Brazilian Prog Week-End

 

Brazilian Prog Week-End


 
Nesse ano de 2009, quando comemoramos os 40 Anos de Woodstock, vou “puxar (desavergonhosamente) a sardinha” para uma das formas de rock que eu mais curto, talvez a mais setentista delas: o rock progressivo. E falar bem dos amigos é um barato ainda mais gostoso quando se trata de gente “elegante e sincera” como o pessoal do Som Nosso de Cada Dia e do Violeta de Outono. Gente boa de vibe e de música, que faz tudo por amor, com muito talento e competência. Tenho o privilégio de ser amigo dos fundadores e de me tornar amigo  dos meninos que se juntaram aos Mad Old School Rock’n’rollers como costumo nos rotular. Companheiros das décadas de 70 e 80 que mantém acesa a chama do rock virtuoso, do rock dos músicos, do rock eterno, do psicodelismo. O Violeta é um primor, o Som Nosso é uma verdadeira paulada carinhosa: os dois batem na cuca e na alma. Enfim, sábado e domingo no Centro Cultural São Paulo, tinha um grande público, tinha clima, tinha alegria  e energia como só esse “tal de róquenrou” consegue produzir. Cada gênero musical tem a sua alma, a sua vida própria mas que me desculpem quem não gosta de rock mas eles também são “ruins da cabeça e doentes do pé”. Salve Manito, multi instrumentista, showman pride and glory do Rock Brasileiro. Salve Pedro Baldanza, o Pedrão do Som Nosso, pisciano sensível, compositor inspirado e gente boa pacas. Salve o “jovem” Fabio Golfetti, compositor e guitarrista do Violeta de Outono, arquiteto da música como o Edu Viola, o Chico Buarque e eu (hehehe...), que além do talento e expertise, esbanja educação e simpatia. Salve o Fernando Cardoso (não confundir), tecladista, maestro, que consegue brilhar nas duas bandas e ainda traz o apoio e o inigualável e inesquecível som dos órgãos Hammond. Salve o Edson Ghilardi, professor de bateria com pegada de garoto roqueiro, salve o Marcelo Schievano hard rocker guitar hero, que consegue detonar progressivamente também. Salve o baterista Claudio Souza pela evolução desde os anos 80 quando conheci o Violeta. Todos eles merecem uma resenha particular, merecem ser conhecidos por um público maior, pois o povo merece ouvir boa música. Salve os dois meninos cantores do Som Nosso (inspirados pelo espírito do Pedrinho Batera). Salve Gabriel Costa, baixista do Violeta, que é quem mais vibra com o som e toca muito também, com a humildade dos bons. E o público? Um mix de gerações cantando músicas de mais de 20 ou 30 anos atrás, digo, à frente. Quer mais? O Violeta de Outono vai tocar no Teatro Municipal de São Paulo e o Som Nosso no palco do rock durante a Virada Cultural.
Saúde, Paz, Amor Infinito & a lotta Rock’n’ roll!


 

Zé BRasil, fundador do Apokalypsis.
São Paulo, 12 de abril de 2009.

Articles View Hits
7844088

We have 596 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro