Salão de Arte Mostra Paulo Iolovitch

 


convite

124 trabalhos dispostos em 4 paineis de 230 x 230 contendo 25 quadros cada...
Mais 24 obras diversas das décadas de 80 e 90, além de séries e trabalhos inéditos e encomendas recusadas!

Salão de Arte Mostra Paulo Iolovitch

“...grudar pedaços de papel-jornal numa superfície é tão arte plástica, e tão importante, quanto grudar pigmentos de tinta numa tela, ou reunir, para formar uma ideia, elementos estruturais”.
(in RASM - Revista Anual do Salão de Maio, 1939)

Não, não foi a última valsa... queriam escândalo para burguês e suruba
por Mário Pazcheco

Nosso Salão de Arte surgiu em referência aos Salões de Maio provocados pelos modernistas. O Salão de Arte poderia ser um acontecimento extraordinário, se por um momento, fossemos capazes de esquecer nossa necessidade de ganhar dinheiro, afinal o dinheiro justifica qualquer loucura.

Pretensamente, o salão de arte nada mais era do que a tentativa de reproduzir um ambiente de cultura e intelectualidade que os modernistas experimentavam.

Lembre-se! Geralmente a iniciativa individual sofre empecilhos que interferem no resultado coletivo. Podemos enumerar situações como estrangulamento da cidade e sua falta de meios de transporte, o mês de dezembro das chuvas, férias, compromissos, operações, interesse reduzido e divulgação precária.

Deveríamos estacionar? Em festas do mesmo período e lançamentos literários no centro da cidade atraíram mais gente?

Quem ousa colhe insatisfação?

Colhido ainda pelo impacto eu vivia alegria e satisfação: a proposta do salão pode virar um clube, a mostra pode ir para outros lugares, tudo pode virar consumismo de shopping. Até nossas emoções.

O Salão de Arte é um círculo aberto que precisa ser focado.  Além de contar com a presença de Paulo Iolovitch o maior gerador de ícones da galeria Brasília, contamos com o registro oficial do fotógrafo Marcus Valderato que com seu incrível profissionalismo  conseguiu espaço na sua agenda profissional para reforçar o time de competentes artistas que se reuniram para homenagear Paulo Iolovitch através das imagens, sons e palavras. Agradecemos a Marcus Valdetaro pelo apoio irrestrito às artes e à aventura do produzir cultura num horizonte cada vez mais árido.

iol


Dada

No Dada tudo ocorre ao mesmo tempo: poesia, teatro, música e artes plásticas. Foi um movimento que chegou ao extremo, onde os comportamentos eram provocativos com o intuito de chocar e romper a complacência de um público que vivia dos valores tradicionais. O Dada foi a primeira manifestação de "anti-arte" deste século, refletindo, naquele momento, um desentendimento de saturação cultural, de crise moral e política, que surgiu devido à I Guerra Mundial, contra a qual alguns artistas reagiram com ironia, cinismo e nihilismo anárquico.
O Dada surgiu em 1916, em Zurique, com a fundação do cabaré Voltaire, pelo filósofo e romancista Hugo Ball, onde eram apresentados espetáculos de variedades com participantes ativos, tais como Jean Arp, Tristan Tzara e Richard Huelsenbeck. É lá que pela primeira vez aparece impressa a palavra Dada.
Ball também fundou a Galeria Dada, inaugurada com a exposição do grupo ligado à revista expressionista A tempestade/Der Sturm. Um movimento independente similar surgiu em Nova York, em 1913, liderado por Marcel Duchamp, Francis Picabia e Man Ray. Em 1918, os dois movimentos se cruzaram quando Picabia foi a Suíça. Após o fim da guerra, o Dada se irradiou na Alemanha com artistas como Max Ernst (fundador do clube Dada de Colonia), George Grosz, Jef Golyscheff (clube Dada de Berlim) e Kurt Schwitters (clube Dada de Hannover). Em Paris, entre 1919 e 1922, o Dada foi palco de muitas querelas entre seus membros, acabando por dissolver-se. Seus princípios destrutivos faram modificados gerando o surgimento do Surrealismo em 1924.


Leo
Leonardo Saraiva: hercúlea dedicação à música

A música,  a parte importante da descontração ecoou pelo salão transbordando os ouvidos com inspiração.

Silenciada a música, uma ébria e alegre conversa literária levou  nomes de Roberto Piva, Gregory Corso, João Gilberto Noll, Rimbaud e Ezra Pound próximos do nascer do sol. Sentados ou altos,  Isabel Corgosinho, Henita, Carlinhos Guimarães e Pazcheco.

Hugo
Hugo Pereira: ativismo social

Miragens: reencontros e presenças

Abriram o cerimonial: Souves, Ulisses e Beirão, Ana Paula e seu filho Michael Iolovitch.
Fecharam as cortinas: Hugo Pereira, Carlinhos Guimarães, Edson Salazar, o Imperador;. Rute, Isabela e Andrea Brito.

Cerimonialistas indispensáveis

Jihan, Lara & Laura Arar e Rosângela Menezes: she's a rainbow

rainbow

Apoio Cultural: www.estudiovaldetaro.com.br

Serviço

Sexta-feira, 16 dezembro de 2011
Às 18 horas


Produção: Rosângela Menezes
Cenário: Reginaldo
Som e Iluminação: Leonardo Saraiva
Todas as fotografias: Marcus Valdetaro
http://valdetaro.wordpress.com/2011/12/19/salao-de-arte-mostra-paulo-iolovitch/
Especulação: Mário Pazcheco

Filosofice de Iolovitch

Não se pode adivinhar o futuro.

O que eu faço é importante.

Não insista, desista!

Recadinho do 'de Veras'

"Sempre com os undergrounds né?
Cara, gostaria muito de ir, adoro o Paulo, a pessoa e o trabalho,
mas sexta comemoro meu 'níver' no Kareqa, em Taguá.
Se aí acabar cedo desce pra lá. A balada começa às 21 e vai até às 3.

Abrá...". (Gérson De Veras)

 

logodopropriobolso
Véspera

arquivos
Como um faminto no templo do consumismo

Plano Piloto, noites cênicas na sua asa sul.

Não por acaso, escolhi três bares para panfletar o Salão de Arte.  
O jogo é rápido,  os faróis dos automóveis cruzam as curvas.
Não há tempo para apresentações, afinal o lance é rápido.

Na 109S, no primeiro bar, meu cartão de banco não é aceito, pelo cinismo, eles pedem desculpas por não aceitá-lo.

Cartão da opressão

O gerente de marketing do armazém sacou seu cartão de apresentação que representava um acordo de servilismo já! 
Instantaneamente uma sensação de falta de dignidade me atormentou.

O curto assunto não era sobre patrocínio, partiu dele a ideia de expor os painéis.
A paga? Eu ficaria feliz em  trabalhar para outrem.

Atrás de patrocínio, os artistas bajulam estas mentes gananciosas? 

O gerente pegou a caneta do
maître e eu anotei meu telefone no panfleto do Salão de Arte.

Escadas abaixo já, o homenzinho me indagou:
— A caneta ficou com ele?
Ao que respondi, —
Se eu tivesse pegado a caneta na tua mão, ela teria sido devolvida.

Na 506S, no último bar, a mesma sensação: o mar não está bom para quem tem que vender seus peixes.

Nessa escapada das vias de fato, eu estava apto a abrir as cortinas...

ando muito sensível...

No início da semana, fui ao lançamento de um livro...
Para minha infelicidade, eu comentei que algum dia, eu concluíria o documentário
“Tropicaos”.
— Você tem que se “associar”. Esse conselho me alijava da manutenção e do material filmado por mim.


colagem

após pintar

 

mq_1amq_per_amq_0amq_0amq_0amq_per_amq_0amq_0amq_0a

de quadros pensou em se aposentar

O pintor e desenhista Paulo Iolovitch nasceu em São Paulo e depois de passar alguns anos em Porto Alegre, reside há 48 anos em Brasília.

Iolovitch já pintou um milhão de quadros e comercializa suas telas em varais/jornais espalhados pela 303S ou na Praça Vermelha no Conic.

 


 

 

 

Articles View Hits
6905576

We have 743 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro