1986: JIMMY PAGE & THE YARDBIRDS 1966 - 1968

yardb1

INTERVIEW WITH JIM MCCARTY (THE YARDBIRDS) – PART 1

Jimmy Page & The Yardbirds 1966 - 1968

(Cláudia Barata*)


 

 
4th August 1966: The English psychedelic blues band the Yardbirds, (from left) Jim McCarty, Jeff Beck, Jimmy Page, Chris Dreja and lead singer Keith Relf.
 
(Photo by George Stroud/Express/Getty Images)


Quando Jimmy Page juntou-se aos Yardbirds como baixista no lugar de Paul Samwell-Smith, iniciava-se novo ciclo na tumultuada carreira do grupo. A importância do fato era justificada - afinal, Jimmy Page não só era um excelente músico como também contava com apoio e respeito de gente como Eric Clapton e John Mayall e larga experiência em estúdios.
A trajetória dos dois últimos anos de vida dos Yardbirds é traçada aqui com o objetivo de esclarecer e lançar luz neste período, um dos menos conhecidos e geralmente relegado à um segundo plano, sob as alegações de decadência da banda. Mas a verdade é que, com Jimmy Page na guitarra, algo de novo estava para acontecer - e aconteceu mesmo. Shows, gravações, choques - procuramos reproduzir a época com o máximo de informação e clareza, e o que encontramos é uma banda carismática e cheia de novas idéias, mesmo em seus últimos dias.
 Sem mais palavras... Bom apetite!

Jimmy Page já havia recebido um convite para integrar o grupo no lugar de Eric Clapton, anos antes. O convite foi recusado, pois Page alegou estar satisfeito com o trabalho no estúdio. Mas, anos mais tarde, diria: Se eu não conhecesse Eric Clapton, ouse não gostasse dele, poderia ter me ligado a eles. Mas do jeito que as coisas estavam, eu não quis participar. Gostava um bocado de Eric e não queria que ele pensasse que eu tinha feito algo pelas suas costas. A Chris Welch cantou, quando este foi visitá-lo em sua casa: Trabalhar em estúdio não foi nada bom. Era como ser um computador. E acrescentaria, em declarações posteriores: Eu já conhecia Jeff Beck já há algum tempo. Ele era muito respeitado, e achei que o grupo gostaria de tê-lo. Mas, falando honestamente, eu tinha um certo interesse em juntar-me à banda àquela época. Outras publicações sugerem que a recusa de Jimmy Page deveu-se à sua saúde frágil e que não resistiria à maratona de shows. No entanto, a principal razão de sua negativa era o fato de ser amigo íntimo de Eric Clapton e achar que assumir a guitarra em seu lugar não seria uma atitude muito digna.
A recusa de Jimmy Page levou Jeff Beck à guitarra e ao consequente sucesso, principalmente nos Estados Unidos, onde invadiram as paradas com compactos e LPs sucessivos. Nesse meio tempo, Jimmy Page continuou seu trabalho no estúdio, gravando com Paul Anka, Kinks, entre outros. Gravou algumas faixas com Eric Clapton, lançadas pelo selo Immediate:
 Telephone blues, I'm your witchdoctor (lançadas em compacto sob o nome de John Mayall), Sitting on the top of world e Double crossin' time. Desafortunadamente, faixas gravadas na casa de Jimmy Page, com apenas uma guitarra na parte rítimica e outra solando, um pequeno encontro de amigos, foram lançadas, e tal fato arruinou a amizade dos dois. Jimmy Page contou à revista Los Angeles Free Trade: Eric Clapton veio um dia à minha casa, quando eu ainda morava em Epson. Fizemos algumas gravações juntos, usando um pequeno gravador Simon com dois canais; no fundo, nada mais eram que cenas caseiras. Antes dos Bluesbreakers terminar eu já havia anunciado à Immediate que tinha estado gravando com Eric em minha casa. E eles disseram: Não se esqueça de que essas gravações nos pertencem, porque Eric Clapton ainda estava sob contrato nosso. Vi-me obrigado a entregar-lhes as gravações (...). Colocaram um elogio exagerado na contra-capa, supostamente escrito por mim e lançaram-nas como fazendo parte de uma antologia de blues. A antologia compreende três LPs: Blues Anytime, mais os volumes dois e três. No primeiro encontramos as seguintes músicas: Snake drive, Tribute to Elmore, West Coast Idea. O segundo traz Draggin' my tail e o terceiro Miles road. Em 1971 a RCA lançou um LP intitulado Guitar Boogie, com as mesmas gravações da antologia Blues Anytime, mais faixas de Jimmy Page e Jeff Beck com o suporte dos All Stars.
Jimmy Page também participou de discos de Mickie Most, então cantor, e considera que dois de seus melhores solos estão nos compactos
 Sea cruis/It's a little bit hot e Money honey/That's alright (ele sola no lado A de ambos os compactos), respectivamente lançados em janeiro e abril de 1964.
É em junho de 1966 que Paul Samwell-Smith decide deixar o grupo. Jimmy Page recorda: (...)
 Aparentemente, Keith Relf estava muito bêbado e caindo sobre a bateria, fazendo muito barulho e dizendo Fuck you ao microfone - um anarquia geral. Acho que Paul estava um pouco envergonhado... Ele veio de uma família muito abastada. Eu fui aos bastidores e falei: Que show brilhante!. Eles estavam conversando... Paul falando: Bem, eu vou deixar o grupo, e se fosse você, Keith, faria a mesma coisa. Mas Keith Relf não o seguiu na decisão.
Jeff havia me levado ao show em seu carro e no caminho de volta eu lhe disse que ficaria no baixo até que eles ajeitassem as coisas.
Assim, Jimmy Page assumiu o baixo, mas somente até Chris Dreja aprender a lidar com o instrumento. Com a bagagem de duas horas de ensaio fizeram a primeira apresentação no Marquee com Jimmy Page como quinto membro. Sobre essa primeira apresentação, disse:
 Logo que comecei a tocar, vi logo que tudo correria bem.
A mudança
 (do baixo para a guitarra) foi mais rápida que o planejado... Gosto de tocar baixo, mas a guitarra sempre foi a minha paixão. Nós iríamos tocar no Carrousel Club e, como Jeff não podia, fiquei na guitarra e Chris no baixo (...). E quando Jeff se recuperou, havia então dois guitarristas-solo.
A dupla inaugurou fato inédito na história do rock. Pela primeira vez uma banda trazia dois guitarristas-solo, ao invés de um trabalho a parte rítmica. No caso, eram duas guitarras trabalhando
 riffs. Beck e Page, juntos, exercitavam a genialidade, aumentando a capacidade criativa do grupo, o que tornava quase obrigatório e muitíssimo esperado LP. Sobre essa fase, Page declarou à revista Guitar Player: Às vezes fazíamos coisas realmente ótimas, às vezes não; houve um monte de harmonias que acho que ninguém fez como nós. Fazíamos sempre mais solos que ritmos (...) Mas aí veio a questão da disciplina. Se você vai fazer um duo de guitarras - solo, os riffs devem ser combinados, e têm de estar tocando a mesma coisa. Jeff Beck tinha disciplina ocasionalmente, mas era um músico inconsistente nos solos quando no palco. Ele é provavelmente o melhor, mas naquela época e por um período depois, não tinha qualquer respeito pelo público. (...) No Over, under, sideways down, Jeff Beck gravou apenas os solos, porque a banda estava tendo muitos problemas com ele. Mas quando juntei-me ao grupo, ele já não estava tão distante... É estranho: se tivesse tido um mau dia, jogava tudo na platéia (...).
Com Jimmy Page no baixo, os Yardbirds apareceram numa sessão na BBC, tocando
 Smokestack lightining. Já com Jimmy Page na guitarra, o grupo gravou o compacto Happenings ten years time ago/Psycho daisies (o lado B do single americano era diferente). O compacto foi recebido com entusiasmo pela crítica, que mostrava-se particularmente interessada na produção de sons que a dupla arrancava de seus instrumentos, com sirenes de polícia. Sobre o lado B (Psycho daisies), escreveu um crítico americano: Diálogos de guitarra entre Jimmy e Jeff, vocais pouco extensos, todo o disco indica uma excepcional jam-session.
O entusiasmo com que foi recebido pela crítica não impediu que o compacto fosse tremendo fracasso - e o curioso é que um pouco mais tarde uma band da Califórnia lançou um plágio descarado da música,
 Pycho Caotic, e foi enorme sucesso...
Em 1966, o grupo é convidado para uma pequena participação no filme "
Blow-Up" e, o que seria uma ponta, transformou-se num dos pontos altos da fita. Numa cena fulminante, onde Jeff Beck literalmente arrebenta a guitarra a chutes e golpes contra o chão, atirando-a em seguida ao público ávido de energia da década de 60, enquanto a música não pára e Jimmy Page é focalizado ao acaso, tocando baixo (a música possuía duas guitarras). A canção (Stroll on) foi lançada no LP que contém a trilha sonora do filme, aumentando a já bastante sólida reputação do grupo nos Estados Unidos, que ocorria principalmente devido aos shows, sendo que Jeff Beck continuava sendo a atração maior graças à sua espetacular performance em canções como I'm a man, quando tocava a guitarra com apenas uma das mãos!
Nesse mesmo ano, Jimmy e Jeff unem-se a Keith Moon, John Paul Jones e Nicky Hopkins num pequeno estúdio e gravam
 Beck's Bolero, um arranjo de Jimmy Page baseado no Bolero de Ravel. Keith Moon estava em crise com o The Who e os músicos desejavam formar uma banda, mas nada aconteceu, a não ser Bolero. Jeff Beck lembra que Keith Moon despedaçou um microfone de duzentos e cinqüenta dólares com um só golpe. A gravação começou às dez e por volta do meio-dia os trabalhos estavam concluídos. Os tapes, no entanto, foram engavetados e somente lançados em 1967, como lado B do primeiro compacto-solo de Jeff Beck. Sendo que mais tarde foi incluída no álbum Truth, seu primeiro solo, com a lacônica observação: Perdoem-nos por não termos podido melhorá-la.
Beck's Bolero, apesar de tudo, é uma magnífica obra-prima, cheia de harmonias poderosas e um belo
 slide, bruscamente interrompido por vigorosos piano e bateria, sempre sustentados por um baixo tranqüilo e seguro. Jimmy conta: Ainda que Jeff Beck diga que foi ele quem a compôs, fui eu seu autor (Nota: Jeff Beck nunca declarou ser o autor de Bolero. No LP "Truth" consta a autoria de Jimmy Page.
Eu toco uma guitarra elétrica de doze cordas e Jeff Beck as partes de
 slide. Fico basicamente nos acordes.
Nesse mesmo ano, os Yardbirds retornam À América para nova
 tour, mas termina como quarteto, pois Jeff Beck repentinamente adoece e fica internado em um hospital de Los Angeles. É quando Jimmy Page assume a liderança do grupo a tal ponto que Keith Relf declarou: Jimmy tem estado muito bem... mexendo-se loucamente nos shows. É a primeira vez que o vejo esfarrapar-se assim em palco. E Jim McCarthy:É um conservador, mas fica louco quando se vê sobre um palco.
À revista Hit Parader, Jimmy Page opinou sobre a sociedade de transição que presenciava e que era onde vivia, quando lhe perguntaram se havia percebido muita diferença entre a juventude americana e a inglesa...:
 Os americanos são um pouco limitados. Neste momento (1966), os ingleses são completamente liberais. Esse não é o conceito original que faria dos ingleses, não é? Podemos chocar as pessoas na América facilmente; e se as pessoas se chocam facilmente o problema é delas. Deviam abrir suas mentes. Na Inglaterra pode-se andar nu pelo meio da rua sem chocar seja quem for; poderiam achar que deveríamos ser retirados dali, mas não nos agrediriam; e também há a idade: pode-se casar aos dezesseis anos. As atitudes são completamente livres, o que pode-se ver pelas roupas. As pessoas andam do modo mais ousado possível; estão a quebrar correntes de uma sociedade que não existe mais. Provavelmente, isso faz da Inglaterra um país decadente, mas o que importa? (...) Acredito que isso seja a previsão do fim da sociedade - mas não quero saber. Estarei morto antes do fim. Se chegamos a este ponto em cinco anos, creio que algo acontecerá nos próximo cinco. Gostaria que a nova sociedade fosse pacífica, mas não será, porque a violência parece ser a resposta para todo o tipo de problema. Creio que todos os grupos rebeldes a experimentam fisicamente. Um jovem passeia por aí de cabelos compridos, alguém o provoca, ele responde de um modo um pouco duro, o que eles não esperavam; não conseguem responder e tudo acaba com os punhos. Que espécie de mentalidade é esta? Não posso discutir com pessoas deste gênero. Deve ser terrível ter de lutar numa guerra. Nunca me vi obrigado a pensar realmente sobre as guerras. Nunca tive de as enfrentar realmente; apenas vi seus horrores.
Ainda em 1966, Jimmy Page faz sua primeira grande excursão inglesa com os Yardbirds: um pacote que trazia os
 Rolling Stones como carro-chefe, mais Ike & Tina Turner, entre outros. Foram semanas de trabalho duro...
Após a excursão, seguiram para os Estados Unidos para mais algumas semanas de shows, regressando à Inglaterra em finais de novembro, mas já com datas acertadas na Austrália e Oriente, em janeiro.
Neste momento, novo golpe abala o grupo: Jeff Beck, por razões que todo mundo sabe mas que ninguém conhece, é despedido e o grupo não demonstrava interesse em colocar outro guitarrista em seu lugar. Se o abalo foi grande, nem deu tempo para sentir, pois eles já tinham se mandado em 25 de dezembro para uma excursão americana e cumprimento de eventuais contratos. Keith Relf e Jim McCarthy declararam (não se sabe se em uníssono) que Jeff Beck estava cansado e chateado, não conseguindo produzir coisas realmente boas, e Jeff Beck comentou que o grupo era feito de gente muito séria e que era obrigado a impressioná-los o tempo inteiro. Algum tempo depois, confessou que não queria estar com eles, como poderiam tocar juntos?
Sem Jeff Beck, a banda continua na estrada da década de 60, e em abril de 1967 é lançado o compacto
 Little games/Puzzles (Columbia DB8165). O lado A é uma composição simples, onde Jimmy Page sola de modo despojado e sem grandes firulas. A falta de Jeff Beck é muito sentida, então, e o riff repetido quase à exaustão demonstra certa perplexidade da banda ante sua ausência. O lado B, no entanto, é mais interessante e criativo, terminando com magnífico solo de Jimmy Page, com bastante influência oriental, além de um interessante trabalho de base.
O sucesso do grupo fica por conta de um
 Greatest hits, que limpava o caminho par ao próximo álbum. Little Games é lançado em maio de 1967, o terceiro LP oficial e o primeiro com a participação efetiva de Jimmy Page. Trata-se na verdade, de gravações e ensaios que o grupo não pretendia pôr à venda. O lado A trazia: Little games/Smile on me/White summer/Tinker, soldier, tailor, sailor/Glimpses. Lado B:Drinking Muddy Water/No excess bagage/Stealing, stealing/Only the black rose/Little Soldier Boy. Está última é um dos melhores momentos do LP embora soe como um Led Zeppelin mais pesado. A guitarra de Page flui solta, e o resto do grupo está muito à vontade. A canção está cheia de novas idéias, tendo inclusive um bonito diálogo entre a bateria de Jim McCarthy, o baixo de Chris Dreja e a guitarra de Jimmy Page. Não há exageros por parte de nenhum dos músicos e a música termina bastante melodiosa, após alguns segundos de simulada e intrigante hesitação.
O LP foi lançado somente nos Estados Unidos e a novidade era Mick Most na produção. Sobre as gravações, Jimmy Page declarou à revista Guitar Player:
 Eram caóticas. Nós tocávamos uma parte e eu não sabia o que era. Tínhamos Ian Stewart ao piano (dos Rolling Stones) e terminamos o take. Sem sequer termos ouvido o que tocamos, Mickie Most disse: A próxima música e eu comentei: Eu nunca trabalhei assim na minha vidae ele respondeu: Não se preocupe com isso. Estava tudo sendo feito rápido demais...
No mês de lançamento do LP, os Yardbirds encontravam-se na América para quatro semanas de shows. Pouco antes, haviam retirado de circulação o primeiro disco ao vivo do grupo gravado no Anderson Theater nos Estados Unidos, pois haviam ficado insatisfeitos com a qualidade do som. Em setembro de 1971, a EPIC o relançaria sob o título
 The Yardbirds with Jimmy Page at the Anderson Theater, mas Jimmy Page rapidamente interveio e o disco foi novamente retirado de circulação.
Se você tivesse ouvido aquele álbum, saberia porque nós não permitimos seu lançamento. O que aconteceu foi que a
 Epic nos perguntou se poderíamos fazer um disco ao vivo e combinamos que, se os resultados fossem satisfatórios, eles poderiam lançá-lo... Mas, se não, eles deveriam engavetar os tapes. (...)
Mas, claro, os resultados foram péssimos. Ficou parecendo a
 Música do Manuel das Montanhas, e o concerto em si foi ruim. (...) Então nós fomos ouvir os tapes e a cada solo havia aqueles urros que vemos em touradas, o que era simplesmente medonho. Você tocava um solo e então aquele imenso RAAH vinha sobre você. Num dos números em que supostamente deveria haver silêncio, foi posto um clima de clube.
Mickie Most estava mais interessado em produzir compactos de sucesso do que um LP coeso, e acabou não conseguindo nem um nem outro. Isso contribuiu bastante para apressar o fim da banda. Jim McCarthy e Keith Relf compunham juntos coisas bem diferentes do repertório dos Yardbirds e que queriam gravar mas não dentro da banda. Jimmy Page comentou: As gravações apressadas e mal terminadas levaram Keith e Jim à depressão, querendo terminar, acabar com o grupo. Eu tentei fazê-los mudar de idéia (...) Eu estava doido para fazer alguma coisa, com muita vontade mesmo. Eles eram pessoas com talento. Mas agora Jim e Keith estavam compondo coisas no estilo Simon & Garfunkel.
Do LP ainda foram lançados em compactos (somente nos Estados Unidos)
 Ten little indians/Drinking Muddy Water; Ha-Ha said the clown/Tinker, tailor (junho de 1967) e Goodnight Sweet Josephine/Think about it,que foi rapidamente retirada de circulação devido à insatisfação do grupo.
A última apresentação radiofônica da banda se dá por essa época, no programa BBC Top Gear e em julho de 1968 acontece a dissolução com a saída de Keith Relf e Jim McCarty, encerrando em definitivo a carreira dos Yardbirds no cenário musical.

dave

The Dave Clark Five e Herman's Hermits podem ter vendido mais discos, mas, no período de 1963 a 1968, os Yardbirds fizeram uma das músicas mais originais dos anos 60 - um grupo cuja influência e presença vai ser sentida e vista em tudo que vier mais tarde. Lenny Kaye - Guitar Worls, 1981).

* A carioca Cláudia Barata é  guitarrista-carioca, cultora ortodoxa do blues e dos Yardbirds. Seus textos são repletos de minúcias e embasamento. Sua formação histórico-humanista acrescentava um padrão de elegância ao fanzines.        Ela colaborou por vários anos e foi importantíssima nessa fase intermediária e selvagem enviando-nos gravações, partituras, fotos e textos; ela chegava à perfeição de enviar as matérias datilografadas e composta por fotos. Sem seu esforço não teríamos chegado aos três números seminais deste fã-clube dedicado aos "enjaulados". Sucesso absurdo de crítica e público.

** Texto originalmente publicado no fanzine Rock'n'Roll News. Nº15. 9 de julho de 1986. Guará Rock City.

zzz1795

*** The Yardbirds, "Little games" não foi o último urrah! Em 1992, os membros originais dos Yardbirds, Jim McCarty, Chris Dreja e o novato John Idan, contrabaixo e vocais; realizaram um concerto em Londres, tocando vários clássicos. Alan Glenn substituiu Laurie Garmen na gaita. Em 2000, Os Yardbirds apresentaram-se pela Europa e América. Como The Yardbirds Experience, reunindo Jim McCarty, bateria, Noel Redding, contrabaixo, e o guitarrista Eddie Phillips gravaram um álbum de covers cuja sonoridade soaria como se os Yardbirds não tivessem se separados... Finalmente, em 2003, os Yardbirds, lançaram o seu primeiro álbum de estúdio desde 1968, apropriadamente batizado de "Birdland"! 

 

Articles View Hits
7010122

We have 462 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro