Mulher de Sarasota contando a história de Charles Manson

killer

 

Imagem 4/58: Foto divulgada pelo Departamento de Correções da Califórnia, nos Estados Unidos, mostra o serial killer Charles Manson, 77. Manson é responsável pelo assassinato da atriz Sharon Tate, em 1969, e líder de uma seita nos Estados Unidos. Ele terá, em 11 de abril, uma audiência para tentar a liberdade condicional. Até agora, todos os pedidos anteriores foram negados. A última audiência ocorreu em 2007 Departamento de Correções da Califórnia/AP
http://noticias.uol.com.br/album/album-do-dia/2012/04/05/imagens-do-dia---5-de-abril-de-2012.htm?abrefoto=4
Imagem : Foto divulgada pelo Departamento de Correções da Califórnia, nos Estados Unidos, mostra o serial killer Charles Manson, 77. Manson é responsável pelo assassinato da atriz Sharon Tate, em 1969, e líder de uma seita nos Estados Unidos. Ele terá, em 11 de abril de 2012, uma audiência para tentar a liberdade condicional. Até agora, todos os pedidos anteriores foram negados. A última audiência ocorreu em 2007.
Departamento de Correções da Califórnia/AP
http://noticias.uol.com.br/album/album-do-dia/2012/04/05/imagens-do-dia---5-de-abril-de-2012.htm?abrefoto=4

 

Mulher de Sarasota contando a história de Charles Manson

Traduzido por Révero Frank do Herald Tribune

 

bilde
Heidi Ley segura um livro sobre Charles Manson em sua fazenda, ela está trabalhando em seu próprio livro sobre o caso Manson. Dos cerca de 160 livros escrito sobre Manson, ela leu quase metade. “Muitos deles são ruins” diz ela.


SARASOTA – Cartas de fãs para Charles Manson vêm de lugares distantes como Alemanha, em cartões postais ou folha de caderno; todos buscando um contato pessoal com o possível condenado mais notório da história americana.

Uma jovem de Louisville, Ky. (Kentucky), próxima de seus 25 anos com ansiedade. “Percebo agora que tenho pouco controle sobre minha vida,” ela confessa, “isso pode ser muito assustador”

Um homem que se identifica como ex-policial diz “alguém na Pensilvânia está rezando por você”

Um admirador em Pequim praticamente sem fôlego, como se estivesse em um oráculo: “Suas palavras sobre a estupidez humana estão se tornando realidade”

Quinze cartas estão guardadas em um grande envelope branco na cozinha da casa de Heidi Ley. Têm o carimbo da prisão Corcoran na Califórnia.

Manson escreveu seu nome no destinatário e remetente na cor verde com uma caneta ponta de feltro, e incluiu uma breve nota em amarelo desejando “Feliz Dia das Mães”. Mais pra frente olhando-a Deixe-me saber quando.”

Ley está no primeiro nome cuja imagem é sinônimo de assassino psicopata. Ela o chama de Charlie. Ela diz, “Charlie recebe tantas cartas, ele lê e passa para outros detentos. “Às vezes envia para Heidi. Que tipo selvagem, não acha?

Ele é tão selvagem que seu marido, Alex Ley, não se preocupa em atender o telefone. Ele deixa Heidi atendê-lo. Porque pode ser Manson. E de novo. Ele não quer falar com o cara.

Ainda, o encerramento está sob uma análise financeira da qual está aguardando o sonho de se tornar uma escritora, até mesmo como biógrafa, a qual penso que está perdendo a cabeça em seus anos de odisséia Manson, temo que ela foi um pouco enfeitiçada por ele.

Heidi Ley com um sorriso estremecedor não está nem aí para esse tipo de crítica. Insistindo em dizer que está tudo sob controle. Diz que a última palavra do seu manuscrito será o pesadelo Helter Skelter (tobogã em espiral, brinquedo comum em parques de diversões inglês)


Fascinação por Manson

 

Ley nasceu em 1968, muito jovem para se lembrar quando do culto de Manson com jovens hippies iniciaram a matança de sete pessoas, incluindo a mutilação da grávida atriz Sharon Tate no sul da Califórnia.

Manson nunca sangrou suas mãos nos massacres residenciais de 08 e 09 de agosto de 1969, que veio a ser conhecido como os assassinatos Late-Bianca. Mas foi condenado em 1971 por conspiração, ocupando um lugar único como mentor da situação.

Teatral, hipnotizante, e propenso a agressão quando dos flashes das câmeras; ele foi historiado por volta de 160 livros, pela contagem de Ley. Ela diz que já leu 80. “Muitos deles são ruins”.

Não importa – o apetite dos consumidores é voraz.

Autógrafos, CDs com suas músicas e até mesmo sandálias estão disponíveis para compra on-line, entrevistas memoráveis com Tom Snyder, Geraldo Rivera e Charlie Rose, citações igualmente memoráveis: “Você sabe, há muito tempo estar louco significava algo. Hoje em dia todo mundo é louco”.

Canções de Manson foram gravadas por Beach Boys, Guns “N” Roses e White Zombie; sua vida comprimida em redes sociais e documentários. Seu legado foi citado em fóruns ecléticos de uma ópera chamada “The Family” ao animado musical independente Live “Freaky! Die Freaky” ao musical de Stephen Soundheim “Assassins.”

Mais duas biografias – “The Family” e “Manson Girls” – estão em produção para este ano.

Para o crítico pop cultural Robert Thompson da Universidade Americana de Syracuse, o fenômeno Manson não pode ser explicado somente pelo assassinato brutal de uma celebridade nas letras de “Helter Skelter” do álbum branco dos Beatles de 1968.

Mas por um lado, “Thompson diz ”esse cara é acessível”. Ele fala com as pessoas. Concede entrevistas. Está nos noticiários.

De fato, Manson, 77 anos, foi manchete em fevereiro enviando mensagens de texto e ligações de celular da prisão sem autorização. Um mês antes, o controverso advogado italiano Giovanni di Stefano – o qual defendeu Saddam Hussein e Slobodan Milosevic – anunciou suas intenções de representar Manson.

E em abril, Manson disse a uma revista espanhola que o presidente Obama foi “um escravo da Wall Street” e lamentou a falta de um esforço concentrado para combater o aquecimento global.

Mas o fascínio real, diz Thompson, é mais insidioso.

Odeio usar essa palavra, mas há um aspecto cômico no que ele diz. É quase como ouvir Charlie Sheen. A principio parece loucura, mas se escutá-lo por algum tempo com o uso das metáforas, soa tão literal que começa a fazer um certo sentido.

Ley sabe exatamente o pensamento de Thompson. Quando se viu cara a cara com a estrela mais infame do rock, o pedido de Manson foi tão surpreendente que ela não pôde deixar de rir. “Ele disse: ‘preciso de mais produto para o cabelo’”.


Um olhar crítico

 

Quando ela estava crescendo na zona rural de Washington Courthouse, Ohio; Heidi Ley e sua melhor amiga gostavam de assustar uma a outra durante o filme “The Shining (O iluminado)”, “Hell Night (Noite de Inferno)” e as sequências de “Friday The 13th (Sexta-Feira 13)”.

O projeto salvador de Manson é apoiado por um grupo de ambientalistas da Califórnia chamada ATWA (Air (ar) Trees (árvores) Water (água) Animals (animais)), o diretor é um homem chamado Gray Wolf. Ele se recusou a falar com o Herald-Tribune. Ley decidiu fazer movimento voluntário para a ATWA.

“Tudo sobre Charlie é questão de confiança”, diz ela. “Ele sempre foi um gigante em relação a questões ambientais”.

A principal contribuição de Ley envolveu pesquisar que tipos de sementes de árvores são as mais adequadas para as diversas regiões dos EUA. Ela iria viajar a Califórnia, encontrar Gray Wolf, e confraternizar com os associados que atestariam a credibilidade dela.

“Quando fui a casa de Gray Wolf e conheci todos os seus amigos, aquilo foi definitivamente estranho. Era como estar em um filme,” lembra ela. “Foi uma espécie de cena hippie, como nos anos 60. Eu nunca fiquei preocupada com Charlie. Estava mais preocupada com seus amigos”.

A pesquisa de Ley a levou a cinco filhos da dispersa família biológica de Manson, dos quais um teria cometido suicídio. Outro, Mattheus Robert, concordou em contribuir em um capítulo de seu livro. Author Matera está impressionado com sua tenacidade, e diz que a descoberta de um quinto filho pode ser a parte mais intrigante de sua pesquisa.

“Quero dizer, você pode se imaginar sendo um dos filhos de Manson?” ele se pergunta. “Você seria capaz de se olhar no espelho, sabendo que tem esses genes, se perguntando se está indo matar Britney Spears ou Jessica Simpson?”

Ano passado ela foi aprovada para uma visita à prisão. Ela colocou seu nome na lista de convidados de um dos amigos de Manson, Frank Reichard, para contornar a burocracia.

Em agosto de 2010 ela dirigiu um carro alugado indo rumo ao norte de Bakersfield, depois de 90 km de mata e deserto, ela acabou nas cercas de arames farpados e torres de vigilância da prisão estadual de Corcoran, a última parada para o assassino em série Juan Corona, Sirhan Sirhan assassino de Robert Kennedy e “Wall Of Sound” assassino do produtor Phil Spector.


Aquele velhinho

 

Ley encontrou Gray no local, deixou seus objetos com as autoridades e passou pelo detector de metal. Foram colocados em um ônibus o qual se deslocou por 10 minutos até chegar nas unidades do presídio, passaram por um segundo detector. A unidade de Manson é de segurança máxima total tendo em vista se tratar dele e de alto risco, uma vez que foi molhado com tiner e incendiado por um companheiro em 1984.

Ela foi escoltada por um guarda armado através de duas portas duplas por um longo corredor em área aberta com mobiliário e máquinas vending machines (aquelas com refrigerantes, salgadinhos, etc...). Alguns presos com suas famílias. Frank Reichard passeou e conversou um pouco.

Manson chegou 15 minutos depois, vestindo o uniforme laranja da prisão. Com uma suástica quase no nível dos olhos, Ley ficou surpresa com “aquele velhinho” com a barba grisalha e um colar no comprimento do cabelo e seus 1,57m. Ele perguntou a ela: “Como foi a viagem?”. O encontro foi tranqüilo. Ele falou em voz baixa, principalmente com Gray Wolf. Ley disse que estava disposta a apenas assistir.

“Eu disse a ele sobre o livro o qual respondeu: ‘Contato que você coloque informações sobre a ATWA, isso é tudo que me interessa’”.

Ela deu a ele seu endereço e telefone. O primeiro encontro durou cerca de 30 minutos.

Com a ponte estabelecida, Ley voltaria a Corcoran em novembro de 2010, e novamente em fevereiro deste ano para comparar as anotações. Entre as visitas, ele enviaria cartas e ligaria para ela, geralmente entre 10 e 11 da noite. Às vezes ele passa meses sem telefonar, em outras, faz três ligações seguidas.

Na maior parte, diz ela, Manson fala sobre o meio ambiente. “Ele não é religioso”. “Mas fala muito sobre Deus, sobre como as pessoas só querem e querem e não retribuem, e terão que ter responsabilidade perante o Senhor algum dia”.

Alex Ley diz, “Eu ouvir ela conversando com ele é bizarro. Não é exatamente o que sonho minha esposa fazendo. Não é algo que levo pras conversas com amigos”.

Mas aprendi a não subestimar Heidi. Ele continua superando minhas expectativas.

Ley diz que sua pesquisa não faz nada para refutá-lo como um manipulador desajustado. Também diz que não é um assassino enlouquecido. “Ele está encarcerado mais que sua vida, não acho que deva ser liberado sob custódia”. “Mas também acho que ele não pertence a prisão”

Ley diz que seu principal objetivo é provar que a teoria Helter-Skelter de Blugiosi é falsa. Ele fez o teste do polígrafo em todos os suspeitos, menos Manson, pois sabia que este iria passar.

Em uma série de mensagens de voz para o Herald-Tribune, Blugiosi argumenta que um teste de polígrafo para Manson seria contraproducente.

Manson era um sociopata, e sociopatas normalmente tendem a mentir com o detector, porque eles sentem que não fizeram nada de errado, diz.

Tem que haver alguma ansiedade sobre o que você está dizendo, que você está dizendo uma mentira, mas não resposta fisiológica interna que flagre, pois eles não têm sentimento de culpa sobre o que fizeram.

Manson provavelmente passaria no detector de mentiras. Hitler provavelmente passaria no detector de mentiras.


Encerrando o livro

 

Heid Ley terminou seu manuscrito e está colaborando com Dan Ghostwriter Simone de Nova Iorque. Simone está terminado um projeto com Henry Hill – os “Goodfellas” mafioso que virou informante do FBI – no infame roubo a companhia aérea Lufthansa em 1978. Ele pretende transformar o projeto em um roteiro dois em um, ou, talvez uma trilogia de livros intitulado “Charle’s Manson Final Say (Ao final Charles Manson falou)”.

Simone diz que concordou em trabalhar com Ley por causa de sua “notável pesquisa”. Ela descobriu fatos que eu não acho que as pessoas envolvidas na detenção e acusação estavam conscientes. Ele quer desenvolver um drama de não ficção na linha de Truman Capote “In Cold Blood (A Sangue Frio)”.

Se Ley obtiver êxito, será qualificada como uma das grandes improváveis carreiras produzida pela grande recessão.

E ainda, mesmo depois de dominar todos os detalhes dos assassinatos Tate-LaBianca – “Eu sei dos crimes como a palma de minha mão”, diz ela – Ley fica distante de conversação. Os membros da família nunca perguntam sobre essa sua obsessão nesses três anos. Não é conversa para um coquetel. Do inicio ao fim, sua pesquisa sobre Mason tem sido como uma empresa onde guarda informações, mas no final pode ser exclusivamente pessoal.

Esta tem sido a melhor experiência de aprendizado que tive, diz ela. Acho que a coisa mais importante foi aprender a acreditar em si mesmo. Não dê ouvido a outras pessoas. Todos nós temos um núcleo, só precisamos encontrá-lo.

Mas recentemente, tarde da noite, enquanto estava debruçada sobre o teclado, algo lhe ocorreu. Talvez tenha sido um momento de lucidez, ou algo mais sombrio.

A mulher que investiu anos cultivando a confiança em Mason tinha conseguido o que precisava. Ela não o queria mais em sua vida, assim como Corcoran. Foi tão fácil como clicar no botão de desliga do controle remoto.

Diz Heidi Ley, “eu não quero voltar’.

Articles View Hits
7844049

We have 555 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro