MORRE SUSAN ATKINS, EX-SEGUIDORA DE CHARLES MANSON (2009)

foto_10_susan_atkins

Susan Atkins em foto divulgada pela polícia da Califórnia

Da Redação This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

25 set. / 2009 - Susan Atkins, ex-seguidora de Charles Manson, morreu na noite desta quinta-feira, aos 61 anos, em uma prisão no estado americano da Califórnia.

Com um câncer no cérebro em estágio avançado, ela teve o pedido de liberdade condicional negado no início do mês.

Susan foi condenada à prisão perpétua com outros seguidores da seita pelo brutal assassinato de Sharon Tate, mulher do cineasta Roman Polanski e de outras seis pessoas, em 1969. Sharon, que estava grávida de oito meses, foi apunhalada por Susan até a morte.

Casada há 21 anos com um advogado, ela admitiu na época do crime estar sob efeito de LSD, mas não se mostrou arrependida.


Arquivos Do Próprio Bol$o


Justiça nega pedido de liberdade condicional para assassina de Sharon Tate


Los Angeles (EUA.), 2 set. / 2009  - Um comitê de avaliação da Califórnia negou hoje de forma unânime o pedido de liberdade condicional para Susan Atkins, condenada pelo assassinato da atriz Sharon Tate em 1969 e que atualmente sofre um câncer terminal, informou hoje a imprensa local.


A decisão dos 12 membros do comitê foi tomada no fim da noite de quarta-feira, após uma longa audiência durante a qual Atkins esteve presente, sedada em uma maca, detalha o jornal "Los Angeles Times".

É a segunda vez nos dois últimos anos que essa possibilidade é negada à assassina.

Ela foi condenada a morte junto a outros seguidores do assassino em série Charles Manson pelo brutal assassinato de Sharon Tate, esposa do cineasta Roman Polanski, e de outras seis pessoas em agosto de 1969.

No entanto, a pena mudou para prisão perpétua quando o Tribunal Superior americano suspendeu temporariamente a aplicação da pena de morte em 1972.

Atkins, de 61 anos, foi quem apunhalou a Tate, grávida de oito meses, e argumentou estar sob os efeitos do LSD no momento do assassinato, mas não mostrou arrependimento até uma revisão de sua pena anos depois.

Segundo explicou a própria Atkins às autoridades em 1993, Tate rogou a seus assassinos que deixassem com vida ao bebê que esperava.

"Disse-lhe que não tinha misericórdia dela", respondeu Atkins, segundo suas próprias palavras.

A condenada, que permanece em uma prisão de Chowchilla, passou 37 anos em prisão, mais que nenhuma outra mulher atualmente prisioneira no estado da Califórnia, segundo as autoridades locais.

Hoje dia, além do câncer cerebral que sofre, vive em uma cama com uma perna amputada e outra paralisada. Segundo os médicos, lhe restam apenas alguns meses de vida. (EFE)

 

Articles View Hits
6098384

We have 669 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro