FERNANDO PESSOA SOBRE O ÚNICO VESTÍGIO DO POETA SER A PRESENÇA DAS ROSAS

« Poesia em Sartre e o fotográfico: uma rápida pontuação.Pereio sem frescura com Lourenço Mutarelli: arte seqüencial, se enganar, anti-narcisismo e de novo o paradoxo. » (SSALVES)


FERNANDO PESSOA SOBRE O ÚNICO VESTÍGIO DO POETA SER A PRESENÇA DAS ROSAS


“Do poeta deve ser o ter passado sem outro vestígio que a presença das rosas. Para que os ramos quebrados, ainda, e partido o caule das violetas?”

Fragmento de Fernando Pessoa
Extraído de Páginas de estética e de teoria e crítica literárias.Lisboa: Ática, 1993. p. 132-133.

pessoan

[Carta a um poeta, 1914]

“Meu caro poeta:

Escrevo-lhe a desoras da Delicadeza. Há meses que o Luís de Montalvor me fez chegar aos olhos o seu Livro. Embora o lesse sem tardança, tenho demorado o agradecimento para le´m dos limites que se usam. A licença poética não admite tanto. Eu tenho abusado do direito concedido aos camaradas de responder longe de propósito. Começo a minha carta por lhe pedir as desculpas a que este adiamento obriga.

Não sei que lhe diga do seu livro, que seja bem um ajuste entre a minha sensibilidade e a minha inteligência. Ele é deveras a obra de um Poeta, mas não ainda de um poeta que se encontrasse, se é que um Poeta não é, fundamentalmente, alguém que nunca se encontra. Há imperfeições e inacabamentos no seus versos. Veem-se ainda netre as flores as marcas das suas passadas. Não se deveriam ver. Do poeta deve ser o ter passado sem outro vestígio que a presença das rosas. Para que os ramos quebrados, ainda, e partido o caule das violetas?”

Continuaremos amanhã. Farei a ligação entre a postagem anterior e a presente.

Salves!

Articles View Hits
8011995

We have 249 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro