um exemplar do Quarteto Fantástico pela editora Gea, o número 1 do Capitão Z com Homem de Ferro Capitão América, pela Ebal, O Surfista Prateado pela GEPoutros exemplares de O Tocha Humana pela Bloch Editores e por último, um lote de revistas da Ebal da revista Super X com Namor e Hulk, diretamente das mãos dele. Em príncipio, pensei que ele só queria ganhar grana com as revistas, mas aos poucos minha percepção mudou: Pedro Oliveira é um colecionador diferenciado e na veia que decidiu vender os seus mil quadrinhos que tinha em duplicata! Cedeu ao apelo do também colecionador, Marcelo Borba. Eles estão preenchendo uma lacuna importante no seguimento da leitura e da preservação da História das edições de quadrinhos no Brasil! E, o mais importante: tornar viável o acesso a essas verdadeiras pérolas esgotadas por um preço não tão exploratório diante da escassez de ofertas. 

016

"O futuro da coleção é uma preocupação de todo colecionador"

Exponecialmente a coleção de Pedro de Oliveira aumentou quando ele ainda morava em São Paulo, garimpando entre sebos e colecionadores. O Colecionador Pedro  começou procurando contato de colecionadores no zines e trocou cartas em busca de informações e  uma vez nas casas deles, acabava comprando as coleções que acabara de visitar.

 

 

Articles View Hits
7754677

We have 816 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro