Esta não é "mais" uma biografia dos Beatles: é "a" biografia dos Beatles

book
Esta não é "mais" uma biografia dos Beatles: é "a" biografia dos Beatles

 

Por: Mário Lopes - http://ipsilon.publico.pt/musica/texto.aspx?id=326367

 

beatles web Beatles, 1961

O primeiro volume de All These Years (900 páginas!) termina em 1962, quando os Beatles terminam a sua segunda épica temporada de concertos em Hamburgo

 

18 out. / 2013 - Pois, mais uma biografia dos Beatles. Precisará o mundo de um nova biografia dos Beatles, a banda sobre a qual mais se escreveu desde o início dos tempos, ou seja, desde 5 de Outubro de 1962, o dia em que "Love Me Do" foi editado? A resposta óbvia, percorrendo mentalmente todas as obras dedicadas à banda que ainda não lemos, será "não, não precisamos", seguida de "por favor, parem". Mas isso era antes de chegar All These Years, a obra que ocupou os últimos dez anos de vida de Mark Lewisohn, considerado um dos maiores especialistas em todos os assuntos Fab Four, autor de The Beatles Live! ou de The Complete Beatles Recording Sessions: The Official Story of The Abbey Road Years.

All These Years é um trabalho épico. Basta dizer que o volume editado há uma semana em Inglaterra pela Little, Brown (All These Years: Volume One: Tune In) é o primeiro de três e contabiliza, na edição econômica (30 libras, 35,3€), 900 páginas. Nove centenas de páginas que, preparem-se, terminam em 1962, quando os Beatles, ainda perfeitos desconhecidos, abandonam a segunda temporada de concertos em Hamburgo - haverá também, em Novembro, uma edição "de autor" mais completa, com mais páginas, mais depoimentos, mais fotografias inéditas, tudo por 120 libras (141€).

A Mojo considera All These Years uma "obra sem precedentes" nos anais da biografia pop e no Guardian escreve-se que, a partir de agora, não valerá a pena insistir mais. A história estará toda, mas mesmo toda, aqui. Conhecem-se em profundidade as raízes familiares e as redondezas de cada um dos Fab Four e dos Beatles que ficaram pelo caminho (o baterista Pete Best e o baixista Stuart Sutcliffe). Desmentem-se alguns mitos, como o do fascínio imediato de George Martin pelo carisma da banda (foi emparelhado com ela como castigo pelo caso com uma secretária, que se tornaria a sua segunda mulher), acompanha-se a história com inaudito detalhe (depois de 612 concertos de hora e meia ao longo de 27 semanas em Hamburgo, os Beatles eram, diz Lewisohn, a banda mais rodada em palco em todo o mundo) e desvendam-se verdades incômodas: Stuart Sutcliffe escreveu numa carta em Hamburgo que Paul McCartney se tornara a ovelha negra do grupo, detestado por todos.

O primeiro volume está aí e, como se percebe, parece condenado a tornar-se peça obrigatória na historiografia dos Beatles. Enquanto isso, Mark Lewinsohn já está no terreno a preparar o segundo. Tem 55 anos. Prevê terminar a trilogia quando já for septuagenário.

 

Mergulho de escritor na história dos Beatles ainda tem longo caminho a percorrer

Por Matthew Lewis


20 ago. / 2014 - CHICAGO (Reuters) - Para o autor britânico Mark Lewisohn, contar a história da maior banda de rock do mundo do jeito que merece ser contada levará muito tempo. Para ser exato, levará cerca de 25 anos.
O reconhecido pesquisador dos Beatles, de 56 anos, apaixonou-se pelo Quarteto Fantástico quando ainda era criança, e publicou seu primeiro livro referencial sobre os Beatles em 1986. Seu livro mais recente, Tune In, foi publicado no ano passado.
O volume, o qual ele levou 10 anos para escrever, é o primeiro da sua planejada trilogia biográfica All These Years. Ela começa em 1845, quando a primeira crise de fome irlandesa forçou os ancestrais de John Lennon a migrar para Liverpool, e encerra-se em dezembro de 1962, pouco após o grupo ter lançado seu primeiro sucesso, “Love Me Do”.
Lewisohn concorda que o tamanho do tomo, 880 páginas na versão norte-americana e 1.728 na integral versão britânica, pode ser intimidador.
“Obviamente, eu quero que o livro seja lido pelo máximo de pessoas possível. Mas ele é tão longo quanto precisa ser”, disse o autor à Reuters. “Meu interesse é aprender o quanto consigo, deixar a história a mais certa possível."
Críticos elogiaram o equilíbrio de Lewisohn entre os detalhares de pesquisa e a narrativa atraente. O autor não buscou a benção de Paul McCartney e de Ringo Starr, ou dos descendentes de Lennon e George Harrison, para o livro.
“O acesso (aos artistas) frequentemente vem associado ao controle (de conteúdo), e é crucialmente importante que isso não aconteça”, explicou.
Lewisohn espera que o segundo volume da obra, que levará a narrativa até cerca de 1966, seja completado até 2020, e que o terceiro deve vir sete anos após essa data.
“Com este projeto, não se trata de ‘Eu tenho material suficiente, posso parar agora’”, disse ele. “Se eu não pesquisar debaixo da próxima pedra, eu posso perder a melhor coisa de todas. Então eu vou revirar todas as pedras antes de parar de pesquisar", disse.
“Tune In” se concentra na juventude de John, Paul, George e Ringo e em seu aprendizado nos clubes de rock de Liverpool e Hamburgo, na Alemanha.
Lewisohn descobriu, por exemplo, que Harrison era um parceiro igual no começo da banda, pelo menos em termos de compartilhar os vocais no palco.
O autor também mostra que, ao contrário do que muitos diziam, Ringo era um músico talentoso, e o baterista mais procurado de Liverpool.
“Ele foi provavelmente o único músico em Liverpool que tinha mais experiência de palco até mesmo que John, Paul e George”, disse ele. “Qualquer um que pensa que ele era um cara ordinário, na verdade está insultando John, Paul e George por tê-lo escolhido.”
Lewisohn acredita que tem mais a aprender sobre o grupo.
“Eu certamente não acho que este livro seja apenas para os fãs dos Beatles. Esta é uma história do pós-guerra de nossa cultura. Estes três livros, quando eventualmente a série estiver completa, serão algo que, espero, permaneça por séculos."

bbc

The Beatles: ‘RUBBISH’, Says 1968 BBC Audience Research

New book reprints documents that reveal the Fabs’ volatile relationship with the Beeb.

By DANNY ECCLESTON OCTOBER 15, 2013

 

THE BEATLES: THE BBC ARCHIVES 1962-1970 is a lavish 336-page tome by notable Beatle expert Kevin Howlett that documents the close but sometimes fractious relationship between the rock’n’roll revolutionaries and the UK’s national broadcaster.
Among the treasures in this beautiful package – boxed like a vintage 10½” reel of tape – are reproductions of some priceless documents, including the Beeb’s response to the group’s application for an audition, where Paul McCartney’s performances of ’Til There Was You and Like Dreamers Do are annotated with a curt “No”, but Lennon’s Memphis Tennessee and Hello Little Girl are more favourably received.
“An unusual group,” concluded Beeb gatekeeper Peter Pilbeam, “not as ‘Rocky’ as most, more C&W, with a tendency to play music.”
More fascinating still is the facsimile of the BBC Audience Research Department’s February 1968 report on the viewing public’s response to the Boxing Night screening of Magical Mystery Tour.
“Three quarters of the sample could hardly find a good word to say for the programme,” relates the report’s unnamed author, before reproducing the following memorable responses…

• “A load of RUBBISH. We have made better home movies ourselves.”

• “Positively the worst programme I can remember seeing on any TV channel.”

• “The biggest waste of public money since the Ground Nut Scheme.”

Then there’s this beautifully phrased letter from BBC Director Of Sound Broadcasting explaining to EMI Chairman Sir Joseph Lockwood why the Beeb have decided to ban
Sgt.
Pepper’s A Day In The Life…

day 
Frank Gillard’s letter regarding "A Day In The Life". We especially like “the jargon of the drug addicts”.


On top of brilliant research into every aspect of The Beatles’ interaction with Auntie, Howlett’s book-and-a-half provides a dizzying trip back to a time when the Beatles were not universally deified, and the culture war was still to be won, or lost.

The Beatles: The BBC Archives 1962-1970 is published on October 17 by BBC Books/Ebury.

 

 

Yoko diz ser grata a Paul por
dizer que ela não causou fim dos Beatles

Viúva de Lennon comentou ao jornal 'The Times' afirmação de McCartney.
Ela disse que declaração de Paul foi 'muito boa' mesmo '40 anos depois'.

Do G1, em São Paulo

 

webjohn John Lennon e Yoko Ono (Foto: Divulgação)

22 out. / 2013 - Yoko Ono disse ser grata a Paul McCartney por ele dizer que ela não causou o fim dos Beatles. A artista falou nesta terça-feira (22) ao jornal inglês \"The Times\".

"Fiquei muito, muito agradecida. Fiquei chocada. Pensei: 'Agora você diz isso?  Depois de 40 anos?'  Mas foi muito bom. Na atmosfera que o mundo criou para nós, não foi fácil para ele dizer algo assim", disse a viúva de John Lennon, comentando entrevista dada por Paul no final de 2012, que teve muita repercussão.

Paul afirmou em dezembro que Yoko não foi a responsável pela dissolução do grupo. ''Ela certamente não separou o grupo, o grupo já estava se separando'', ele declarou em uma extensa entrevista ao jornalista David Frost. A declaração ajudou a amenizar quatro décadas de acusações de Yoko seria o pivô do fim da banda, em 1970. A extensa entrevista de Paul foi exibida pelo canal Al Jazeera.

''Eu acredito que ele não teria sido capaz de fazer isso sem Yoko, por isso, acho que ela não pode ser culpada por nada. Quando a Yoko apareceu, parte de sua atração era seu lado vanguardista, sua visão a respeito das coisas, por isso, ela mostrou a ele outra maneira de ser, que foi muito atraente para ele. Então, era hora de John ir, ele definitivamente iria sair, de um jeito ou de outro'', afirmou o cantor a David Frost.

p web
Paul McCartney faz show surpresa em Londres (Foto: Justin Tallis/AFP)

Articles View Hits
8068558

We have 1339 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro