Beatles: pelos bosques da cultura pop

Porto Literário 
 
 
 hamburg6
 
  
The Beatles
Pelos bosques da cultura pop
Texto publicado em 11 de Agosto de 2011 - 01h47
 

por Alessandro Atanes *  http://www.portogente.com.br/texto.php?cod=51931 
   
 Ao som de “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” e “Magical Mistery Tour”


Lado A

Edição especial publicada pela Rolling Stone agora em 2011 reúne descrições de 100 melhores canções dos Beatles. São descrições do processo de gravação enquanto artesanato de estúdio.

Na apresentação, o compositor Elvis Costelo afirma que “antes dos Beatles, você tinha caras vestindo jalecos de laboratório fazendo experimentos de gravação, mas não tinha roqueiros desbalanceando as coisas, como um vocal baixo a frente de uma faixa alta como Strawberry Fields Forever. É impossível mensurar a quantidade de possibilidades que estas inovações abriram a todos os músicos, da Motown a Jimi Hendrix”.

A número 1 é A Day in the Life, que encerra o “Sgt. Pepper”, gravada em cinco sessões entre janeiro e fevereiro de 1967. É aquela do John Lennon que começa com “I read the News today, oh, boy...” [“Eu li as notícias hoje, ah, menino...”], com a parte de Paul McCartney no meio. A revista conta como isso ocorreu:

... os Beatles criaram um álbum de visões psicodélicas; surgindo no fim do disco, A Day in the Life soa como se o mundo todo estivesse desmoronando. Lennon canta sobre a morte e horror em seu vocal mais espectral – uma voz, conforme disse o produtor George Martin em 1982, “que dá frio na espinha”.


Lado B

Mais do que um cara de jaleco fazendo experiências, o destino quis que desde o início George Martin fosse o responsável pela sonoridade do grupo. Isso já é bem conhecido. Ele ouvia as vanguardas musicais, assim como depois os próprios Beatles, e acompanhava o trabalho de compositores como Stockhausen e a Neue Musik ou John Cage. Ele abriu as portas para que surgissem alguns dos melhores momentos da música do século XX.

A Day in the Life, para a revista, é o ponto máximo de um processo que começa com algumas inovações vocais em I Want to Hold your Hand (1963), se refina a partir do álbum “Rubber Soul” (1965), continua se desenvolvendo em “Revolver” (1966) e chega ao ápice em “Sgt. Pepper”, nas canções do filme “Magical Mistery Tour”, ambos de 1967, e nos compactos do mesmo ano Penny Lane e All You Need is Love, entre outras.

A revista traz uma série destas influências eruditas ou de técnicas de gravação no trabalho do grupo:

A “aura de atemporalidade surreal” de Strawberry Fields Forever é fruto da união da colagem de duas partes tiradas de tomadas diversas em tons e velocidades diferentes. O efeito, que casa com as memórias da infância narradas na canção, ocorre porque uma é desacelerada e outra é acelerada. Também o solo invertido, a cítara e o vocal com efeitos de Tomorrow Never Knows; as seções de metais e arranjos dos álbuns mencionados acima (o par de quarteto de cordas de Eleanor Rigby, por exemplo); as colagens de Revolution nº 9.


Pós Escrito

Esse pequeno passeio sem novidades pelo bosque musical dos Beatles é fruto da releitura de “Seis passeios pelos bosques da ficção”, as conferências de Umberto Eco em que trata da natureza da ficção e seus efeitos na vida das pessoas. John, Paul, George e Ringo liam o que acontecia artísticamente a sua volta e alimentaram sua música pelo que mais havia de inventivo em seu momento.

Sobre o a ligação dos Beatles com a vanguarda e o cosmopolitismo, a coluna Porto Literário publicou também Os portos e uma viagem de iniciação do rock’n roll.
 
 

 

Hamburgo4


* Alessandro Atanes, jornalista, é mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Servidor público de Cubatão, atua na assessoria de imprensa da prefeitura do município.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

Articles View Hits
7822157

We have 581 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro