DOIS CAEM ANTES DO SHOW DOS MUTANTES EM BRASÍLIA, EM 1973!

REPRESSÃO E ARBITRAIEDADE E FLAGRANTE FORJADO, DOIS FÃS FICAM SEM VER OS MUTANTES

 m 01

 Correio Braziliense, 19 de agosto de 1973

 Na foto de divulgação aparecem:
 Dinho (bateria), Liminha (contrabaixo), Serginho (guitarras e vocal) e
 Arnaldo (teclados e voz) só que ele havia saído da banda no mês de maio.
 Em seu lugar entrou, o multiinstrumentista, Manito.
 De Brasília, a banda seguiu para Goiânia, onde o show seria gravado em duas  fitas. 

 Pesquisa digital de Marcelo Lafaro

M 2

Traficantes de drogas vão a juri dia 29
(Correio Braziliense, 24 de agosto de 1973

Dentro de cinco dias deverão ser julgados os réus Wander Lima e Antônio Ribeiro Ferreira, acusados de tráfico de drogas. A audiência de instrução e julgamento foi realizada ontem, na Segunda Vara Criminal, no gabinete do juiz Dirceu de Faria.

Os réus foram presos no dia 18 de agosto do corrente ano, quando a polícia encontrou, dentro do volks placa AH 8248, estacionado no Centro Comercial Gilberto Salomão, pingos de substância alucinógena (LSD) e uma bolsa com pequena quantidade de maconha, sob o tapete do carro.

Audiência

Durante o processo, constatou-se que os réus residem em Belo Horizonte e estavam em Brasília para assistir um show do conjunto Os Mutantes, Wander Lima tinha a intenção de contratar o citado conjunto para apresentações no interior de Goiás. Após confessarem que são viciados e fazerem uso do material apreendido, explicaram que, devido a quantidade ser muito pequena, de nada lhe adiantaria comerciar com os tóxicos, pois não teriam renda nenhuma.

Promotoria

O promotor público José de Nicodemos Alves Ramos afirmou que "havendo sido fudamentada e provada a denúncia, impõe-se a procedência da ação e, em ocnsequência a condenação dos réus".

Defesa

Os senhores Ly Freitas e Joaquim Pedro de Oliveira, advogados de Antônio Ribeiro Ferreira, esclarecem "que o flagrante é ilegal, pois contém contradições verificadas nos depoimentos das testemunhas policiais, que, para caracterização da prisão dos réus e instauração do processo, foram arbitrários". Os advogados ressaltaram que "no local em que foram presos existiam dezenas de pessoas, e as autoridades policiais não arrolaram como testemunhas estas pessoas, e sim apenas policiais".

Para o advogado de Wander Lima, sr. Luís Antônio Pimentel, "o flagrante foi forjado e quando procurei falar com meu cliente obtive inforamação da polícia de que este não se encontrava preso".

Articles View Hits
8069494

We have 367 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro