LIVRO SOBRE IRON MAIDEN TEM CARA DE GIGANTESCO E CAPRICHADO FANZINE

iron livro

Steve Harris e Bruce Dickinson ao vivo, em foto do livro 'definitivo e mais completo guia sobre a banda'

LIVRO SOBRE IRON MAIDEN TEM CARA DE GIGANTESCO E CAPRICHADO FANZINE
Na capa do volume, o subtítulo traz uma definição pretensiosa, "O definitivo e mais completo guia sobre a banda"
 
Folhapress / Thales De Menezes
https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/livros/noticia/2020/01/livro-sobre-iron-maiden-tem-cara-de-gigantesco-e-caprichado-fanzine-ck4x53d0y013x01oc3ziq5ec7.html

2 jan. / 2020 – O Iron Maiden é mais do que uma banda de rock. É um rito de passagem na adolescência. Em algum momento da vida, entre o fundamental e o ensino médio, o grupo inglês vai ser a trilha sonora da pessoa. É fácil abordar um moleque na rua de cabelo longo, camiseta preta, calça jeans e tênis, e perguntar quais são suas preferidas do Iron Maiden. Ele vai listar várias.

iron

Divulgação / Divulgação
Capa de novo livro sobre o Iron Maiden

Essa devoção semelhante àquela dos torcedores de times de futebol cria uma cumplicidade entre a banda e fãs, o que proporciona produtos como esse livrão simpático, 2 Minutes to Midnight: Atlas Ilustrado do Iron Maiden. Na capa do volume, o subtítulo traz uma definição pretensiosa, "O definitivo e mais completo guia sobre a banda".

Quem percorrer as 256 páginas editadas por Martin Popoff dificilmente terá alguma dúvida sobre a trajetória do grupo, provavelmente o mais famoso integrante da assim chamada Nova Onda do Heavy Metal Britânico, que estourou mundo afora a partir do fim dos anos 1970 e início dos anos 198o.

No livro de Popoff, texto e imagem têm pesos equilibrados. As informações, expostas ano a ano, são fartas, em tópicos curtos, e esses verbetes estão espalhados em páginas grandes, inundadas de fotos. Tudo fica com cara de um gigantesco e caprichado fanzine. 2 Minutes to Midnight é feito por fanáticos e destinado a fanáticos.

A linha do tempo contemplada já traz a descontração que marca todo o volume. A primeira data marcada não é a formação da banda, em dezembro de 1975, ou mesmo o nascimento de seu fundador, o baixista Steve Harris, em março de 1956. O primeiro verbete remete a 2.500 AC! Inscrições nas paredes das pirâmides egípcias desse período falam dos deuses Hórus e Osíris, que serviram de inspiração para que o vocalista Bruce Dickinson escrevesse a letra de "Powerslave", canção de 1984.

Descer a esse nível de detalhe demonstra como a obra espelha a intensidade do culto dos fãs a tudo que cerca o Iron Maiden. O grupo já foi tema de várias e boas biografias, mas esse formato de relato visual agrega mais itens fundamentais para entender a carreira do grupo, porque poucos nomes do rock tiveram tanta preocupação com imagem.

O logo do grupo, imutável desde 1979, foi criado por Harris com inspiração na fonte usada no pôster do filme O Homem que Caiu na Terra (1976), com David Bowie.

No primeiro álbum, em 1980, a capa já trazia a imagem do "monstro-caveira" Eddie The Head, que se tornou o mascote oficial do grupo. Criado pelo ilustrador inglês Derek Riggs, ele passou a estampar todas as capas de álbuns e singles, além de cartazes de turnês. O livro contempla essa constante mutação visual de Eddie, com dezenas de capas.

O mascote passou a invadir os palcos nas turnês. No início, era um bonecão meio tosco, mas a evolução tecnológica foi tornando as inserções de Eddie nos shows mais atraentes. E os cenários também ficaram mais impactantes, puxados pela temática das letras de Dickinson, um historiador, que engloba desde o Egito antigo e a colonização da América até as Grandes Guerras e viagens espaciais.

iron rock in rio

Iron Maiden no palco Mundo, no quinto dia do festival Rock in Rio
Foto de Eduardo Anizelli – 4 out. / 2019 – Folhapress

Além das mudanças visuais, o livro trata das alterações da formação da banda. Guitarristas entraram, saíram e até voltaram ao grupo, mas para os fãs o destaque é a troca de vocalistas. Nos dois primeiros discos, até 1981, quem cantava era Paul Di'Anno. No terceiro, o consagrador The Number of the Beast (1982), Bruce Dickinson assumiu os vocais.

Quando ele deixou o Maiden para carreira solo, o décimo álbum da banda, The X Factor, de 1995, trouxe o cantor Blaze Bayley, que teve vida dura na função. Criticado demais pelos fãs, Bayley gravou apenas dois discos. Em 2000, Dickinson voltou ao grupo, para o álbum Brave New World.

A publicação do livro no Brasil é muito pertinente, porque o Iron Maiden tem uma relação fortíssima com o público do país desde sua primeira vinda, no pioneiro Rock in Rio de 1985. De lá para cá, os brasileiros já assistiram a 40 shows do grupo, os últimos no ano passado, quando o Iron Maiden retornou ao festival no Rio de Janeiro e passeou por várias cidades, incluindo Porto Alegre. Leitores não devem faltar para 2 Minutes to Midnight.

iron poa

Félix Zucco / Agencia RBS
Banda britânica Iron Maiden faz show na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, em outubro de 2019


2 Minutes to Midnight: Atlas Ilustrado do Iron Maiden
Preço: R$ 189
Pág. 256
Autor: Martin Popoff, com tradução de Renato Villegas e Ananda Alves
Editora: Valentina
Avaliação: Excelente

Articles View Hits
8228354

We have 3541 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro