Rap do Josenilton

 

Rap do Josenilton*

 

Último país das Américas
A abolir a Escravidão

Aí, mano, aqui não tem pra ti não
Serás sempre muque de peão
Se tens carrão, dizem logo que não é teu: é do patrão

Se não for roubado, é o que pensarão
Mas que preto bonito, eis o bordão

Como se não pudesse haver somente o preto, preto então
O emprego que te dão é sempre de segunda mão
Vai ela continuar a limpar o branco sujão?
Tu és ainda suspeito, não corre não

Agora que tu tens sucesso
Todos querem te imitar

Colar, carrão, tua dança e teu cabelo.
Mas ninguém quer estar na tua pele não

Será que tudo isso vai mudar?
E se mudar, será nova forma de opressão?

Tens ódio no coração, irmão?
Correntes nos calcanhares foram trocadas

Por outras de ouro, prata e latão.
Agora o Deus que manda não é mais cristão

E a cruz que carregas é a de não aparecer na televisão
Quem vai ter coragem de cantar essa canção?

Quem vai ter coragem de cantar essa canção?
Aí, lembra daquele cara malucão, começava com D de doidão
Pois é, canta ele pra Daslu, estampando rebeldia,

Má-criação, em meio a confetes e taça de champagne
Agora pergunto: quem vai cantar essa canção?

O rei está nu
Quem vai cantar essa canção?
O rei está nu
Quem vai cantar essa canção?

 Eu também quero ter um carrão
 Eu também quero ter um carrão

 Se os americanos podem, porque eu não posso não.
 Se os gringos podem, porque eu não posso não.
 Bingo, eis a questão. Eis a questão.

 Quem vai cantar essa canção?
 Aê, Caetano, não.
 Aê, Caetano, não.

*Recentemente, Josenilton Macedo vai publicar seu livrinho de poemas intitulado A Poesia Habita-se Em Carne Viva. E, já que o Caetano é o tema,  Josenilton manda o rapzinho que ele fez.
>

Articles View Hits
7481437

We have 681 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro