Phil Spector: pega 19 anos de prisão por homicídio

 

Ex-produtor dos Beatles pega 19 anos de prisão por homicídio

Terra

31 mai. / 2009 - O lendário produtor musical Phil Spector, 69 anos, foi sentenciado, nesta sexta-feira, a 19 anos de prisão por assassinato. Ele havia sido considerado culpado, no mês passado, por matar a atriz Lana Clarkson, em 2003. Spector é conhecido por ter trabalhado com os Beatles, Tina Turner, The Righteous Brothers, Ramones e outros grandes nomes da música.

O juiz da Suprema Corte de Los Angeles, Paul Fidler, sentenciou o produtor musical a 15 anos de prisão por assassinato em segundo grau, além de outros quatro por posse ilegal de arma. Durante o julgamento, a acusação retratou o produtor como um sádico misógino com um histórico de três décadas "jogando na roleta russa com as vidas das mulheres" quando estava bêbado.

Spector foi o criador da famosa técnica de gravação chamada de "Wall of Sound", nos anos 60. Os promotores disseram que Spector atirou e matou a atriz Lana Clarkson em sua mansão na madrugada de 3 de fevereiro de 2003, após tê-la conhecido horas antes na discoteca em que a mulher trabalhava. Ela era conhecida pelo papel no filme The Barbarian Queen, de 1985.


Júri culpa produtor musical Phil Spector por morte de atriz
da Efe, em Los Angeles

O produtor musical Phil Spector, conhecido pelo trabalho com os Beatles, entre outros artistas, foi considerado nesta segunda-feira culpado de matar a tiros a atriz Lana Clarkson, há seis anos, em julgamento do Tribunal Superior de Los Angeles.

Reuters
Phil Spector, que produziu artistas como Beatles e Tina Turner
Phil Spector, que produziu artistas como Beatles e Tina Turner

Spector, 69, ficou famoso na indústria fonográfica por ter trabalhado com grandes nomes como Tina Turner, Beatles e os Righteous Brothers, pode agora ser condenado a mais de 18 anos de prisão.

Após nove dias de deliberações, o júri chegou a um consenso sobre a responsabilidade do produtor pela morte de Clarkson, depois que um primeiro julgamento realizado em 2007 foi declarado nulo devido à impossibilidade de os membros do júri chegarem a um acordo.

As provas apresentadas no julgamento, que começou em outubro, foram suficientes para determinar que, em 3 de fevereiro de 2003, Spector matou Lana Clarkson horas após conhecê-la em um clube de Sunset Strip, em Hollywood, onde trabalhava como hostess.

A acusação descreveu o produtor como um "sádico misógino" com um histórico de três décadas "jogando na roleta russa com as vidas das mulheres" quando estava bêbado. O advogado de defesa alegava que Clarkson teria se matado, após estar mergulhada em uma depressão ao ver sua carreira artística no limbo e afetada por problemas financeiros.

Anulado julgamento do produtor musical Phil Spector
da France Presse, em Los Angeles
 

 O julgamento do produtor musical Phil Spector, acusado de assassinar uma mulher, foi   por falta de um veredicto unânime por parte do júri, anunciou o juiz Larry Fidler.

27 set. / 2007 - A decisão do magistrado aconteceu depois que os 12 jurados afirmaram perante a Suprema Corte de Los Angeles que foi impossível alcançar um veredicto unânime, como requer a lei americana.
Os jurados admitiram ter fracassado em sua tentativa de chegar a uma conclusão sobre a sentença do acusado Phil Spector, ficando o impasse em 10 votos contra 2. A decisão de cada membro do júri não foi revelada.
Spector, de 67 anos, permaneceu sentado imóvel enquanto o juiz anunciava a anulação do julgamento.
Ainda não ficou claro se a promotoria tentará apresentar novas acusações contra Spector por assassinato em segundo grau ou tomará outras medidas.
O julgamento de Phil Spector começou em abril deste ano. Ele era acusado da morte de Lana Clarkson, uma atriz de filmes B que o produtor conheceu no estabelecimento onde ela trabalhava como garçonete, poucas horas antes de ser encontrada morta com um tiro na cabeça em sua mansão, em Los Angeles (Califórnia, oeste).
Phil Spector é considerado o gênio por trás de sucessos musicais como Da Doo Ron Ron e You've Lost That Loving Feeling, canções que revolucionaram as técnicas de gravação na década de 60. Ele também trabalhou com artistas como os Beatles, Elvis Presley, os Ramones, John Lennon e George Harrison.

 

Júri do caso Phil Spector não consegue chegar a acordo
da France Presse, em Los Angeles


Os jurados do caso envolvendo o ex-produtor dos Beatles Phil Spector não chegaram a um acordo sobre a sua responsabilidade pela morte da atriz Lana Clarkson, ocorrida em 2003.

18 set. / 2007 - A promotoria afirma que Spector, furioso com a atitude de Clarkson, que teria deixado a casa do produtor contra sua vontade, a matou. Mas a defesa sustenta que a ex-atriz, deprimida com o fracasso de sua carreira, cometeu suicídio.
Segundo o inquérito, horas após um encontro entre os dois, no dia 3 de março de 2003, a mulher apareceu morta com um tiro na cabeça na mansão de Spector, em Los Angeles (Califórnia).
Para a conclusão do caso é necessária uma decisão unânime dos 12 membros do júri. Phill Spector responde ao processo em liberdade, pois pagou fiança de U$ 1 milhão.
Se for condenado, o produtor pode pegar 15 anos de prisão ou até mesmo a pena perpétua.
Phil Spector é considerado o gênio por trás de sucessos como Da Doo Ron Ron e You've Lost That Loving Feeling, que revolucionaram as técnicas de gravação durante os anos 60. O produtor trabalhou com artistas como John Lennon, Elvis Presley, The Ramones e George Harrison.


Impressões digitais podem "salvar" produtor de Elvis
da Folha Online

Depois de ser incriminado por testemunhas, incluindo um motorista brasileiro, o produtor Phil Spector ganhou um aliado: a perícia. 
 
14 jun. / 2007 - Com seu advogado, Phil Spector comparece a mais uma sessão de seu julgamento nos EUA.
Prato cheio para fãs de séries como "C.S.I. - Investigação Criminal", uma especialista, Donna Brandelli, afirmou que não há impressões digitais na arma que matou a atriz Lana Clarkson.
Phil Spector, 67, está sendo julgado pelo assassinato da atriz Lana Clarkson, com um tiro na cabeça, em sua mansão de Los Angeles, em 2003.
Donna afirmou que as impressões digitais raramente aderem à superfície analisada.
Por coincidência, ela escreve sua tese de doutorado sobre o "efeito C.S.I." e a expectativa dos jurados.
O programa mencionado é uma das séries policiais mais populares da atualidade e foca no trabalho da perícia para desvendar crimes. No Brasil, é exibido na TV paga e pela Record.
Spector trabalhou com diversos nomes da música, como Elvis Presley, John Lennon, Ramones e George Harrison.
A arma analisada por Donna é um revólver calibre 38. Ela também verificou balas encontradas na casa de Spector.
A perícia obteve mais resultados com as impressões digitais encontradas nos sapatos de Lana, uma garrafa de tequila e demais objetos da cena do crime. O perito Dale Falicon encontrou digitais de Lana e Spector em alguns objetos, mas também não pode casar todas as marcas.

Com Associated Press

Ex-motorista brasileiro de Spector recua no depoimento que incrimina produtor
Folha de S. Paulo - da France Presse, em Los Angeles


 O brasileiro Adriano de Souza, ex-motorista de Phil Spector, disse hoje que não sabe exatamente quais as palavras usadas pelo produtor musical na noite em que ouviu o disparo na casa do produtor. Na semana passada, Souza afirmou que o produtor lhe confessou o assassinato da atriz Lana Clarkson em 2003.

21 mai. / 2007 - Souza virou uma testemunha chave no caso, após contar à polícia que estava no carro de Spector, quando viu o produtor sair de sua mansão em Los Angeles com uma arma e a mão ensangüentada.
O produtor trabalhou com diversos nomes da música, como Elvis Presley, John Lennon, Ramones e George Harrison.
O advogado da defesa, Bradley Brunon, mostrou a transcrição do interrogatório que a polícia fez com o motorista a menos de 24 horas depois do tiroteio. Na transcrição, o investigador pergunta se o motorista conseguia lembrar das palavras exatas que ouviu de Spector.
"Acho que disse isso. Eu acho, não tenho certeza. É o meu inglês", afirmou o brasileiro no interrogatório.
"Você disse que não tinha certeza do que tinha dito, por causa do seu inglês. Foi isso que você disse [à polícia]?", perguntou Brunon na audiência de hoje.
A resposta de Adriano de Souza foi "sim". De qualquer maneira, ele insistiu ter ouvido "acho que matei alguém".
Brunon rebateu, questionando se Spector não teria dito "acho que alguém morreu". Souza respondeu que "não".
Spector está em liberdade, após pagar uma fiança de um milhão de dólares. Ele pode ser condenado a 15 anos de cadeia ou à prisão perpétua.


Ex-motorista brasileiro de Spector diz ter ouvido: 'acho que matei alguém'
g1.globo.com - France Presse


Produtor está sendo julgado pelo assassinato de Lana Clarkson.
Phil Spector afirma que Lana teria se suicidado.


 O produtor Phil Spector e sua mulher. (Foto: AP)


15 mai. / 2007 - O brasileiro Adriano de Souza, ex-motorista do produtor Phil Spector, contou nesta terça-feira (15) em uma Corte de Los Angeles como o lendário produtor musical lhe confessou ter matado a atriz Lana Clarkson há quatro anos.
Adriano disse que estava dentro do carro de Phil Spector, quando viu o produtor sair de sua mansão em Los Angeles segurando uma arma na mão ensangüentada e lhe disse: "acho que matei alguém".
A suposta confissão de Spector teria acontecido momentos depois que o motorista ouviu um disparo na madrugada de 3 de fevereiro de 2003. Foi nessa hora que aconteceu o incidente, pelo qual o produtor está sendo julgado: o assassinato da atriz que conheceu algumas horas antes, em um boate de Hollywood.
O brasileiro contou ao juiz que estava sentado no Mercedes Benz de Spector, na entrada da mansão, quando escutou um "puf" (barulho de disparo).
Depois de fracassar em sua tentativa para descobrir a origem do barulho, Adriano voltou para o automóvel. Poucos minutos depois, porém, viu Spector com a arma e sangue nas mãos.
Ao ser perguntado pelo procurador Alan Jackson se Spector falou com ele, Adriano de Souza respondeu: "Ele disse, 'acho que matei alguém'".
Até agora, Spector vinha dizendo que Lana tinha se suicidado.
Quando Souza perguntou a Spector o que tinha acontecido, o produtor deu de ombros, completou a testemunha, acrescentando que tentou dar uma olhada para dentro da casa e viu as pernas da atriz estendidas no vestíbulo.

Inocência de Phil Spector pode ser comprovada cientificamente (defesa)
Igpop - AFP


26 abr. / 2007 - A defesa do produtor musical Phil Spector afirmou nesta quinta-feira que seu cliente será declarado inocente do assassinato de uma atriz, assim que forem entregues as provas científicas coletadas no local dos fatos.
"As provas demonstrarão (...) que Philip Spector é inocente. Não só está comparecendo na situação de suposto inocente, como as provas científicas demonstrarão que é inocente dos fatos", disse aos jurados a advogada Linda Kenney-Baden.
Durante o segundo dia de audiências no processo contra o produtor, de 67 anos, acusado de matar com um tiro na cabeça a atriz Lana Clarkson em seu castelo, nos arredores de Los Angeles, em 2003, a defesa de Spector disse que a mulher se suicidou.
"A ciência mostrará a vocês que Philip Spector não disparou contra Lana Clarkson, não segurou a arma, nem apertou o gatilho", reforçou Kenney-Baden.
Na quarta-feira, quando foi celebrada a primeira audiência depois de mais de um mês de seleção do júri, a acusação prometeu mostrar o lado "sinistro e criminoso" do lendário produtor musical.
"Vamos estabelecer um perfil bem claro de um homem, Phil Spector, que se transforma em (alguém) sinistro e criminoso em algumas circunstâncias", disse o promotor Alan Jackson diante dos 12 membros do júri em uma sala do tribunal de Los Angeles.
"Provaremos que este homem pôs uma pistola carregada na boca de Lana Clarkson e a matou", disse Jackson.
O julgamento se realiza em uma corte lotada de jornalistas, depois que em fevereiro passado o juíz Larry Fidler aceitou a presença de câmeras da emissora a cabo Court TV na sala de audiência, mas advertiu que a transmissão seria interrompida se fosse divulgada a imagem de qualquer membro do júri.

 

Yoko Ono e Keith Richards serão testemunhas de Phil Spector
Ansa Latina

20 abr. / 2007 - LONDRES, 20 (ANSA) - O guitarrista dos Rolling Stones, Keith Richards, e a viúva do beatle John Lennon, Yoko Ono, devem comparecer como testemunhas centrais no julgamento de Phil Spector, na Corte Suprema de Los Angeles.
O produtor norte-americano, de 67 anos, será julgado pelo assassinato da atriz Lana Clarkson, encontrada morta em Alhambra, Califórnia, no dia 3 de fevereiro de 2003. Segundo publicou hoje o jornal britânico The Sun, Ono e Richards comparecem como testemunhas a favor de Spector. A artista japonesa confirmou que dará seu depoimento, mesmo tendo Phil Spector disparado um tiro contra Lennon, sem no entanto ferí-lo.
Spector é músico e produtor conhecido por uma técnica peculiar de orquestração, o "wall of sound" (parede de som), que consiste em sobrepor múltiplas pistas de acompanhamento para criar um som compacto. A técnica de Spector teve uma grande influência sobre os Beatles, que o convidaram para produzir as gravações do álbum "Let It Be", assim como sobre Brian Wilson, líder do grupo norte-americano Beach Boys. Nos anos 1970, ele produziu artistas como John Lennon e George Harrison em carreiras solos e os Ramones. (ANSA)


Spector vai se casar antes do julgamento
(Paula Guedes)
 

5 mar. / 2005 - Mais um episódio bizarro no caso de Phil Spector. O lendário produtor musical que responde processo por assassinato pretende se casar antes de ir a julgamento.
A identidade da noiva não foi revelada, mas ele tem sido visto em companhia de uma loira fisicamente parecida com a atriz de filmes B Lana Clark, a morta encontrada morta em sua mansão em Los Angeles.
Este será o quarto casamento do produtor de 64 anos, que trocará alianças no mesmo local onde ocorreu o crime. A data da cerimônia não foi revelada. Seu julgamento começa em setembro.


Spector será julgado em setembro
Paula Guedes - AFP

21 fev. / 2005 - O juiz da Suprema Corte americana Larry Fidler determinou o início do julgamento do produtor musical Phil Spector para 16 de setembro. A notícia foi divulgada na quinta-feira (17), ele é acusado pelo assassinato da atriz Lara Clarkson em sua mansão em Los Angeles.
Clarkson foi executada com um tiro na boca na noite de 3 de fevereiro de 2003 e, segundo a polícia, quando chegaram ao local, Spector disse que a morte tinha sido acidental, insinuando que a atriz havia se suicidado.
Em seu depoimento, o motorista Adriano de Souza afirmou que após ouvir um disparo dentro da casa correu para saber o que havia e ao encontrar Phil Spector, ele teria lhe dito: "Acho que matei alguém".
A autópsia confirmou que uma arma foi colocada na boca da vítima e revelou que havia resíduos de bala nas mãos do produtor de 64 anos — que ainda se declara inocente.
Spector pagou fiança de US$ 1 milhão (R$ 2,6 milhões) por sua liberdade condicional e também está sendo processado pela mãe da vítima, que exige indenização.

 

Phil Spector teria declarado que matou atriz por acidente
da Folha Online

7 jan. / 2005 - O produtor musical norte-americano Phil Spector contou versões diferentes para a morte da atriz Lana Clarkson, de acordo com as mais recentes transcrições da Corte de Alhambra, leste de Los Angeles, Califórnia (EUA), onde o produtor está sendo julgado.
O produtor Phil Spector durante julgamentoSegundo as gravações, Spector inicialmente teria dito que matou a atriz acidentalmente, mas agora mudou seu relato afirmando que a atriz teria cometido suicídio.
Spector, 64, alegou ser inocente da morte de Clarkson. A atriz de filmes B morreu baleada na cabeça, em fevereiro de 2003, aos 41 anos, dentro da residência do produtor, depois que ambos saíram juntos de um conhecido bar de Los Angeles.
Durante testemunho à corte, a policial Beatrice Rodriguez afirmou que quando a polícia chegou à mansão do produtor para atender a ocorrência, Spector teria dito "O que há com vocês? O que vocês estão fazendo? Eu não queria atirar nela. Foi um acidente".
Vizinhos chamaram a polícia após ouvir disparos no Pyrenees Castle, no subúrbio de Alhambra, propriedade de Spector. Ao chegar ao local, os agentes encontraram a atriz caída em uma poça de sangue. Após meses de investigação, as autoridades acusaram Phil Spector do suposto homicídio.
Em depoimento à polícia, o motorista do produtor, Adriano de Souza, informou que, pouco depois de ouvir um disparo, por volta das 5h, Spector saiu de sua mansão com uma arma na mão e disse: "Eu acho que acabo de atirar nela".
O produtor se encontra em liberdade, depois de pagar fiança de US$ 1 milhão. Em uma entrevista dada em junho passado, ele afirmou que Clarkson se suicidou, atirando no próprio rosto.
Spector é famoso por ter criado a técnica de produção conhecida por "parede de som" e por ter produzido os Beatles, Elvis Presley, Ike and Tina Turner e os Ramones. O produtor novaiorquino entrou para o Rock and Roll Hall of Fame em 1989.

 

Produtor musical é indiciado por assassinato
Paula Guedes

Na terça-feira (28 set. / 2004), o produtor musical que criou a técnica de gravação 'wall of sound' e trabalhou com grandes nomes como Elvis Presley, Tina Turner, Beatles e Ramones, foi indiciado pelo assassinato da atriz Lana Clarkson sem direito a audiência preliminar.
A atriz foi encontrada no hall de entrada da casa de Phil, havia uma bala de espingarda em sua cabeça, mas o cano da arma tinha sido encaixado em sua boca. A polícia diz que havia pólvora e traços de sangue nas roupas e no corpo do produtor, e alega que ele forjou a cena após ter feito o disparo.
    Phil Spector diz que é inocente, à revista Esquire declarou que Lana cometeu suicídio. “Ela beijou a arma. Não tenho ideia do porquê, não a conhecia e nunca a tinha visto até aquela noite.” — Três de fevereiro de 2003. Lana foi da casa de shows onde travalhava até a mansão dele.
Na saída do tribunal, Spector acusou os promotores de estarem forçando um indiciamento, disse que “eles conspiram para negar o direito constitucional de se ter uma audiência preliminar”, comparando-os a “tipos como Hitler”. Ele só está em liberdade porque pagou fiança de US$ 1 milhão.
A audiência por indiciamento será daqui a 19 meses, na sessão fechada os defensores irão decidir se as evidências são suficientemente fortes para levar o caso a julgamento, o que pode acontecer 20 dias após a representação. Se ele for culpado pegará prisão perpétua.
A genialidade musical de Phil Spector é indiscutível, assim como sua fama de esquisito. É um cara que vive recluso, tem problemas de alcoolismo, e realmente aprecia armas de fogo. Existem muitas histórias a respeito disto, dizem que ele disparou uma arma dentro do estúdio em que gravava com John Lennon, e que em outra ocasião Lennon o teria visto apontar uma arma para a cabeça de Stevie Wonder. Os Ramones também passaram por isso, Phil os manteve presos dentro do estúdio e apontou uma arma contra a banda.


Phil Spector é detido pela polícia novamente


18 mai. / 2004 - O produtor musical Phil Spector (Beatles, Stones, Ramones) foi detido na sexta-feira (14) após se envolver em briga com seu motorista, que também foi preso.
Segundo uma página do site Launch, a confusão ocorreu na mansão californiana de Spector. "A agressão foi mútua, então eles decidiram prestar queixa um contra o outro", disse o policial que registrou a queixa.
A polícia chegou lá por volta das 10h15. Aos 63 anos, Phil Spector em breve será julgado pelo assassinato da atriz Lana Clarkson, que morreu em sua casa, vítima de tiro em fevereiro do ano passado. Ele se diz inocente e sugere que ela tenha se suicidado.


Produtor Phil Spector é preso sob suspeita de assassinato
da Reuters, em Los Angeles

3º fev. / 2003 - O lendário produtor do rock Phil Spector, que mudou o curso da música pop na década de 1960 com gravações que batizou de "Wall of Sound", foi preso nesta segunda-feira sob suspeita de ter assassinado a tiros uma mulher em sua mansão.
Spector, de 62 anos, estava detido sob uma fiança de um milhão de dólares, informou a porta-voz da polícia de Los Angeles, Faye Bugarin.
Na carreira de Spector figura a produção de bandas como os Beatles, os grupos femininos Ronettes e Crystals, os punks do Ramones e até a diva Cher.
Bugarin disse que os policiais foram chamados às 5h (11h em Brasília) à casa de Spector, "Pyrenes Castle", uma mansão com dez quartos e oito banheiros em uma estrada privada no bairro de Alhambra, em Los Angeles. Ao chegar na mansão, os policiais descobriram o corpo de uma mulher morta a tiros.
A mulher ainda não foi identificada, e a polícia disse que estava tentando notificar um parente próximo da vítima.
A polícia deteve Spector sob suspeita de assassinato logo depois de ter chegado à mansão. O porta-voz de Spector não respondeu aos telefonemas da reportagem.

Phil Spector
(Richie Unterberger)

Strictly speaking, Phil Spector wasn't even a performer — he's a musician, but he very rarely released records under his name. However, as a producer — and, to a significant extent, songwriter, label owner, and session player — he has influenced the course of rock & roll for more than all but a handful of performers. The Wall of Sound that he perfected in the early '60s opened unlimited possibilities for arrangements and sound construction in rock and pop, and his brilliant talents imprinted the discs that he produced with an artistic vision that was much more attributable to him than the talented performers with whom he worked.
Spector entered the record business in 1958 as songwriter, guitarist, and backup singer for the L.A. group the Teddy Bears, who landed a left-field number one with their first release, To Know Him Is to Love Him. The Teddy Bears couldn't follow their hit up and soon disbanded, but Spector almost immediately moved to New York and became a songwriter and producer. After producing a few hits, he founded his own label, Philles, and ran off a series of brilliant smashes, primarily with girl groups the Crystals and the Ronettes.
To an extent that had never been imagined in rock & roll, Spector pumped his records full of orchestration — strings, horns, rattling percussion — that coalesced into teenage symphonies, never overwhelming the material or the passionate vocals. Often called a mad genius because of his eccentric and temperamental behavior, Spector's idiosyncrasies were almost always validated by the artistic and commercial results of his sessions, which combined dozens of instruments and innovative production techniques into end products which only he could combine into works of art. His influence was immense, not only in the dozens of imitation Wall of Sound productions (some very accurate and worthy, it must be added) that flooded the market between 1962 and 1965, but as an inspiration to Brian Wilson of the Beach Boys, Rolling Stones producer Andrew Loog Oldham, and others.

Spector was hip to the British Invasion before it had even reached the U.S., befriending the Beatles and Rolling Stones, but had nearly as much trouble as the rest of the industry in maintaining his success. Self-contained bands were writing more adventurous material and finding more adventurous sounds, and Spector's teen operas were becoming out of fashion, although he enjoyed a lot of success with blue-eyed soul duo the Righteous Brothers in the mid-'60s. After the failure of Ike & Tina Turner's 1966 single "River Deep, Mountain High" — which he always considered among his greatest achievements, blaming a vengeful U.S. music industry for its poor sales (although it was a big hit in Britain) — he retired to his L.A. mansion, marrying Ronnie Bennett, lead singer of the Ronettes.

Spector re-emerged in the late '60s and was hired by the Beatles to do post-production on their controversial "Let it be" album; critics and Paul McCartney himself found his work faulty, although it must be pointed out that the material he was given to work with didn't rank among the Beatles' best. He then produced George Harrison's and John Lennon's first solo albums; though these were artistic triumphs, they were hardly Spector productions in the classic sense, owing much more of their success to the talents of the performers than the producer. After that, he was active only sporadically, producing isolated albums by Dion, Leonard Cohen, and the Ramones. He became one of rock's most legendary recluses, rarely appearing in public, but his accomplishments cast a shadow over all performers and producers who aspire to create works of art in the studio.

 


1991
 Abr.
Sai a caixa "Back to mono", com mais de 60 produções de Phil Spector.
1974
 John Lennon é tentado por Phil Spector a lançar o disco Rock’n’Roll pela A& M Records.
1972
 8 dez.
Various Artists Phil Spector's Christmas Album
1971
 Fev.
"All Things Must Pass", produzido por George Harrison e Phil Spector.
Jul.
Compacto. BILL ELLIOT AND THE ELASTIC OZ BAND: Side A GOD SAVE US (Lennon-Ono) ELASTIC OZ BAND : Side B DO THE OZ (Lennon-Ono)
The A-side was produced by John, Yoko, Mal Evans and Phil Spector.
The B-side was produced by John, Yoko, and Phil Spector.


John Lennon deliberately intended to write a substantial Christmas song that will forever be remembered. He succeeded with Happy Christmas (War Is Over), co-written with his wife, Yoko. The song reinforced the two-year peace campaign John and Yoko were waging especially against the war in Vietnam by putting up billboards in major capital cities in the world boldly declaring, "WAR IS OVER, IF YOU WANT IT."
Songfest, an on-line site, recounts John and Yoko wrote this in the evening of Oct. 28 and into the morning of Oct. 29 in their New York hotel room. They recorded it in November with Phil Spector who produced the single and suggested they employ the Harlem Community Choir for the chorus. In the US, the single came out on Dec. 1, 1971 but barely charted there. It met bigger success in the UK the following year, peaking at No. 4. John and Yoko can be heard whispering the name of Kyoko and Julian at the beginning of the song. Yoko's Listen The Snow Is Falling occupied the single's flipside.
 
1970
 6 mar.

George e John entregam as fitas masters do projeto "Get Back" para o produtor Phil Spector...
•The Apple label was distributed by Capitol from the beginning. As Phil Spector pointed out the group would have been "fighting their old Capitol product" if they had chosen to distribute with another company. Capitol would even have been able to release tapes from sessions that the Beatles judged inferior (Chapple and Garofalo. Rock and Roll is here to Pay, p. 82).
•Pete Bennett: Paul McCartney hated the strings on Let It Be, and he didn't want Phil Spector producing the album. Paul complained to us, but we put it out anyhow. It wasn't even Klein's doing...We put it out because John Lennon wanted it out. You have to understand that Lennon was Director of Apple Records. Lennon had the last say, and for whatever reason, they made Lennon the president when they set up Apple (Granados, S. Those Were the Days. p. 130).
14 abr.
• A carta de Paul para Allen Klein com c.c p/ Phil Spector, dizia: In Future no one will be allowed to add or subtract from a recording of one of my songs without my permission. I had considered orchestrating The Long and Winding Road but I decided against it. I therefore want It altered to these specifications:-
1. Strings, horns, voices and all added noises to be reduced in volume.
2. Vocal and Beatle instrumentaion to be brought up in volume.
3. Harp to be removed completely at the end of the song and original piano notes to be substituted.
4. Don´t ever do it again Signed, PAUL McCARTNEY

Entrevista: Phil Spector Agonia & Êxtase

1968
Ronnie fell in love with Spector and they were married.
1966
"Creio que os Beatles e Phil Spector foram as coisas mais inspiradoras que eu encontrei" (Brian Wilson)
1965
The Lovin' Spoonful were rounded out by Steve Boone on bass and Joe Butler on drums. After some tentative interest from Phil Spector (who considered producing them), they ended up signing with Kama Sutra.

 

Articles View Hits
6961013

We have 755 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro