Antonio Peticov, o pintor do arco-íris...

 

Antonio Peticov, o pintor do arco-íris...
(Zé BRasil)


     Posso falar, como testemunha de corpo presente, de como o Antonio Peticov fazia a cabeça dos Tropicalistas e de toda a "intelligentzia" paulistana em 68 no apê da Bocha em Higienópolis, onde tanta gente (como José Simão, Walter Hugo Khoury e Péricles Cavalcante por exemplo) se conheceu e trocou idéias com os baianos, que catalizaram-nas na Tropicália. Das noitadas em que ele levava discos (muitos deles do Nico Queiroz) da Psicodelia Californiana do Greatfull Dead, do Jefferson Airplane, da Janis Joplin, do Jimi Hendrix e da Psicodelia Inglesa do Cream, do Who, etc para o Caetano, Gil, Waly, Gal e cia ouvirem no apartamento do Caetano na Avenida São Luiz (que tinha um puta som e uma mesa de ping-pong), de todos os programas "Divino Maravilhoso" na extinta TV Tupi, das rockedelic sessions na casa do Tany, com o Lanny Gordin, Marcelo Aranha, etc.

Outra coisa que fizemos juntos naquela época foram faixas de pano para o Festival do Teatro Paramount onde, na minha casa da Rua Padre João Manuel, o Peticov exercitava um pouco da arte que o tornou conhecido internacionalmente em frases como "Viva o Poder Jovem, abaixo o Poder Velho", em plena época da ditadura linha dura, do AI-5, que depois eram apreciadas e aprovadas pelo Caetano, Gil, Gal e devidamente empunhadas por nós nos dias do Festival.

Aliás foi o Toninho quem me apresentou o Nico Queiroz (que é meu amigo e parceiro até hoje) lá no Bob's da Rua Augusta, onde ele costumava me levar com os tropicalistas para ouvir o Made in Brazil. E os happenings do Grupo Rex lá na Rua Iguatemi, hoje Avenida Faria Lima? E o Poster Shop da Augusta? E o show de bolhas no bar Hi-fi? Esse show psicodélico de bolhas (com acetato, ecoline e retro-projetor) era demais: a gente tomava hi-fi e ouvia "IN-A-GADDA-DA-VIDA". Dos outros shows que ele promoveu, inclusive como empresário dos Mutantes, só soube por livros e relatos de pessoas. Lembro também dos desenhos altamente psicodélicos do "careta" Alan Voss, do café da manhã com chá de cogumelos no Festival de Iacanga em 1975 e do arroz integral do quiosque natural no dito cujo... do Gigetto, do Poster Shop, do nosso esbarrão em Londres na Oxford Street no final dos 70 e dos nossos encontros mais recentes, já nos anos 2000, na Chappel School da Chácara Flora, no show dos Mutantes no Ipiranga e no Bar do Pingo, irmão do Peréio, no Bixiga. 

Mas posso dizer, de coração aberto, que o que mais me marcou na nossa curiosa convivência intermitente desde 1966 é o talento maior de pintor do Antonio Peticov, do grande artista que viverá para sempre. Também peço aos amigos que estão se re-encontrando nesse momento das nossas vidas que dêem seu testemunho sobre o Antonio Peticov, pois ele merece. Posso dizer tranquilamente que nada disso estaria acontecendo se ele não tivesse iluminado e expandido a consciência há mais de quarenta anos atrás e passasse sua mensagem aos que tiveram a sorte de encontrá-lo naqueles anos incríveis. Acho mesmo que, se existe um mestre da Psicodelia Brasileira, o nosso
Timothy Leary (com perdão da comparação) esse é o Antonio Peticov com sua visão das Crianças do Futuro, numa época onde era difícil enxergar qualquer coisa.


(Paz, amor e rock'n'roll! Zé BRasil)

Comentário do Leitor:

Oi,
Postei um texto q achei no teu site (sobre o Peticov), muito legal ....
mostrei pra minha mulher (q é sobrinha dele) ela adorou tbm, é muita historia no lance....
(Miguel Dorneles -
www.palavraeletrica.blogspot.com)



 

Articles View Hits
7843740

We have 693 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro