LIVRO DISSECA 'THE DARK SIDE OF THE MOON' (1973)

Livro disseca álbum clássico do Pink Floyd de 1973
THIAGO NEY
da Folha de S.Paulo

7 nov. / 2006 - Mais do que uma obra do Pink Floyd, The Dark Side of the Moon tornou-se uma referência pop. Ancorado por números que impressionam, por histórias saborosas e circunstâncias nem tão saborosas assim, o álbum ganhou vida própria. Neste mês, chega ao Brasil um livro que disseca e desmistifica o "disco do prisma".

The Dark Side of the Moon - Os Bastidores da Obra-Prima do Pink Floyd revela detalhes da gravação do álbum (lançado em 1973), da elaboração do conceito que iria unir as canções e de como os músicos se relacionavam no estúdio.

O crédito é de John Harris, autor do elogiado The Last Party: Britpop, Blair and the Demise of English Rock, livro que relaciona o surgimento do britpop com a chegada ao poder no Reino Unido do New Labour de Tony Blair. Jornalista, Harris escreve para o jornal britânico "The Guardian" e para as revistas "Mojo" e "Q".

Lançada no Reino Unido no ano passado, a obra se apOia em entrevistas com os integrantes do Pink Floyd, como o baixista e vocalista Roger Waters e o guitarrista e vocalista David Gilmour, técnicos de estúdio (Alan Parsons e Chris Thomas), entre outros. É ilustrado com fotos inéditas da banda, inclusive da época em que ainda contava com o vocalista Syd Barrett (1946-2006).

O projeto, segundo Harris, surgiu a partir de entrevistas que havia feito, desde 2003, com Waters e outros músicos, para diversas publicações.

"Um editor me ligou perguntando se eu não queria reunir tudo num livro", ele conta, por e-mail. "Havia material inédito e eu entrevistei os músicos em outras ocasiões. Nick Mason [baterista do Floyd] me autorizou a utilizar imagens de seu arquivo pessoal. Todos ficaram felizes em falar do disco, especialmente Waters. Ele fala bastante e é bem articulado quando explica o que fez."

Semeando o sucesso

Antes de chegar ao início dos anos 70, quando o Pink Floyd começava a semear o que viria a se tornar The Dark Side..., Harris repassa os anos iniciais da banda criada em 1964, em Cambridge, Inglaterra.

O primeiro disco, The Piper at the Gates of Dawn (67), traz um Pink Floyd mergulhado totalmente no rock psicodélico, com marcas da folk music norte-americana, por influência principalmente do guitarrista e vocalista Syd Barrett.

Incapacitado de continuar compondo de forma regular devido ao excesso de drogas, Barrett deixou o grupo logo depois, mas seu fantasma ainda perseguiria o Floyd nos álbuns seguintes, como A Saucerful of Secrets (68), Ummagumma (69), Atom Heart Mother (70), Meddle (71) e Obscured by Clouds (72).

Apenas com The Dark Side... o Pink Floyd exorcizou definitivamente qualquer influência de seu antigo mentor. "Entre 1968 e 1971, eles tiveram sérios problemas para encontrar uma identidade com a sombra de Syd", diz Harris.

"Eles produziram grandes álbuns, mas se você ler algumas entrevistas e olhar a maioria das letras, verá que eles não eram um grupo com uma idEia clara do que estavam fazendo.

Começaram a mudar com Meddle e a canção Echoes é como um ensaio para Dark Side... Mas é este disco que é o grande giro." O álbum começou a ser fecundado em 1971 e 1972, durante turnês pela Europa --e é curioso ler, no livro, os músicos, hoje milionários, lembrando a época em que tinham de viajar pelo Reino Unido numa van apertada.

Dark Side... traz todos os integrantes da banda colaborando na música, mas é de Waters o conceito que atravessa a composição das dez músicas ("Speak to Me"; Breathe"; On the Run"; "Time"/"Breathe Reprise"; "The Great Gig in the Sky"; "Money"; "Us and Them"; "Any Colour You Like"; "Brain Damage"; "Eclipse").

"É um álbum conceitual cujo tema central pode ser expressado de forma graciosa: o fato de a sociedade impedir os seres humanos de alcançarem todo o seu potencial --e de até levá-los à loucura-- ao relacionar tudo a dinheiro, ambição e regras sociais. É uma idéia que tem raízes na teoria marxista e na infância de Waters, criado por uma mãe comunista. Além disso, há o argumento de que Waters queria lembrar de Syd, alguém levado à loucura por não se encaixar na sociedade."

No livro, Harris lembra de encontros de Waters com gente como Paul McCartney, relata sessões de gravações em Abbey Road e sugere uma reavaliação da relação do Pink Floyd com o rock e o punk. "É uma injustiça [o ódio dos punks em relação ao Floyd]. Johnny Rotten vestiu a camiseta "Eu odeio Pink Floyd" e o destino da banda estava selado. O interessante é que várias das idéias políticas de Waters têm muita coisa em comum com o punk, mas ele era membro da geração errada."

O DISCO

- Dark Side of the Moon quase não teve esse nome. Antes do lançamento, a obscura banda Medicine Head lançou um disco com esse mesmo título. Mas como o álbum não fez sucesso, o Pink Floyd manteve seu plano

- Se não fosse Dark Side..., o disco sairia intitulado Eclipse (A Piece for Assorted Lunatics)

- Lançado em março de 1973 nos EUA, o álbum entrou apenas na 95ª posição da parada americana. Durante uma turnê, o disco foi subindo e, em 28 de abril, chegou ao topo

- Dark Side... esteve por 724 semanas na parada dos EUA

- Já foram vendidas 30 milhões de cópias do disco. E todos os anos outras 250 mil são comercializadas

- Nos anos 80, surgiu a história de que Dark Side... teria sido concebido como uma espécie de trilha para o filme O Mágico de Oz. Roger Waters nega

100 2985

THE DARK SIDE OF THE MOON - OS BASTIDORES DA OBRA-PRIMA DO PINK FLOYD
Autor: John Harris
Tradução: Roberto Muggiati
Editora: Jorge Zahar
Quanto: R$ 39 (nas livrarias a partir do próximo dia 21)

Articles View Hits
6449169

We have 240 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro