CHELSEA HOTEL: O HOTEL DAS ESTRELAS CADENTES (2011)

O hotel das estrelas cadentes
por Alexandre Borges, Publicado em 10 de Março de 2011  
http://www.ionline.pt/conteudo/109481-o-hotel-das-estrelas-cadentes  

 ethan

Ethan Hawke é uma das presenças nos corredores do Chelsea Hotel na visita de Abel Ferrara


Construído em 1883 e transformado em hotel em 1905, o Chelsea Hotel tem uma história que, na verdade, começa apenas em 1957, quando um cavalheiro chamado Stanley Brad assume a gerência. É graças à política liberal do discreto Stanley, uma espécie de mecenas do século XX que gostava de albergar artistas extravagantes mesmo que estes nem sempre tivessem dinheiro para lhe pagar, que o 222 da Rua 23, na Baixa de Manhattan, se iria tornar um número mágico.

Toda a gente que era alguma coisa na cultura pop das décadas seguintes passou por lá. Das artes plásticas vieram Andy Warhol, Julian Schnabel, Frida Kahlo e Diego Rivera, Robert Mapplethorpe, Cartier-Bresson. Do cinema, Milos Forman, Stanley Kubrick, Dennis Hopper ou Jane Fonda. Das letras, Dylan Thomas, Arthur C. Clarke, Mark Twain, William S. Burroughs, Arthur Miller, Gore Vidal, Tennessee Williams, Tom Wolfe, Charles Bukowsky, Jack Kerouac, Sartre e sua Simone de Beauvoir. Da música, a lista é infindável: Sid Vicious, Iggy Pop, Bob Dylan, Tom Waits, Patti Smith, Janis Joplin, Leonard Cohen, Jimi Hendrix, John Cale, etc. E se Keith Richards não consta dos livros da casa é porque deve ter entrado disfarçado de dragão ou enrolado numa mortalha.

Ok. Vamos concentrar-nos nestes nomes: Vicious, Hendrix, Joplin, Iggy. Exactamente. O Chelsea Hotel era o último sítio onde quereríamos ver os nossos filhos. E o sítio onde eles mais gostariam de ir.

No fundo, cada tempo tem a terra prometida que merece. E o louco século XX, que chutou para canto metafísicas e religiões, cheio de fé nas capacidades dos homens e das coisas deste mundo, foi desembocar à Rua 23, adorar um lugar sagrado onde não havia estátuas de santos, é certo, mas que estava pejadinho de gente a fazer por ficar pedrada para todo o sempre.

Com o beneplácito do bondoso Stanley, os sensíveis artistas não se limitavam a ocupar os quartos por algumas noites; eles viviam lá a tempo inteiro, criando, dando festas, vegetando. Depois, vieram os mitos. Artur C. Clarke terá lá escrito "2001: Odisseia no Espaço" ou rabiscou apenas as primeiras linhas? Terá sido no sossego dos seus aposentos que Kerouac escreveu "Pela Estrada Fora" ou foi, como parece sugerir o título, pela estrada fora?

Entre overdoses que resultaram em hemorragias cerebrais, orgias mais ou menos mitológicas, incêndios acidentais e afins, o Chelsea tornou-se tão célebre que, obviamente, a partir de dado momento, passou a atrair, mais do que gente famosa, anónimos convencidos de que, para pertencer àquele panteão, bastava pagar a renda. E como Dylan Thomas ou Nancy Spungen, a namorada de Sid Vicious, morreram lá, não tardou a vir gente, simplesmente, para subir as escadas e cometer suicídio.

Nos anos mais recentes, o número de estrelas baixou consideravelmente. Do cinema, havia Ethan Hawke em vez de Hopper; da música, Pete Doherty em vez de Hendrix. E isso diz mais ou menos tudo.

É neste ponto decadente que Abel Ferrara vai filmar o Chelsea. O ponto em que a gerência foi entregue a outra gente, gente sem o fascínio que Stanley Brad tinha pelos criadores pop. Muita gente foi expulsa, acabou-se o regime do quarto por tempo indeterminado e acabou-se, obviamente, a magia. O Chelsea ainda está de pé, no número 222, mas é como se o tivessem demolido.

É esta história que Ferrara nos conta num documentário pouco sentimental, que ele não é homem disso, de entrevista em entrevista, recordação em recordação, algumas imagens de arquivo e uma ou outra recriação sem brilho. Não é muito, mas vale por quem tem lá dentro. Exactamente como o Chelsea Hotel. 

Arquivos Do Próprio Bol$o

Chelsea Hotel (NYC): tolerância infinita

Chelsea Hotel: o ninho de amor e drogas de muitos artistas está à venda

 

 

Articles View Hits
6326800

We have 535 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro